‌O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ quarta-feira‌ ‌(12)‌ ‌em queda ‌de‌ ‌-0,29%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.831,09 ‌pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ ‌maio‌ ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ ‌-1,05%‌ ‌e‌ -1,36%,‌ ‌respectivamente.‌ ‌

 ‌Também,‌ ‌o‌ ‌índice‌ ‌‌SUNO30‌‌ ‌fechou‌ ‌em‌ baixa ‌de‌ ‌-0,31%‌ ‌e‌ ‌102,94 ‌pontos.‌ ‌Veja‌ ‌na‌ ‌tabela‌ abaixo:‌ 

fechamento 12/05

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

BRCO11 apresenta resultados e atualiza cotistas sobre seus imóveis

A Bresco Gestão, gestora do Bresco Logística FII (BRCO11) informou nesta quarta-feira (13) aos seus cotistas, os resultados do mês de abril. O Bresco Logística FII é um fundo imobiliário do tipo híbrido do segmento logístico. Seus investimentos são ligados à compra e venda de galpões logísticos.

Logo de início em seu relatório gerencial, a Bresco Gestão atualizou os cotistas sobre o portfólio do fundo, que “possui 11 propriedades com 446 mil m² de área bruta locável (ABL). O portfólio do fundo encontra-se com uma receita anual estabilizada de mais de R$125 milhões”.

Referente ao mês de abril, o fundo distribuiu R$0,54 por cota. Desta forma, a gestão atualizou os cotistas a situações do seus imóveis, indicando assim o que está “por trás” dos seus resultados. Confira na tabela abaixo:

BRCO11

No dia 22 de abril, o BRCO11 assinou a renovação parcial da locação de imóvel com a FM Logistic e a locação de 8.983,21m² para a Natura. Ambas as locações possuem prazo de 5 (cinco) anos e serão reajustadas anualmente de acordo com a variação positiva acumulada do IPCA/IBGE. 

Desta forma, a Bresco Gestão ressaltou que “os valores dos aluguéis dos contratos mencionados devem representar, aproximadamente, R$0,03 por cota do fundo ao mês”. 

Obras e reformas em seus imóveis

Além disso, foi dado início das operações da Magazine Luiza no dia 15 de abril em imóvel locado em Contagem, Minas Gerais. Para o uso do ativo, foi iniciada uma obra de expansão. O valor do aluguel da expansão representa aproximadamente R$0,02 por cota do fundo ao mês.

Outras obras foram feitas para interligação do Galpão G100 com o Galpão G200 e foram entregues no dia 8 de abril. Trata-se de imóvel ocupado pelo Mercado Livre, que demandou um investimento de aproximadamente R$ 7,2 milhões.

Em São Paulo, foram realizadas mais obras de benfeitorias no imóvel Whirlpool São Paulo desde janeiro, com previsão parcial da entrega para maio de 2021. Essa reforma demandará “um investimento de, aproximadamente, R$ 19 milhões, o qual será suportado integralmente com os recursos disponíveis no Fundo”, destacou a gestão. 

Por fim, o BRCO11 comunicou que celebrou o termo de encerramento do contrato de locação firmado com a empresa FM Logistic, de acordo com o prazo de vencimento do contrato de locação. Porém, o fundo assinou a locação do imóvel para a B2W. 

O valor do aluguel do contrato acima deve representar, aproximadamente, R$0,03 por cota do fundo ao mês, informou a gestão do BRCO11

HGLG11 informou a compra de 2 imóveis

Em comunicado apresentado aos cotistas na última quarta-feira (12), a gestão do CSHG Logística FII (HGLG11) informou a compra de um imóvel em Ribeirão Preto e outro em Duque de Caxias. A Credit Suisse, gestora do fundo, aproveitou para divulgar as condições de pagamento dos ativos. 

No comunicado, a Credit Suisse informou que o HGLG11 firmou 2 Contratos de Compra e Venda de Ações adquirir imóveis em Ribeirão Preto nas seguintes condições: 

  • Pagar o valor total de R$ 167.699.914,88;
  • Pagar pelo valor total de R$ 109.267.521,00 por ativo localizado em Duque de Caxias. 

Os imóveis citados serão comprados com recursos da 7ª emissão de cotas do HGLG11.  

Nesta data, o HGLG11 pagou aos vendedores ativo, com recursos disponíveis em caixa, o valor de R$ 123.519.151,36 referente ao ativo de Ribeirão Preto; 

 o valor de R$ 80.480.848,62 referente ao imóvel localizado em Duque de Caxias,  sendo que a totalidade do saldo restante será paga aos respectivos vendedores, em parcela única, simultaneamente ao fechamento das transações. 

Poderá ser estruturada pelos vendedores dos imóveis uma operação de securitização (CRI), sendo que o pagamento de parte do saldo do preço de aquisição poderá ocorrer por meio da assunção de obrigações de pagamento do CRI pelo HGLG11, informou a gestora. 

Porém, isso está sujeito à aprovação prévia pelos cotistas do fundo em assembleia a ser convocada. Caso não ocorra a estruturação do CRI, o valor do saldo do preço de aquisição será pago pelo Fundo integralmente com recursos próprios. 

HGLG11 tem por objeto a exploração de empreendimentos imobiliários voltados primordialmente para operações logísticas e industriais, por meio de aquisição de terrenos para sua construção ou aquisição de imóveis em construção ou prontos, para posterior alienação, locação ou arrendamento.

RZTR11 apresenta resultados e analisa cenário econômico

A Riza Asset Management, gestora do FII Riza Terrax (RZTR11), comunicou em relatório gerencial nesta quarta-feira (12), a apresentação dos seus resultados referente ao mês de abril. 

O Riza Terrax distribuiu R$ 0,70 reais por cota referente ao mês de abril, equivalente à um dividend yield de 0,66%, comunicou a gestora. Além disso, a cota no mercado secundário se valorizou de R$ 102,48 para R$ 106,40 reais, um retorno total bruto de 4,48%no mês. Confira abaixo na tabela:

RZTR11

Também, o RZTR11 finalizou a 2ª emissão de cotas, com captação total de R$ 599.692.275,00. 

Diante disso, a Riza Asset reforçou que “trabalha ativamente para a alocação total dos recursos e entende que o crescimento do fundo é importante para mitigação de risco e aumento da liquidez das cotas no mercado secundário dado o incremento no número de cotas/cotistas”.

O RZTR11 é um fundo imobiliário do tipo tijolo com foco no mercado do agronegócio. Seus investimentos são feitos por meio da compra, venda e arrendamento de imóveis rurais.