O‌‌‌ ‌‌‌‌‌‌IFIX‌‌‌‌‌‌ ‌‌fechou‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌última‌‌‌ terça-feira‌‌‌ ‌‌‌(02)‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ alta de 0,19%,‌‌‌ ‌‌terminando‌‌ ‌‌‌o‌‌‌ ‌‌‌dia‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ ‌‌2.809 pontos.‌‌‌ ‌‌‌No‌‌‌ ‌‌‌acumulado‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌mês‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ agosto ‌‌‌e‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌ano‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ ‌‌‌2022,‌‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌variação‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌índice‌‌‌ ‌‌‌é‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ -0,19% e‌‌‌ 0,13%‌‌,‌‌‌ ‌‌‌respectivamente.‌‌‌ ‌

Em resumo, o KNRI11 fecha novas locações de ativos e explica dividendos. Além disso, o BTRA11 comenta sobre fundo após problema com locatário.  

Confira‌‌ ‌‌as‌‌ ‌‌principais‌‌ ‌‌notícias‌‌ ‌‌do‌‌ ‌‌mercado‌‌ ‌‌de‌‌ ‌‌FIIs:‌‌

KNRI11 reduz vacância e aumenta rendimentos

O Fundo de Investimento Imobiliário Kinea Renda Imobiliária (KNRI11), gerido pela Kinea Investimentos, informa nesta sexta-feira (1º) o seu relatório gerencial do mês de julho. O FII tem novos locatários em seus ativos, reduzindo mais uma vez sua vacância.  

No mês de julho o fundo imobiliário KNRI11 fechou a locação da loja localizada no térreo do Edifício Bela Paulista para a Kalunga.

De igual modo, o KNRI11 também alugou um conjunto do Edifício Joaquim Floriano para a epresa Opy Health.

Com as locações acima, a vacância física do KNRI11 foi para 1,74%, enquanto no mês anterior esse valor era de 1,84%. A vacância financeira saiu de 5,59% para 5,16% e a vacância financeira ajustada pelas carências chegou em 6,64% (ante 7,01% no mês anterior).

Como resultado, o valor de rendimentos distribuídos pelo fundo referente ao mês de julho será de R$0,91 por cota. A gestora destaca que os dividendos do KNRI11 tiveram um incremento de 40% nos rendimentos mensais desde janeiro de 2021.

O Kinea Renda Imobiliária é um fundo imobiliário do tipo híbrido. Seu objetivo é gerar renda de aluguel mensal através da locação de um portfólio diversificado de prédios corporativos e galpões logísticos.

BTRA11 explica situação do fundo após falência de locatário

O fundo imobiliário BTG Pactual Terras Agrícolas (BTRA11) explica sua situação após problema com locatário no mês de junho, que entrou com pedido de recuperação judicial.

Após o fato, o BTRA11 reduziu os rendimentos do fundo. Antes do ocorrido, o BTRA11 distribuiu R$ 0,94 por cota, reduzindo esse patamar para R$ 0,70 por cotas nas distribuições dos últimos 2 meses.

Além disso, o fundo teve uma vitória na justiça. Os credores do antigo locatário entraram entraram com um processo contra o fundo, questionando a compra da fazenda Vianmacel. Mas o BTRA11 conseguiu reverter essa situação em segunda instância.

Em relação às demais operações, o fundo obteve atualizações importantes nas renovações de seus aluguéis.

O Grupo Hendges concluiu o pagamento de 12 meses de aluguel antecipados até o final julho/2023, representando atualmente 12% do patrimônio do BTRA11.

Além disso, do produtor Rui Prado, responsável por 17% do PL,  pagou mais um semestre de aluguel antecipado até outubro/2022.

Dessa forma, o fundo garante um fluxo de caixa confortável num horizonte de pelo menos 6 meses, com todas as operações saudáveis e adimplentes.

O fundo imobiliário BTRA11 tem como objetivo de gerar renda e valorização de suas cotas por meio de investimentos em terras agrícolas produtivas e em fase de transformação.