A Rio Bravo, gestora do FII Rio Bravo Renda Corporativa (RCRB11), comunicou nesta segunda-feira (15) aos seus investidores por meio de Relatório Gerencial, sobre os resultados de fevereiro. Além disso, os cotistas foram informados sobre os últimos acontecimentos referentes aos imóveis do fundo.

De acordo com a gestão do RCRB11, “o Fundo apresentou resultado de R$ 0,55/cota e distribuição de R$ 0,80/cota.” Essa aparente discrepância entre resultado e valor distribuído foi explicada pela Rio Bravo. 

Na perspectiva da gestora, a distribuição dos dividendos está sustentável, “visando o semestre como um todo, de forma que resultados não recorrentes poderão recompor a diferença entre o valor distribuído e o resultado gerado”. 

Observe na tabela abaixo os resultados do fundo no mês de fevereiro:

Atualizando os cotistas sobre os últimos acontecimentos

Diante disso, a gestão do RCRB11 informou sobre os últimos fatos referentes aos seus imóveis. 

Desde o ano passado, o FII Rio Bravo Renda Corporativa vem promovendo o desinvestimento em duas lajes do edifício Parque Paulista.

A venda de dois andares do prédio decorre da estratégia do fundo de ter ativos completos, sem possuir lajes ou apenas alguns andares, para “ter maior poder de decisão e ingerência na gestão dos empreendimentos, além de desinvestir em posições menores”, afirmou a Rio Bravo. 

Por esse motivo que a gestora está reformando (retrofit) o Alameda Santos, para posteriormente vender e gerar maior renda para o RCRB11.

No mês de março, a gestora informou que o aluguel do 14º andar do Edifício Parque Cultural Paulista, locado para a Sumitomo Corporation, teve renovação nos preços, com aumento do “prazo do contrato, que foi postergado por mais 12 meses e se encerrará em fevereiro de 2027”. 

Também, a Votorantim S.A rescindiu o contrato com o FII Rio Bravo Renda Corporativa, referente ao Square Faria Lima.  

Por esse motivo, o RCRB11 recebeu uma multa rescisória de forma proporcional ao tempo que restava do contrato, “além da restituição da carência concedida no início do contrato, que representa 2,4 aluguéis mensais”. 

Aquisições do fundo

A Rio Bravo também comunicou no relatório a respeito da nova aquisição do fundo, a saber, a compra de 1.946,23 m² de área privativa do Edifício Girassol 555. Localizado na Rua Girassol, 555, Vila Madalena, em São Paulo, o valor da compra foi de R$33,7 milhões.

Vale destacar que o fundo já era proprietário de 2 andares do Bloco A do referido imóvel, além de uma participação pequena no Bloco C. A nova aquisição, concentrada no Bloco C, envolve mais 3 andares e um conjunto. Com esta aquisição, o RCRB11 passa a ser proprietário de 4.114,34 m², ou 34,9% do imóvel, e agora é o maior investidor individual do complexo.

Por fim, a Rio Bravo lembrou que o patrimônio do fundo é composto por 10 ativos localizados nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro

E com a compra do novo imóvel,  o RCRB11 “possui 92,9% dos seus ativos concentrados em São Paulo e 7,1%, no Rio de Janeiro”. Observe nos gráficos abaixo:

rcrb11 tabela

Conheça o RCRB11

O FII Rio Bravo Renda Corporativa (RCRB11) é um fundo imobiliário do tipo tijolo com foco no mercado de escritórios comerciais. 

Além disso, o patrimônio do fundo é composto por 10 ativos localizados nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

O RCRB11 possui patrimônio líquido de R$730 milhões e tem aproximadamente 38.810.000 de cotas emitidas. O dividend yield anualizado do fundo é de 6,1%.

Para quem deseja investir no RCRB11, o preço atual da sua cota é de R$147,39 (atualização 16/03), sendo sua taxa de administração de 0,7% a.a. sobre o valor de mercado.