Conheça os principais tipos de ativos financeiros

Você investidor, quer entender de uma vez por todas o que é um ativo financeiro?

Muito bem, este artigo irá mostrar de forma simples e objetiva tudo que um investidor precisa saber sobre um ativo financeiro. Continue lendo e evolua o seu conhecimento.

Um ativo financeiro é caracterizado por direitos decorrentes de obrigações assumidas por agentes econômicos, normalmente negociado no mercado financeiro. Ele é um ativo não físico e geralmente são mais líquidos do que outros ativos tangíveis, como commodities e imóveis. Esses ativos compreendem principalmente títulos públicos, certificados de depósitos bancários (CDBs), debêntures, ações e outros.

Entenda o Ativo Financeiro

ativo financeiro

Como ativos financeiros são intangíveis, eles não têm presença física, salvo o documento que registra a posse do ativo.

Por isso, é essencial que os documentos e certificados que representam esses ativos financeiros não tenham valor intrínseco até que ele seja convertido em dinheiro.

O documento que certifica a posse tem seu valor derivado do valor do ativo representado.

Com isso, independente do fato de que ativos financeiros não existem fisicamente, eles ainda são registrados no balanço patrimonial para representar o valor contido nos mesmos.

Ativo financeiro de renda fixa

Entre os ativos de renda fixa, os mais comuns são:

  • Poupança
  • Títulos públicos
  • Letras de câmbio
  • Fundos de renda fixa
  • Debêntures
  • Dentre outros como os CRI’s e LCI’s

Ativo financeiro de renda variável

Já entre os ativos de renda variável podemos destacar:

  • Ações
  • Fundos de ações
  • Fundos multimercado
  • Fundos imobiliários
  • Derivativos
  • ADR’s, COE’s, ETF’s, dentre outros

É de extrema importância que o investidor aprofunde seus conhecimentos sobre os diversos ativos existentes, conheça seu perfil de investidor e tenha definido seus objetivos.

Deste modo, poderá criar uma carteira de investimentos que seja adequada ao seu perfil e objetivos definidos.

Além disso, é importante classificar os ativos quanto aos objetivos, em três tipos:

  • Geração de renda
  • Reserva financeira
  • Desenvolvimento e crescimento

Geração de renda

Os ativos de geração de renda são aqueles que garantem um ganho com certa periodicidade a quem faz o investimento.

Podemos citar como exemplos os fundos imobiliários e as ações de empresas “boas pagadoras” de dividendos.

Lembrando que são de renda variável e, portanto, existe a possibilidade de oscilação.

Entretanto, a renda proporcionada é mais importante que o valor das ações e das cotas nessa modalidade, pois os ganhos são o principal objetivo.

Reserva financeira

Os ativos de reserva financeira, normalmente, são relacionados à renda fixa.

A liquidez da modalidade costuma ser elevada, mas a obtenção de rendimentos é baixa, ainda mais em situações de políticas que visam as reduções das taxas de juros.

Nesse sentido, ao investir nesta modalidade, é importante lembrar-se de não reservar valores altos.

O ideal é destinar para ela apenas o que for necessário para uma eventual emergência ou o que estiver sendo economizado para um determinado objetivo no curto prazo.

Desenvolvimento e crescimento

Um ativo de crescimento possibilita maior volatilidade em relação ao curto prazo.

Entretanto, no longo prazo a modalidade pode apresentar um crescimento mais elevado ao patrimônio.

Assim, para os investidores que possuem tempo disponível para alcançar os resultados, as oscilações não serão um problema.

Pelo contrário, podem ser boas oportunidades para fazer a compra de ativos bons por preços reduzidos.

No entanto, vai depender de uma boa análise do investidor, que precisa estar certo de que é um bom negócio.

Pois, o objetivo aqui é o ganho de capital com a valorização dos ativos adquiridos.

Considerações

ativo financeiro

Em linhas gerais, os ativos financeiros como contas correntes, contas de poupança e contas de mercado monetário são facilmente convertidos em dinheiro.

Já investimentos em ativos ilíquidos podem resultar na falta do recurso quando precisar e, com isso, fará uso de cartões de crédito de juros altos, por exemplo, para cobrir despesas.

Por outro lado, se distribuir porções do dinheiro entre diferentes tipos de investimentos pode ser vantajoso se alguns deles não derem resultados.

Logo, cada tipo de investimento tem seus próprios riscos e recompensas potenciais.

Com isso, para concluir, ao possuir uma variedade de ativos financeiros diferentes, o investidor diversifica o seu portfólio, algo que vale a pena fazer a fim de minimizar os riscos que assumiria se colocasse todo o dinheiro em um único tipo de investimento.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.

Comentários