O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ terça-feira‌ ‌(07)‌ ‌em alta de 0,67%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.660,89 pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ dezembro ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ 3,19%‌ ‌e‌ -7,29%,‌ ‌respectivamente.‌  

Também, o ‌‌índice‌‌ ‌‌‌‌SUNO30‌‌‌‌ ‌‌fechou‌‌ ‌‌em‌‌ alta de 0,77%‌ ‌‌e‌‌ ‌96,21 pontos.‌‌ ‌‌Confira na tabela abaixo:

fechamento fiis

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

RECR11‌ informa resultados e demonstra investimentos 

A‌ ‌gestora‌ ‌do‌ ‌‌FII‌ ‌REC‌ ‌Recebíveis‌ ‌Imobiliários‌ ‌(RECR11)‌,‌ ‌detalhou‌ ‌em‌ ‌‌relatório‌ ‌gerencial‌ ‌divulgado‌ ‌na‌ ‌última‌ terça-feira‌ ‌(7),‌ ‌os‌ ‌resultados‌ ‌do‌ ‌fundo‌ ‌referente‌ ‌ao‌ ‌mês‌ ‌de novembro.‌ Também,‌ ‌a‌ ‌‌Real‌ ‌Estate‌ ‌Capital‌ informou a movimentação da carteira do fundo.‌ ‌ 

Em relação aos resultados de novembro, o RECR11 distribuirá o montante de R$ 28.654.660, o equivalente a R$ 1,18 por cota. Confira abaixo:

RECR11

A gestão disse que o fundo  fechou o mês com 95% de seus recursos alocados em CRIs, distribuídos em 82 operações. 

Operações de compra

Ao longo do mês, com base nas recomendações do Consultor de Investimentos, o Fundo realizou as seguintes aquisições: 

  • CRI Hotel Rosewood: comprado a R$ 230.000.770, com taxa de a IPCA + 7,50% ao ano. 
  • CRI Dínamo: adquirido a R$ 30.000.000, com taxa de IPCA + 7,90% ao ano. 
  • CRI Athon: valor adquirido por R$ 2.090.188, com taxa de IPCA + 7,20% ao ano. 
  • CRI SG Aquiraz: comprado a R$ 14.999.409. A taxa corresponde a IPCA + 9,50% ao ano. 
  • CRI Mabu: adquirido a R$ 3.017.878, com taxa de aquisição a IPCA + 9,75% ao ano. 
  • CRI Cunha da Câmara 2: comprado a R$ 2.465.032. A taxa de aquisição a IPCA + 8,50% ao ano. 
  • CRI CashMe: adquirido a R$ 991.094, a IPCA + 5,75% ao ano. 
  • FII SNCI11: o Fundo adquiriu no valor de R$ 11.000.000 em cotas do Fundo Suno Recebíveis Imobiliários (SNCI11), por meio de emissão de cotas. 

Negociação para mudança de taxa e venda de ativos

O fundo também fechou acordo de novação para alteração de taxas com os devedores de alguns CRIs. 

Em relação ao CRI Morumbi Plaza, houve alteração da taxa de juros e indexador, de CDI + 6,00% para IPCA + 7,5% ao ano, além de extensão do prazo em 120 meses, com o vencimento passando a ser em 2031. 

Também, o RECR11 operou na ponta vendedora, sem ocasionar qualquer impacto financeiro no resultado do fundo: 

  • CRI Vitacon: R$ 2.499.953; 
  • CRI Gafisa – Término de Obra: R$ 5.999.212; 
  • CRI Matarazzo Suítes 1: R$ 2.499.592; 
  • CRI Matarazzo Suítes 2: R$ 4.999.091. 
  • O Fundo também alienou 400 cotas do FII SNCI11, com preço médio de R$ 100/cota, equivalente ao preço de aquisição.

O FII REC Recebíveis Imobiliários é um fundo imobiliário do tipo papel com foco na gestão ativa de ativos de renda fixa com preponderância em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs). 

VILG11 divulga resultados e detalha sobre aquisição de novo ativo

A gestora do Vinci Logística FII (VILG11) informou seus cotistas por meio de Relatório Gerencial os resultados de novembro. Em complemento, a Vinci Real Estate, gestora do fundo, explicou a aquisição de ativo localizado no Pará.

O resultado do VILG11 referente a novembro foi de R$ 9.663 mil, o equivalente a R$ 0,64/cota. A gestora informou que o resultado dos imóveis totalizou R$ 11.337 mil, o equivalente a R$ 0,76/cota. Confira abaixo:

VILG11

A estimativa da gestão é que o rendimento mensal distribuído pelo VILG11 de novembro de 2021 até dezembro de 2021 se situe entre R$ 0,62 a R$ 0,65 por cota. 

Fatos sobre os ativos do fundo

No mês de novembro, o fundo adquiriu 100% do empreendimento denominado Alianza Park, localizado em Benevides-PA, na região metropolitana de Belém-PA.

A gestora reforçou que o imóvel foi comprado por meio dos recursos da 6ª emissão de cotas do VILG11. 

O valor total da transação foi de R$ 135.000.000,00 e o VILG11 passou a ter direito sobre o resultado operacional líquido do ativo assim que o imóvel foi comprado. 

Além disso, a aquisição contou com uma operação de securitização para pagamento a prazo de 100% do preço, corrigido a uma taxa de IPCA + 6,5% ao longo de 15 anos. 

A gestão explicou que a estrutura foi concebida com carência de amortização nos primeiros 24 meses e é composta por uma parcela principal, no valor de R$ 104.500.000,00 , e uma parcela bridge, no valor de R$ 30.500.000,00, que poderá ser pré-paga a qualquer momento. 

Além disso, a gestão diz que a receita operacional líquida (NOI) esperada para os próximos 12 meses é de cerca de R$ 11,9 milhões, o equivalente a um valor aproximado de R$ 0,07/cota ao mês. Veja abaixo o perfil do portfólio do fundo:

VILG11

O Vinci Logística FII é um fundo imobiliário do tipo tijolo. A prioridade dos seus investimentos está na compra e venda de galpões logísticos em diferentes regiões do Brasil.

VISC11 informa resultados e comenta recuperação dos shoppings

A gestora do Vinci Shoppings Centers FII (VISC11) informou seus cotistas por meio de Relatório Gerencial os resultados do fundo no mês de novembro. Em complemento, a Vinci Real Estate, gestora do fundo, comentou sobre a recuperação do segmento de shoppings centers.

Em novembro, a distribuição de rendimentos foi de R$ 0,61/cota. A gestora estimou que os dividendos do fundo estarão justamente entre R$ 0,60 e R$ 0,66 de outubro de 2021 a setembro de 2022. Confira abaixo: 

VISC11

A Vinci explicou que, na verdade, o resultado gerado foi de R$ 0,58/cota, impactado pelo não reconhecimento de R$ 753 mil de resultado (aproximadamente R$ 0,04/cota) causado por um tratamento contábil de investimentos no Pantanal Shopping e Porto Velho Shopping e que deve ser reconhecido em dezembro. 

Ou seja, o resultado caixa do VISC11 deveria ter sido de R$ 0,62/cota. 

Recuperação no segmento de shoppings

Na visão da gestão, atualmente o panorama sanitário é positivo para a retomada do setor de shoppings, principalmente com o avanço da vacinação contra a covid-19. 

A Abrasce alterou a recomendação diante da melhora do cenário da pandemia, recomendando aos shoppings seguirem as determinações do Poder Público de cada localidade.

Porém, a atividade econômica dos shoppings não tem se recuperado de maneira uniforme em todas as regiões. 

Indicadores de crescimento

A gestora destacou que o portfólio do VISC11, em outubro, apresentou vendas 6% abaixo do mesmo mês em 2019, quando comparamos os mesmos shoppings, com destaques para o Villa Romana e Iguatemi Fortaleza que apresentaram crescimentos relevantes no período. 

Da mesma forma, o NOI em outubro de 2021 foi 17% abaixo dos níveis de 2019, quando comparamos os mesmos shoppings, com destaques para o West Shopping, Center Shopping, Villa Romana e Prudenshopping que apresentaram crescimentos de dois dígitos na comparação do período.

O NOI Caixa foi de R$ 62/m², um crescimento de 35,8% quando comparado com o mesmo período do ano anterior e uma redução de 19,6% quando comparado a 2019. Comparando apenas os mesmos shoppings em outubro de 2021 e 2019, a redução é de 17,3%:

VISC11

As vendas/m² dos shoppings atingiram R$ 1.069,5/m², um aumento de 14,7% quando comparadas com o mesmo período do ano anterior e uma redução de 4,4% quando comparado a 2019. Comparando apenas os mesmos shoppings em outubro de 2021 e 2019, a redução é de 5,9%. Confira abaixo:

VISC11

A taxa de ocupação encerrou o mês em 92,3%, 0,6 ponto porcentual acima do observado no mês anterior, o maior patamar desde janeiro de 2021.

O Vinci Shoppings Centers FII é um fundo imobiliário do tipo tijolo. Seu objetivo é a obtenção de renda por meio da aquisição ou venda de ativos imobiliários, em especial os shoppings centers.