O Fundo de Investimento Imobiliário RBR Rendimento High Grade (RBRR11), administrado por BTG Pactual, divulgou nesta terça-feira (20) o seu relatório gerencial do mês de março, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais, assim como a atualização de seu portfólio.

Segundo o gestor do RBR Rendimento High Grade, as receitas de Certificados Recebíveis Imobiliários (CRI) em março foram “impactadas positivamente pelo reconhecimento de resultado acumulado de inflação em duas das nossas posições indexadas ao IGP-M, índice que já acumula alta de 8,26% de janeiro à março deste ano e 31,10% nos últimos 12 meses”

Além disso, o RBRR11 reforça que em fevereiro divulgou-se a alteração do benchmark do fundo para o maior índice entre CDI e 4,5% ao ano, de modo que o piso busca “antecipar a curva futura de juros em um período que a taxa Selic ainda permanece em patamares mínimos históricos”, disse o gestor do fundo.

O RBR Rendimento High Grade (RBRR11) continua “originando e estruturando operações com ótima relação risco x retorno no médio/longo prazo, sejam indexadas ao CDI ou à inflação. Dessa forma, na média, o fundo estará exposto às flutuações de ambos os indexadores”, apontou o gestor do fundo.

Atualmente, a composição equilibrada do fundo entre CDI, 51%, e Inflação, 49%, torna o fundo uma ótima alternativa em um cenário de maior incerteza quanto ao patamar da Taxa Selic e dos indicadores de inflação ao longo de 2021.

Resultados e rendimentos do RBRR11

O dividendo referente ao mês de março foi de R$ 0,70 por cota, com pagamento no dia 19 de abril de 2021, e o gestor do RBRR11 diz que esse valor está “em linha com o guidance anunciado no último relatório de 0,65 e 0,75 por cota para os demais meses do 1º semestre de 2021”.

Com 33 CRIs em portfólio, o RBR Rendimento High Grade chegou a um montante investido em CRIs de R$ 634 milhões. O dividend yield no mês considerando a cota a mercado foi de 0,70% ao mês, enquanto o dividend yield anualizado foi de 8,76% ao ano. O dividendo distribuído nos últimos 12 meses foi de R$ 6,67 por cota e o volume diário médio negociado foi de R$ 2,3 milhão.

O RBRR11 chegou em 68.637 cotistas e 7.638.479 cotas emitidas até então. O patrimônio líquido do fundo alcançou os R$ 756,87 milhões e a cota patrimonial chegou em R$ 99,09, enquanto a cota a mercado alcançou os R$ 99,71. Acompanhe o gráfico de retorno do fundo através do dividendos descritos e o valor das cotas:

RBRR11 anuncia resultados e movimentações de carteira em março

Portfólio do RBRR11

Os CRIs do RBRR11 estão distribuídos por indexador da seguinte forma:

  • CDI+2,5% - 51%;
  • IGPM+5,2% - 28%;
  • IPCA+6,7% - 22%.

Por setor, os CRIs do RBR Rendimento High Grade se divide por:

  • Residencial - 43%;
  • Laje Corporativa - 31%;
  • Galpão Logístico - 14%;
  • Shopping Center - 9%;
  • Outros - 2%.

Já a localização das garantias em percentual da carteira de CRIs acontece por:

  • Sudeste - 83%;
  • Centro-Oeste - 12%;
  • Nordeste - 5%;
  • Sul - 0%;
  • Norte - 0%.

    RBRR11 anuncia resultados e movimentações de carteira em março

Em março ocorreram movimentações táticas no portfólio do RBRR11, dos quais destacam-se: Venda de R$ 3 milhões do CRI GLP - ganho de capital de 13,1% ao ano e a Venda de R$ 1,5 milhão do CRI HBR - ganho de capital de 13,9% ao ano.

Importante dizer que as duas vendas geraram um resultado de R$ 0,05 por cota no mês para o fundo. Além disso, considerando a estratégia Tática de Fundos Investimento Imobiliário (FII), foi vendido pelo RBR Rendimento High Grade R$ 8,1 milhões de CVBI11, trazendo um ganho de capital de R$ 440 mil no mês.

Desde a primeira compra realizada pelo RBRR11 em julho de 2020, até a saída em março de 2021, o resultado do investimento foi equivalente a 22,1% ao ano. O fundo ainda adquiriu R$ 13,7 milhões do FII de CRI XPCI11.