O Fundo de Investimento Imobiliário RBR Crédito Imobiliário Estruturado (RBRY11), administrado pela BTG Pactual, divulgou nesta segunda-feira (30) o seu relatório gerencial do mês de fevereiro, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais, assim como a atualização de seu posicionamento estratégico de investimentos.

O gestor do RBRY11, que é o RBR Gestão, destaca que no mês de fevereiro o fundo seguiu com as movimentações conforme a estratégia tática, vendendo R$16 milhões de KNIP11, apurando um ganho de capital de R$833 mil. Além disso, eles continuam atentos e encontrando boas oportunidades de investimento na estratégia tática.

A venda de R$16,5 milhões de cotas de FIIs, que junta KNIP11, BARI11 e CPTS11, na estratégia tática do RBR Crédito Imobiliário Estruturado, gerou um ganho de capital de R$0,58 por cota. Dentro da mesma estratégia, ocorreu a compra de R$2 milhões de cotas de VGIR11.

O objetivo do RBRY11, segundo o relatório gerencial do fundo, é auferir rendimentos e ganhos de capital na aquisição de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) e possui prazo de duração indeterminado. O benchmark do fundo, que é calculado sobre a distribuição de rendimentos, é o IPCA + Yield IMA-B 5.

O RBR Crédito Imobiliário Estruturado ressalta que a gestão é muito criteriosa na garantia imobiliária das operações. O processo de análise dos ativos envolve os seguintes pontos:

  • Visita aos ativos;

  • Know-how de equipe especializada;

  • Coleta de referência sobre os imóveis;

  • Diligência técnica;

  • Operação ambiental;

  • Diligência jurídica;

Cerca de 64% das garantias imobiliárias do RBRY11 estão localizadas no estado de São Paulo. Desse total do estado, cerca de 74% estão na capital.

Portfólio do RBRY11

Na estratégia principal do RBR Crédito Imobiliário Estruturado, é considerado ativos que tenham:

  • CRIs com rating RBR mínimo BBB;

  • Acesso de investidores profissionais nas operações exclusivamente “off-market”;

  • Preferência por originação e estruturação próprias;

Através dessa análise, o RBRY11 tem 60% de sua carteira composta por ativos que correspondam com sua estratégia principal. Na carteira de CRIs do fundo, os 5 maiores posicionamentos são:

  1. Gramado Laghetto (R$24,8 milhões);

  2. Pinheiros (R$18,9 milhões);

  3. Exto (R$17,1 milhões);

  4. Habiarte (R$13,1 milhões);

  5. Setin Barra Funda (R$9,8 milhões);

Na carteira de CRIs do RBR Crédito Imobiliário Estruturado o maior posicionamento está no setor imobiliário residencial, com 80%. Logo em seguida vem a categoria outros, que ocupa 20%. Sobre a localização das garantias, cerca de 65% está na região Sudeste, enquanto 29% está no Sul e 6% no Nordeste.

Importante dizer que 100% da carteira do RBRY11 em dia com suas obrigações e que o LTV (Loan-to-Value) médio do portfólio do fundo é 50%, que corresponde a uma razão de garantia de 2x.

Além disso, 94% do patrimônio líquido do RBR Crédito Imobiliário Estruturado investido em CRIs é composto por operações ancoradas pela RBR. Ou seja, operações originadas, estruturadas ou investidas em mais de 50% da emissão, conforme aponta o relatório do fundo.

Resultados e rendimentos do RBRY11

No relatório do RBRY11 também foram destacados os resultados e rendimentos pontuais e acumulados referentes ao mês de fevereiro de 2021. A receita no mês foi de pouco mais de R$2,19 milhões, acumulando R$17,62 milhões nos últimos 12 meses.

Além disso, a despesa do RBR Crédito Imobiliário Estruturado no mês de fevereiro totalizou cerca de R$245 mil, obtendo assim um resultado mensal de R$3,08 milhões. O resultado acumulado nos últimos 12 meses foi de quase R$17,13 milhões.

O rendimento distribuído aos cotistas do RBRY11 foi de R$1,46 milhão. Dessa forma, com os dados apresentados e um número de cotas emitidas de aproximadamente 1,95 milhão, os dividendos distribuídos por cota foram de R$0,75 no mês de fevereiro,  formando um Dividend Yield anualizado de 8,91%.

Em suma, o RBR Crédito Imobiliário Estruturado terminou o mês de fevereiro com um patrimônio líquido de aproximadamente R$205,13 milhões. Dessa forma, a cota patrimonial do fundo ficou em R$104,93, enquanto a cota a mercado foi de R$105,02.

O RBRY11 iniciou suas atividades em maio de 2018, e até o final do mês de fevereiro acumulou 3.371 cotistas.