O Fundo de Investimento Imobiliário Rio Bravo Renda Varejo (RBVA11), administrado por Rio Bravo Investimentos DTVM LTDA., divulgou nesta sexta-feira (16) o seu relatório gerencial do mês de junho, no qual descreveu seu resultado e rendimento mensal, assim como a atualização de seu portfólio.

A estratégia de venda das agências está ligado a questão de que o RBVA11 pode estar mais preparado para conseguir tomar posição em ativos que sejam relacionados a sua estratégia durante a próxima década.

Segundo o RBVA11, o mês de junho seria “monótono se tivesse terminado na manhã da sexta-feira, já designada como sombria, dia 25 de junho, quando o Executivo organizou uma cerimônia para a entrega de um Projeto de Lei nas mãos do Presidente da Câmara, Arthur Lira, tratando de matéria tributária”.

Portfólio do Rio Bravo Renda Varejo

O fundo vai designar suas próximas iniciativas em segmentos de varejistas em que se afirma querer ter mais exposição. O fundo acredita que é necessária se diversificar não apenas em ativos de regiões diferentes, mas também em tipologias e ocupantes.

Na distribuição por locatário, o percentual da receita contratada do RBVA11 se divide em:

  • Santander - 42%;
  • Caixa - 32%;
  • GPA - 17%;
  • Centauro - 6%;
  • C&A - 2%;
  • Renner - 2%.

Além disso, 91% dos contratos do RBVA11 são da modalidade atípico, enquanto 9% são típicos. No percentual do capital investido, a maior parte está em Santander, que representa 37%. Em seguida vem a Caixa com 24% e 23% em GPA.

Por indexador, 83% da receita contratada está em IGP-M, enquanto o IPCA representa os 17% remanescentes. Na receita contratada por região do país, a diversificação geográfica do fundo se divide em:

  • Sudeste - 92%;
  • Nordeste - 5%;
  • Sul - 2%;
  • Centro-oeste - 1%.

RBVA11 divulga resultados do mês de junho em relatório gerencial

Resultados e rendimentos do RBVA11

No mês de junho, o RBVA11 distribuiu R$1,24 por cota, o que representa quase 100% do resultado operacional do fundo durante o semestre. Nesse sentido, o patamar de distribuição está ligado a proposta da gestão de trazer a “maior renda possível aos investidores através de sua estratégia imobiliária”.

A receita imobiliária foi de cerca de R$ 16,43 milhões, com R$ 909 mil de despesas e um resultado de R$ 15,7 milhões. Os rendimentos distribuídos totalizaram R$ 14,37 milhões, que em meio a 11.588.199 cotas emitidas, resulta em R$ 1,24 por cota. A vacância do fundo atingiu ao final de junho 0,7%. O valor de mercado do RBVA11 alcançou os R$ 1,293 bilhão, o que representa cerca de R$ 111,61 por cota.

Do mesmo modo, o volume médio diário negociado é de R$ 1,1 milhão. A Área Bruta Locável (ABL) do fundo é de 206.740 metros quadrados. O valor negociado por metro quadrado é de R$ 6.059. O número de investidores do RBVA11 atingiu a marca dos 41.639 e o yield anualizado foi de 9,1%. Assim, a distribuição média no 1º semestre foi de cerca de R$ 0,93 por cota.