Imposto de renda nos investimentos: Veja quando se aplica

O imposto de renda nos investimentos é a obrigatoriedade de declarar as aplicações e ganhos advindos dos mesmos.

Então, para investir não se tornar um transtorno e sim gerar bons resultados, o investidor precisa conhecer o que é o imposto de renda nos investimentos e entender quando deve pagar, ou não.

A alíquota do imposto de renda nos investimentos varia de acordo com o tipo de investimento e incide sobre o total do rendimento das aplicações.

A grande maioria desses investimentos sofrem dedução de imposto de renda na fonte. O imposto varia de 15% a 22,5%, dependendo do prazo que o capital do investidor permanece aplicado no investimento.

Como é aplicado o imposto de renda nos investimentos

imposto de renda investimentos

Independentemente do volume de aplicações que o investidor mantenha, o imposto de renda sobre os investimentos é sempre aplicado sobre os ganhos.

E para que isso aconteça, não importa a natureza da rentabilidade.

Pode ser em juros ou por valorização de ações vendidas, por exemplo, o lucro gerado sempre é considerado renda e será tributado se o investimento escolhido não for isento de dessa tributação.

Isso significa que o total de aplicações mantidas não influencia, pois, mesmo que o investidor aplique milhões em opções tributadas de renda fixa ou variável, será tributado o imposto sobre esse valor.

Para questão de conhecimento, um exemplo de investimento que podemos citar com isenção de imposto de renda são os fundos de investimento imobiliário.

Leia também: Investimento em Fundos Imobiliários – Dicas para obter grandes retornos

A seguir, veja os principais tipos de investimento, com os prazos de investimento e as respectivas alíquotas:

Como é pago o imposto de renda nos investimentos

Enquanto os produtos financeiros da renda variável exigem que o investidor apure e pague o imposto, os da renda fixa requerem menos cuidados antes da declaração.

Entenda agora como é apurado e pago o imposto de renda (IR) sobre investimentos em renda fixa e variável.

Imposto de renda nos investimentos renda variável

imposto de renda investimentos

Na renda variável existe uma pequena retenção feita pela instituição financeira ou corretora pela qual os investimentos são operados.

O percentual é de 0,005% sobre o valor total das operações comuns e 1% sobre aquelas iniciadas e encerradas no mesmo dia, o que se chama de operação day trade.

Nesse caso, a tributação sobre o lucro precisa ser recolhida pelo investidor.

Sabendo disso, ele deve primeiro chegar à base de cálculo do seu imposto, que é o preço de venda menos o preço de compra das ações e as despesas e taxas, que são dedutíveis no cálculo.

Por exemplo:

  • Gasto de R$ 5 mil na compra dos papéis
  • Ganho de R$ 2 mil na venda das ações
  • Despesas e taxas somando R$ 400 na operação
  • Base de cálculo: R$ 1.600

Encontrada a base, é necessário aplicar sobre ela o percentual de 15% de imposto ou de 20% se for uma operação day trade.

Também é preciso observar neste momento que a venda de ações não é tributada se o investidor vender menos de R$ 20 mil desses ativos dentro de um mês.

Seguindo, e considerando a necessidade de pagar o tributo, é preciso emitir o Documento de Arrecadação da Receita Federal (DARF) para realizar o pagamento até no máximo o último dia útil do mês seguinte ao encerramento da operação.

Imposto de renda nos investimentos renda fixa

Nas aplicações de renda fixa o imposto é sempre retido sobre os rendimentos pela instituição ou corretora que faz a custódia delas.

Ou seja, o investidor não precisa se preocupar com apuração e pagamento de tributos.

Entretanto, deve se atentar da mesma forma tanto para investir quanto para o momento de fazer a declaração.

Por isso, o investidor deve conhecer a tabela de IR regressiva aplicada sobre essas opções do mercado financeiro, cujas alíquotas são as seguintes:

  • 22,5% de imposto de renda para aplicações de até 180 dias;
  • 20% de IR para aplicações entre 181 e 360 dias;
  • 17,5% de IR para aplicações entre 361 e 720 dias; e
  • 15% de IR para as aplicações com prazo superior a 720 dias.

Logo, quando um investidor liquida sua aplicação, desde que ela não seja isenta de imposto, um desses percentuais é automaticamente retido do valor de seus lucros.

Como resultado, esse artigo apresentou ao investidor informações importantes e necessárias sobre o imposto de renda nos investimentos.

Por isso, preste muita atenção na hora de escolher um investimento, pois o também conhecido "Leão" pode consumir boa parte de seus rendimentos.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Desenvolvedor de conteúdos

Formado em Engenharia de Produção pela FAACZ, com experiência de mais de 5 anos no mercado financeiro do Brasil. Investidor e desenvolvedor de conteúdos sobre o mercado imobiliário, economia e investimentos.

Comentários