O Fundo de Investimento Imobiliário Barigui Rendimentos Imobiliários (BARI11), administrado pelo Oliveira Trust DTVM SA, divulgou nesta terça-feira (22) o seu relatório gerencial do mês de maio, em que descreveu seu resultado e rendimento mensal. O fundo relatou que no fechamento do mês alcançou 26.905 cotistas, que é o maior desde que o fundo começou.

O BARI11 é um Fundo de Investimento Imobiliário, cuja principal estratégia é a compra de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) pulverizados. Esses CRIs teriam como essência créditos com garantia real de imóveis, desde que tenham um ticket médio relativamente baixo.

O início das atividades do Barigui Rendimentos Imobiliários aconteceu em 12 de dezembro de 2018. A taxa de administração do fundo é de 1,305% ao ano do patrimônio líquido do fundo. Enquanto isso, o benchmark do BARI11 é o CDI + 1,5% ao ano.

Nos eventos que ainda podem ocorrer, o BARI11 possui a expectativa de comprar em junho, segundo o fundo, uma “carteira de créditos pulverizados com um volume aproximado de R$ 29,0 milhões, além de novos créditos que já estão em warehouse e que serão securitizados em sequência”.

Portfólio do Barigui Rendimentos Imobiliários

Em maio 2021, o Barigui Rendimentos Imobiliários tem 14 CRIs, dos quais 8 são de créditos

pulverizados. Nesses créditos se inclui 1.024 créditos imobiliários, do mesmo modo que o  ticket médio é de R$ 233 mil por contrato. Além disso, a garantia é de 1,7 vezes o montante total dos empréstimos.

Em maio, o BARI11 fez as seguintes movimentações na alocação dos ativos:

  • Aquisição no mercado secundário do CRI Helbor por R$ 20,031 milhões e taxa média de IPCA+ 5,5%;
  • Aquisição no mercado secundário do CRI Evolution por R$ 10,118 milhões e taxa média de IPCA+ 5,80%;
  • Venda de cotas do VGIP11 pelo montante de R$ 200,0 mil;
  • Aquisição de R$ 20,0 milhões em Letras de Créditos Imobiliários (LCIs) com taxa de 104,00% do CDI.

Na composição de ativos, o BARI11 apresenta a seguinte alocação:

  • CRI pulverizado - 55,9%;
  • Renda Fixa - 22,2% (dos quais 10,10% em disponibilidades líquidas);
  • CRI outros - 14,6%;
  • FIIs - 7,3%;
  • Caixa - 0,0%.

Dos CRIs Pulverizados, BARI IX - 88ª representa 17,2% e é a maior parte do total. Enquanto isso, o BARI VIII - 80ª corresponde a 16,6 e o BARI X - 89ª é de 7,4%. O fundo destaca ainda que a “maioria dos nossos créditos são de aquisição residencial, com concentração na Região Sudeste, indexados ao IPCA, com taxa de juros média de 10,5% e LTV médio de 70,3%”.

BARI11 tem seu maior número de cotistas ao final do mês de maio

Resultados e rendimentos do BARI11

O BARI11 distribuiu no mês de maio R$1,07 por cota de resultado. Por conta disso, acumula-se a distribuição de R$ 14,19 por cota no período dos últimos 12 meses. Levando isso em conta, são R$ 6,82 por cota só no ano de 2021. Com o valor de fechamento da cota do mês, a distribuição corresponde a um retorno de 13,25% no intervalo de 1 ano.

No mês de maio de 2021, a cota do Barigui Rendimentos Imobiliários teve uma queda de 2,40% no valor de mercado. Enquanto essa variação negativa foi de 1,20% quando se considera o yield distribuído. Desde que o BARI11 começou, se vê que ele superou seu Benchmark, com CDI + 1,5%.

O BARI11 foi negociado em 100% dos pregões na bolsa de valores brasileira. A média de negociação foi superior a R$1,6 milhão ao dia. Ocorreu um aumento de 460 novos investidores no fundo, atingindo a marca dos 26.905 cotistas, o maior desde que o fundo começou.

No mesmo período, o BARI11 teve um total de quase R$ 7,09 milhões de receita total. Enquanto isso, foi quase R$ 1,61 milhão de despesas e o resultado líquido de R$ 5,48 milhões, com R$ 4,96 milhões distribuídos. Assim, o patrimônio líquido do fundo foi de R$ 471,7 milhões, que é R$ 101,79 por cota, enquanto o valor de mercado da cota de R$ 107,07.