O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ quarta-feira‌ ‌(11)‌ ‌em queda de -0,57%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.739,91 pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ agosto ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ -2,98%‌ ‌e‌ -4,54%,‌ ‌respectivamente.‌ ‌

Também, o ‌‌índice‌‌ ‌‌‌‌SUNO30‌‌‌‌ ‌‌fechou‌‌ ‌‌em‌‌ queda ‌de‌ -‌0,54%‌ ‌‌e‌‌ ‌100,17 ‌pontos.‌‌ ‌‌Veja‌‌ ‌‌na‌‌ ‌‌tabela‌‌ ‌‌‌abaixo:‌‌ ‌ 

fechamento fiis

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

HFOF11 demonstra resultados e movimentação de carteira

O fundo Hedge TOP FOFII 3 FII (HFOF) por meio de sua gestora, a Hedge Investments, divulgou nesta quarta-feira (11) os resultados referentes ao mês de julho e detalhou sobre a movimentação de sua carteira. 

A gestão lembrou que durante o mês de julho de 2021, o IFIX, índice dos fundos imobiliários da B3, apresentou um retorno positivo de 2,51%, demonstrando a recuperação do setor após a queda do mês de junho. 

No que diz respeito às novas cotas emitidas pela indústria de fundos imobiliários, a gestão informou que foram captados R$ 28,0 bilhões até o encerramento do mês de julho, um volume considerado expressivo. 

Diante desse cenário, a gestora avaliou o crescimento do HFOF11, resultado tanto das “emissões de novas cotas como da valorização do seu patrimônio e incorporação dos fundos Hedge TOP FOFII e Hedge TOP FOFII 2”, ressaltou a Hedge Investments. 

Isso certamente elevou o HFOF como produto de destaque, iniciando o 1º semestre de 2021 como maior FOFII da indústria, com valor de mercado superior a R$ 2,2 bilhões, disse a Hedge Investments. 

Em relação aos seus resultados de julho, a gestão comunicou que foi de R$0,54/cota no mês de julho, sem considerar lucro com as vendas. O resultado cheio que será distribuído é de R$0,60. Confira no gráfico abaixo:

HFOF11

Movimentação da carteira

Em abril de 2021, o fundo imobiliário Cyrela Thera Corporate (THRA11), do qual o HFOF11 possui cotas, anunciou a venda de sua participação no empreendimento do FII Hedge HAAA11. 

Da venda citada, os cotistas do THRA11 receberam o equivalente a R$ 44,33 em rendimentos distribuídos e R$ 93,88 de devolução de capital entre os meses de julho e agosto. 

Como o HFOF11 detinha 768.376 cotas, o fundo o volume de R$ 106,2 mi, sendo R$4,68 mi de resultados que irão compor a distribuição ao longo do semestre e R$ 101,5 mi de principal que serão reinvestidos em outras oportunidades. 

Considerando as compras, rendimentos e vendas, o HFOF11 realizou uma taxa interna de retorno de 9,78% ao ano neste papel.

Como complemento, no mês de julho o HFOF11 realizou 2 operações de short em fundos que realizaram emissões. Na visão da gestora, operações de short - venda de ativos com o aluguel de cotas de FIIs - pode representar mais uma possibilidade de ganhos aos investidores, e na gestão do HFOF11 estamos atentos às oportunidades de mercado.

Observe abaixo o perfil de investimentos do fundo:

HFOF11

O Hedge TOP FOFII 3 FII tem como objetivo a rentabilidade de suas cotas no longo prazo por meio do investimento em cotas de outros FII, com foco tanto dos rendimentos quanto em ganhos de capital.

HGBS11 informa resultados e explica sua recuperação

Em comunicado apresentado aos cotistas na última quarta-feira (11), a gestão do Hedge Brasil Shopping Fundo de Investimento Imobiliário (HGBS11) informou os resultados do mês de julho. A Hedge Investments, gestora do fundo, também trouxe alguns detalhes sobre a melhora do mercado de shoppings nos últimos meses

O Fundo distribuirá R$ 0,65 por cota como rendimento referente ao mês de julho de 2021. A gestão avisou que o pagamento será realizado em 13 de agosto. 

“O resultado contempla as receitas provenientes dos resultados recebidos dos shopping centers investidos, receitas financeiras e despesas operacionais do Fundo”, disse a gestora. No geral, a melhora no cenário da pandemia tem ajudado na composição das finanças do fundo. 

A tabela abaixo demonstra os resultados do mês, confira:

HGBS11

A carteira de investimentos do fundo

De acordo com a Hedge Investments, o HGBS11 encerrou o mês com investimentos em 17 shopping centers, distribuídos em doze cidades e cinco estados, sendo 11 detidos de forma direta, 5 detidos através de cotas de outros FIIs (HPDP11, FVPQ11, FLRP11, ABCP11 e JRDM11), 1 detido parte de forma direta e parte em cotas de WPLZ11. 

Em relação à diversificação dos seus ativos, 89,2% da carteira de ativos do fundo está alocada em imóveis e 10,8% em Fundos de Investimento Imobiliário Líquidos (FII), Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), Fundos de Investimento Imobiliário de Certificados de Recebíveis Imobiliários (FIIs de CRI) e outros ativos de renda fixa (RF).

Confira o perfil dos investimentos do fundo nos gráficos abaixo:

HGBS11

Em julho, o fundo apresentou renda imobiliária de R$ 6,7 milhões, já refletindo uma melhora em função das reaberturas e avanço do programa de vacinação. 

Na expectativa da gestão, o “processo de retomada seguirá aumentando de intensidade ao passo que vamos observando também uma melhora nos indicadores da pandemia”. 

Abaixo, o gráfico demonstra a recuperação crescente da renda do fundo nos últimos meses:

HGBS11

Também, as vendas totais do HGBS11 apresentaram crescimento de 203% em relação a junho de 2020, mês ainda impactado pelos fechamentos dos empreendimentos. Em relação a junho de 2019, este indicador apresentou crescimento de 10%. 

Na avaliação da gestora, este resultado é impactado, sobretudo, pela variação do portfólio do fundo no período. 

O Hedge Brasil Shopping FII tem como objetivo auferir rendimentos pela aquisição e exploração comercial de participações em shopping centers localizados em regiões com área de influência de, no mínimo, 500 mil habitantes e administrados por empresas especializadas, atuando de forma ativa na gestão da carteira de investimentos.

HREC11 divulga resultados e rendimentos do mês

O Fundo de Investimento Imobiliário Hedge Recebíveis Imobiliários (HREC11), administrado pela Hedge Investments DTVM Ltda., divulgou nesta quarta-feira (11) o seu relatório gerencial do mês de julho, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais.

O fundo HREC11 iniciou as atividades em outubro de 2020. O objetivo do Hedge Recebíveis Imobiliários é proporcionar aos cotistas a valorização e a rentabilidade de suas cotas no longo prazo. Além disso, o foco principal é investimentos em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), segundo a política de investimentos do fundo.

O fundo distribuirá R$ 0,70 por cota como rendimento referente ao mês de julho de 2021, considerando as 1.176.500 cotas no fechamento do mês. 

Também serão distribuídos R$ 0,70 por cota para os detentores do recibo do direito de preferência da terceira emissão (HREC14), para os detentores das sobras (HREC15), para a primeira liquidação da oferta 476 (HREC16) e R$ 0,18 por cota para a segunda liquidação da oferta 476 (HREC17). 

Os gráficos abaixo detalham a composição da carteira de investimentos com base na posição de julho de 2021. O HREC11 possui investimentos diretos totalizados em R$ 265.304.739,95. Confira: 

HREC11

Por fim, a gestão pontuou que o HREC11 encerrou o mês com um Yield to Maturity de IPCA + 7,1% e duration de 6,4 anos, superando o índice IMA-B - que é representado pelos juros longos - que encerrou o mês com um yield indicativo de 3,8% e uma duration de 7,4 anos.