O Fundo de Investimento Imobiliário Vinci Offices (VINO11), administrado pelo BRL Trust DTVM S.A., divulgou nesta quarta-feira (8) o seu relatório gerencial do mês de agosto, em que descreveu seu resultado e rendimento mensal.

No cenário macroeconômico local, o VINO11 diz que agosto foi um mês marcado pelo aumento de aversão ao risco por parte dos investidores. Isso refletiu na abertura das taxas de juros e queda dos principais índices de mercado.

Na visão do departamento econômico da Vinci, o principal fator que trouxe o aumento do pessimismo do mercado foi a suposta “piora no cenário fiscal, alimentada pela preocupação de que a ala política do governo consiga efetivar uma mudança significativa na regra do teto de gastos, o que poderia permitir um descontrole no futuro”.

Assim também se teve um forte ritmo de vacinação. Desde o início da campanha de vacinação até agora, se aplicou mais de 200 milhões de doses, dos quais 134 milhões de vacinas foram destinadas para primeira dose, 62 milhões para segunda dose e 4 milhões de vacinas com dose única.

Com isso, o VINO11 lembrar que cerca de 31% da população está totalmente imunizada e outros 32% está parcialmente imunizada. Este cenário de vacinação torna possível uma redução das medidas restritivas, além da aceleração da recuperação econômica.

Portfólio do Vinci Offices

O patrimônio líquido do VINO11 ao final de agosto era R$ 750,5 milhões e as participações em ativos imobiliários totalizavam R$ 826,5 milhões. As aplicações financeiras totalizam R$ 94,3 milhões, além de R$ 38,2 milhões em fundos referenciados DI com liquidez imediata.

Assim, se tem também R$ 56,1 milhões em cotas de fundos de investimento imobiliário com liquidez. O Vinci Offices tem ainda R$ 164,3 milhões em obrigações referentes a aquisições de imóveis a prazo, dos quais R$ 46,0 milhões apresentam vencimento em até 12 meses.

O portfólio do VINO tem sua composição a participação em 9 imóveis totalizando mais de 47,0 mil metros quadrados de Área Bruta Locável (ABL) próprio. Por diversificação da receita de aluguel própria do portfólio por locatário, a distribuição ocorre em:

  • Vinci Partners - 27%;
  • Vitacoin - 18%;
  • WeWork - 10%;
  • BMA Advogados - 8%;
  • Abril - 8%;
  • C&A - 7%;
  • Austral - 5%;
  • Casa de Saúde São José - 5%;
  • Camicado - 4%;
  • DHL - 4%;
  • W.Coworking - 3%;
  • Galeria - 1%.

Os 4 principais segmentos de atuação do portfólio do VINO11 são:

  1. Financeiro - 27%;
  2. Construção e Serv. Imob. - 17%;
  3. Varejo - 15%;
  4. Coworking - 13%.

VINO11 divulga relatório gerencial com resultado do mês de agosto

Resultado e rendimento do VINO11

O valor de mercado da cota do VINO11 ao final do mês de agosto foi de R$ 58,80, enquanto o valor patrimonial da cota foi de R$ 59,22. O número de cotistas ao final do mês era de 87.762, enquanto o número de cotas emitidas foi de 12.673.868.

O VINO11 anunciou a sua distribuição de rendimentos referente ao mês de agosto de 2021, no valor de R$ 0,58 por cota. Assim, se encerrou o período com cerca de R$ 1,23 por cota de resultado acumulado.

O resultado do VINO11 em agosto foi de R$ 4.376 mil, que é R$ 0,35 por cota. A receita dos imóveis totalizou R$ 4,98 milhões. O resultado financeiro foi de R$ 215 mil, fruto do rendimento das aplicações do caixa do fundo líquido de tributos.