O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ quarta-feira‌ ‌(7)‌ ‌em alta de 0,03%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.762,35 pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ ‌julho ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ 0,27%‌ ‌e‌ -3,75%,‌ ‌respectivamente.‌ ‌

Também,‌ ‌o‌ ‌índice‌ ‌‌SUNO30‌‌ ‌fechou‌ ‌em‌ alta de 0,03% ‌e‌ 100,95 pontos.‌ ‌Veja‌ ‌na‌ ‌tabela‌ ‌abaixo:‌

fechamento 07-07 fiis

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

VISC11 informa resultados e vê melhora no setor de shoppings

A gestora do Vinci Shoppings Centers FII (VISC11) informou seus cotistas por meio de Relatório Gerencial os resultados do fundo no mês de junho. Em complemento, a Vinci Real Estate, gestora do fundo, demonstrou os indicadores operacionais e analisou a melhora do fundo.

O resultado do fundo em junho foi de R$ 5,91 milhões, o equivalente a R$ 0,41/cota. As remessas dos shoppings totalizaram R$ 7.41 milhões, o equivalente a R$ 0,52/cota. O Fundo ainda conta com um resultado acumulado não distribuído de R$ 0,06/cota que pode ser utilizado para distribuições futuras. Veja abaixo os resultados:

VISC11

Em relação aos dividendos, o VISC11 distribuiu em junho o rendimento de R$ 0,42 por cota e encerrou o mês com um resultado acumulado não-distribuído de 786 mil, o equivalente a R$ 0,06 por cota. Abaixo, é possível observar o quanto os rendimentos ficaram comprometidos durante os meses de maior fechamento do comércio: 

Em relação ao mercado secundário, a cota ajustada do VISC11 fechou o mês de junho na B3 a R$ 106,58, uma queda de 2,0%. Somada aos rendimentos distribuídos representou uma redução de 1,6% no mês, porém, 0,6% acima da rentabilidade do IFIX no mesmo período. A rentabilidade acumulada total bruta do Fundo desde o seu IPO é de 39,9%. 

A Vinvi Real Estate destacou que “a rentabilidade líquida total do Fundo desde o seu IPO foi de 38,6% representando 243,2% do CDI líquido no período”.

Indicadores operacionais 

As vendas/m² dos shoppings atingiram R$ 854,6/m², informou a gestão, gerando um aumento de 261,7% quando comparadas com o mesmo período do ano anterior e uma redução de 29,8% quando comparado a 2019. A retomada ainda não trouxe a normalidade no patamar de vendas dos shoppings.

Em relação à inadimplência líquida, o mês de junho alcançou 6,2%, um aumento de 4,3 pontos percentuais em relação ao mesmo período de 2020 e um aumento de 5,1 pontos percentuais quando comparado a 2019. A taxa de ocupação encerrou o mês em 91,3%, um aumento de 0,1 ponto percentual em relação ao mês anterior.

O aluguel das mesmas lojas dos shoppings apresentou crescimento de 529,1% em comparação ao mesmo mês do ano anterior, em função do período em que os shoppings estiveram fechados em 2020. 

No caso das vendas das mesmas lojas, houve crescimento de 349,9% quando comparado com o mesmo mês do ano anterior, pois o mesmo período em 2020 os shoppings estavam com maiores restrições. Observe no gráfico abaixo:

VISC11

O Vinci Shoppings Centers FII é um fundo imobiliário do tipo tijolo. Seu objetivo é a obtenção de renda por meio da aquisição ou venda de ativos imobiliários, em especial os shoppings centers.

XPLG11 informa resultados e novas alocação de ativos

A XP Asset Management, gestora do XP Log FII (XPLG11), comunicou nesta quarta-feira (7) aos seus investidores, os resultados do fundo referentes a junho. Também, a gestão informou sobre a locação de áreas que estavam vagas nos seus imóveis.  

Referente ao mês de junho, a XP Asset informou que a distribuição aos cotistas é de R$ 0,61 por cota, que corresponde ao dividend yield anualizado de 6,9% em relação ao valor da cota de mercado no fechamento do mês (R$ 105,69/cota). O pagamento será realizado no dia 14 deste mês. Observe na tabela abaixo: 

XPLG11

O principal evento deste mês que impactou o resultado recorrente do XPLG11 foi o recebimento de antecipação do prêmio de locação do Syslog SP, nos termos do contrato assinado. 

Em relação às movimentações de locatários ocorridas desde o último relatório, a gestão divulgou as novas locações: 

  • Nova locação de 70.238,30 m² para a Mobly, no Especulativo Cajamar; 
  • Novo aluguel em área de 8.020,49 m², para a Faci.ly, no Syslog RJ; 
  • Nova locação de 1.811,74 m², para a Roja Distribuidora, no Syslog RJ. 

Com essas novas locações, a vacância física do fundo segue em tendência de baixa. Observe no gráfico abaixo: 

XPLG11

Por fim, a gestora reforçou estar se esforçando na prospecção de potenciais locatários para as áreas vagas dos seus imóveis. O XPLG11 acredita que o “momento é de reaquecimento da economia e das atividades logísticas em todo o país, o que melhora o ambiente de negócios e aumenta o potencial de estabelecermos novas locações”.

O XP Log FII é um fundo imobiliário do tipo tijolo com foco no mercado de galpões logísticos. Além disso, o XP Log FII possui investimentos em aplicações financeiras e em outros FIIs.  

XPPR11 informa resultados e fatos que impactaram as finanças do fundo

A XP Vista Asset, gestora do XP Properties FII (XPPR11), comunicou nesta quarta-feira (7) aos seus cotistas, a performance do fundo no mês de junho. No Relatório Gerencial, a gestora detalhou os ganhos e demonstrou oos fatos mais importantes do mês.

O XP Properties FII é um fundo imobiliário do tipo tijolo, com objetivo de rentabilizar na aquisição e exploração comercial de empreendimentos preponderantemente na área de lajes corporativas, educação e hospitais.

A gestão divulgou que a distribuição de referente a junho foi de R$ 0,48 por cota, que corresponde ao dividend yield anualizado de 8,8% em relação ao valor da cota de mercado no fechamento do mês (R$ 65,55/cota) ou ao dividend yield anualizado de 7,0% se considerar o valor da 2ª emissão (R$ 81,77/cota). 

No gráfico abaixo, é possível observar a composição do resultado e a distribuição dos resultados:

XPPR11

Já no mercado secundário, a cota negociada com o ticker XPPR11 teve um volume de negociação de R$ 43,8 milhões, com média diária de R$ 2,1 milhões, ou seja, manteve o mesmo volume médio do mês anterior. 

Para alavancar seus investimentos, o XPPR11 captou através de um CRI o montante bruto de R$ 160 milhões (IPCA+5,80% a.a.). O CRI possui carência de amortização, juros remuneratórios e atualização monetária durante os 36 primeiros meses e prazo de vencimento de 15 anos contados de 16/06/2021, informou a XP Asset. O valor da captação foi utilizado para o pagamento parcial do imóvel FL Plaza

Fatos importante que impactaram o fundo

Os eventos deste mês que impactaram o resultado recorrente do Fundo foram: 

  • Rescisão parcial do contrato com a Elopar referente ao 18º andar do Ed. Corporate Evolution; 
  • Saída da empresa B3, em razão do término do prazo contratual do 1º e 2º andar do Ed. Itower. 

Em relação à rescisão da empresa acima, o XPPR11 recebeu as devidas multas devidas. Apesar de a taxa de vacância ter alcançado 47% no fundo, a gestão destacou que tem observado um aumento “gradativo das consultas por espaços vagos e de visitas nos imóveis do portfólio, sobretudo no FL Plaza”.