A administradora de fundos Rio Bravo Investimentos DTVM LTDA., do fundo imobiliário Rio Bravo Renda Varejo (RBVA11) comunicou ao mercado e aos cotistas nesta segunda-feira (31), através de fato relevante, a assinatura de um compromisso de compra e venda para a alienação de dois ativos, um localizado em SP e outro em MG.

A venda feita pelo RBVA11 se refere dois ativos em específico. O primeiro é o imóvel Juiz de Fora, localizado na Av. Barão de Rio Branco, 2.519, Juiz de Fora/MG. Este é locado para o Banco Santander. O segundo é o imóvel Quitaúna, que se localiza na Av. dos Autonomistas, 5.386, Osasco/SP. Nesse caso a locação ocorreu para a Caixa Econômica Federal.

Detalhes da alienação dos imóveis

O RBVA11 destaca ainda que “A lavratura da escritura pública de compra e venda e efetiva alienação de ambos os imóveis se darão assim que concluídas algumas condições precedentes, data em que a Rio Bravo irá fornecer mais informações sobre o negócio”.

Em relação ao imóvel Quitaúna, ele tem um contrato de locação atípico que está vigente até novembro de 2022. Do mesmo modo que o imóvel Juiz de Fora tem um contrato atípico até que está vigente até dezembro de 2022. Dentro da modalidade típico, essa vigência vai para o prazo de dezembro de 2032.

O RBVA11 recebeu o sinal no valor de R$ 100 mil para cada operação. Posteriormente, ele deve receber o saldo remanescente. Em suma, o fundo lembra que “As operações seguem a estratégia de venda de imóveis non-core para o varejo com condições atraentes e que gerem valor ao fundo”.

Saiba mais sobre a venda do RBVA11

O RBVA11 ainda afirma que em ambos os casos, as alienações se realizaram acima do custo de aquisição. Enquanto que as operações também ficaram acima do valor de laudo de avaliação, que se fez em dezembro de 2020.

O Rio Bravo Renda Varejo diz que a soma das operações deve trazer um ganho de capital para os cotistas de cerca de R$ 2,6 milhões. Esse montante equivale a R$ 0,22 por cota. Além disso, o resultado leva em conta o valor que o RBVA11 recebeu na venda, subtraído do custo do imóvel.

O custo ao qual o fundo se refere foi contabilizado no valor da aquisição e também de despesas que foram “incorridas na venda, inclusive comissionamento”, diz o Rio Bravo Renda Varejo. A distribuição do resultado que vem através da venda dos imóveis segue a “legislação vigente de distribuição de pelo menos 95% dos lucros auferidos no semestre, apurados em regime de caixa”, explicou o RBVA11.

A gestão do RBVA11 faz suas análises através de fatores como localização e capacidade de atrair bons locatários. Além disso, se busca avaliar o potencial de alcançar por meio de aluguel no longo prazo. Sendo assim, se procura calcular uma melhor taxa de retorno para o investidor nos diversos cenários. Através disso, é possível definir o momento mais propício para que se faça o desinvestimento de alguns ativos do portfólio do fundo.