A gestão do Valora Cri Índice de Preço FII (VGIP11) detalhou em seu Relatório Gerencial divulgado na quarta-feira (14) passada, o desempenho do fundo no mês de março. A Valora Investimentos também explicou as operações de compra e venda efetuadas pelo fundo. 

O mês de março terminou e o VGIP11 alocou 99,9% de seu patrimônio líquido em CRIs, “distribuídos em 22 diferentes operações, num total investido de R$332,2 milhões”, afirmou a Valora Investimentos. 

A pequena parte restante, como é de se esperar, estão investidos em instrumentos de caixa. 

Durante o mês, o fundo fez apenas uma operação de compra. Neste caso, o VGIP11 adquiriu por R$23 milhões o CRI Manhattan 196S com cupom de IPCA + 12% ao ano.

Para ter caixa liberado e adquirir o ativo citado, o VGIP11 teve que remanejar sua carteira, fazendo algumas vendas de CRIs. Todos eles eram indexados ao CDI, observe: 

  • CRI Nova Barueri e CRI Alfa Realty – no valor de R$5,7 milhões, 
  • CRI Francisco Leitão 14S por R$3,1 milhões do; 
  • R$3,1 milhões do CRI Francisco Leitão 15S; 
  • R$2,8 milhões do CRI AMF Saúde;

Resultados do fundo

Desta forma, o VGIP11 simplesmente zerou totalmente sua exposição aos ativos indexados ao CDI, possuindo no aproximadamente 97% de seus ativos vinculados ao IPCA

Em relação aos resultados e distribuição de rendimentos referentes ao mês de março, a gestão informou que será de R$0,85 por cota. Isso equivale a uma “rentabilidade líquida de IPCA + 7,3% ao ano com base o valor patrimonial da cota de R$95,17”, reforçou a gestora. 

Observe os resultados abaixo, na tabela:

VGIP11

Desde o início do fundo (março de 2020), a distribuição de rendimentos acumulada é de R$11,70 por cota. A Valora Investimentos informou que isso equivale a uma rentabilidade de IPCA + 7,7% ao ano com base no valor da cota patrimonial. 

Momento da economia

A equipe gestora demonstrou preocupação com o recente avanço no número de casos e óbitos decorrentes da Covid-19. 

Também, a Valora Investimentos pontuou que as restrições ao comércio deverão trazer “impacto na recuperação econômica, com reflexos em todos os setores”. 

Porém, a gestão do VGIP11 segue com a opinião de que alguns “segmentos do mercado imobiliário, principalmente residencial e logística, continuarão resilientes frente a esse cenário”. 

Mesmo com todas as incertezas do cenário econômico, na visão da gestão, a carteira do VGIP11 permanece saudável. 

Por fim, o fundo segue com sua 4ª emissão de cotas, exclusiva aos atuais cotistas, no valor total base de R$150.000.054,20.  

Algumas características do VGIP11

O Fundo atualmente possui exposição em CRIs de diferentes segmentos do mercado imobiliário, embora tenha uma concentração maior no segmento residencial. 

A Valora Investimentos entende que os fatores micro (localização, produto, inserção de mercado etc.) são os de maior influência para o mercado imobiliário, embora sempre tendo como pano de fundo fatores macroeconômicos. 

Abaixo, observe no gráfico os principais setores dos CRIs da carteira do fundo:

VGIP11

Conheça o VGIP11

O Valora Cri Índice de Preço FII é um fundo imobiliário do tipo papel . O foco de seus investimentos está em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), conforme critérios definidos na política de investimento do fundo.

Desta forma, o fundo em questão possui patrimônio líquido de R$323 milhões e tem aproximadamente 433.639 de cotas emitidas.

Para quem deseja investir no VGIP11, o preço atual da sua cota é de R$104,01 (última atualização 14/04), sendo sua taxa de administração de 1,00%a.a. sobre patrimônio líquido ou valor de mercado do fundo se o fundo fizer parte de índice de mercado (IFIX).