O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ quinta-feira‌ ‌(12)‌ ‌em queda de -0,64%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.722,32 pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ agosto ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ -3,5%‌ ‌e‌ -5,15%,‌ ‌respectivamente.‌ ‌

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

RBFF11 explica resultados, dividend yield alto e desvalorização de cotas

Em relatório gerencial apresentado aos cotistas nesta quinta-feira (12), a gestão do FII Rio Bravo Fundo de Fundos (RBFF11) comunicou sobre o desempenho do fundo no mês de julho. Também, a gestora Rio Bravo explicou sobre o dividend yield do fundo e as razões para a desvalorização das cotas do RBFF11.  

O Rio Bravo Fundo de Fundos anunciou uma distribuição de R$ 0,47 por cota referente ao mês de julho, o que corresponde a um dividend yield mensal de 8,7%. De acordo com a Rio Bravo, esse patamar está acima da média do mercado e do IFIX. Confira abaixo os resultados.

RBFF11

Além disso, o fundo encerrou o mês negociando com um desconto de 9,5% em relação à cota patrimonial, ou seja, o preço da cota está abaixo do valor patrimonial. Em outras palavras, a gestão destaca que o preço do fundo está convidativo em relação à cota patrimonial, preço da cota e alto valor dos dividendos. 

No gráfico seguinte, é possível analisar o dividend yield do fundo sempre acima dos seus pares e do próprio IFIX:

RBFF11

A gestora explicou os motivos da queda do preço da cota do RBFF11 na bolsa de valores. “Em momentos em que o IFIX tem retorno negativo, a cotação dos FOFs no mercado secundário tende a depreciar mais que o índice e a negociar com desconto em relação à cota patrimonial”, disse a Rio Bravo. 

Como nos momentos difíceis o ganho de capital dos Fundo de Fundos é menor, torna-se essencial que esses fundos “possuam uma receita recorrente alta e que suas distribuições não dependam tanto de ganho de capital”. 

Por esse motivo, no primeiro semestre deste ano, o RBFF11 teve “79% da sua receita total vindo do rendimento de seus investimentos, sem depender do ganho de capital de sua carteira, o que consideramos ser algo positivo frente os seus peers de mercado”, reforçou a Rio Bravo.

Sobre os investimentos do fundo

Em relação às suas operações no mercado, o RBFF11 realizou algumas vendas em julho, com redução de sua posição em BTG Logística, antecipando a queda na cotação que normalmente ocorre após o anúncio de início da oferta que está mandatada para acontecer. 

Também, o fundo zerou sua posição tática em Riza Akin, “uma vez que o fundo bateu o preço-alvo determinado no momento da alocação e o FII irá fazer uma oferta pública muito próxima do preço no qual zeramos a posição”, explicou a gestão. 

Por outro lado, a gestão afirma que não houve nenhum investimento relevante no mês de julho, sendo que o RBFF11 aproveitará as ofertas e subscrições do mês de agosto. 

O FII Rio Bravo Fundo de Fundos é um fundo imobiliário do tipo papel (Fundo de fundos). Seu objetivo é proporcionar retorno aos seus cotistas por meio de uma carteira diversificada por meio de investimentos em FIIs e em ativos de renda fixa. 

RBVA11 demonstra resultados e fala sobre crescimento do varejo

A gestão do Rio Bravo Renda Varejo (RBVA11) anunciou aos cotistas nesta última quinta-feira (12), os resultados do fundo no mês de julho. Em complemento, a Rio Bravo Investimentos comentou sobre o crescimento do setor do varejo. 

Em julho, o fundo distribuiu R$ 0,85 por cota e teve o resultado de R$ 0,79 centavos por cota. A Rio Bravo acredita que o patamar de distribuição é conservador e considera significativamente menos receita do que o esperado para o semestre. Na verdade, o RBVA11 segue aguardando o pagamento das vendas que foram efetuadas. 

Observe os resultados na tabela abaixo:

RBVA11

Diante disso, a gestão espera que o resultado médio esteja entre R$ 0,91 e R$ 0,98 por cota, após o recebimento das vendas citadas. 

Reciclagem no portfólio do fundo

O RBVA11 seguirá com a estratégia de reciclagem de portfólio, alocando o capital levantado com a venda das agências bancárias para a aquisição de imóveis que servem a operações de varejo. 

Também, as vendas servem ainda para desconcentração do investimento em agências. Atualmente, 60% do capital investido está nesse segmento. A estratégia do fundo é aumentar sua exposição no segmento de varejo.  

Sobre o setor do varejo

Falando no varejo, o mesmo voltou a observar certa retomada no mês de julho, sobretudo pelo avanço da vacinação no Brasil e diminuição no número de casos e mortes pela covid-19. 

No geral, as vendas têm subido nos últimos meses, puxadas pelo crescimento do seguintes setores:

  •  Vendas em restaurantes, com +133% em maio vs. +105% y/y em abril
  • Setor de vestuário, as vendas cresceram +248% y/y em maio, frente a +125% y/y em abril. 
  • Farmácias (+12,2% frente a 2019) 
  • Food retail (+36% frente a 2019) 
  • Eletrônicos (+24,4% frente a 2019) 
  • Materiais para construção e itens pessoais (+33,8% e +133,0% nas comparações com 2019 respectivamente) enquanto móveis têm performado negativamente. 

Na análise da gestão, nos shoppings centers, “as melhores performances vieram das marcas internacionais, que atraem público cujo poder de compra foi pouco afetado pela pandemia, e se beneficiaram da dificuldade de circulação ao redor do globo”, reforçou a Rio Bravo. 

Diante disso, a gestora acredita que o setor do varejo que foca em tickets mais altos é o que possui melhor performance nos últimos meses. Por isso, a gestão está “de olho” nos números do varejo, buscando, acima de tudo, a diversificação de localizações, inquilinos e setores deve ser a característica mais marcante do fundo no longo prazo. 

Confira nos gráficos abaixo o perfil do fundo em relação aos setores e locatários:

RBVA11

O Rio Bravo Renda Varejo é um fundo imobiliário de tijolo focado no mercado de varejo e também no setor bancário. Seus investimentos se concentram na compra, venda e exploração de imóveis dos setores citados, além da aquisição de cotas de outros FIIs.

RZTR11 informa sobre aquisição de nova propriedade no Mato Grosso

A Riza Asset Management, gestora do FII Riza Terrax (RZTR11), comunicou por meio de fato relevante nesta quinta-feira (12), a aquisição de nova propriedade para seu portfólio.

O fundo celebrou o Instrumento Particular de Compromisso de Compra e Venda da Paranatinga Agropecuária S.A., detentora da Fazenda Paranatinga, propriedade localizada no município de Sorriso, no estado do Mato Grosso, 

O valor total da aquisição é de R$ 299.545.363,06 ou R$ 58.822,39/hectare agricultável, que serão desembolsados em 3 parcelas: 

  • Na formalização do Instrumento de compra e venda de ações, 
  • No fechamento da transação 
  • 180 dias após a transferência da titularidade das ações. 

Desta forma, o imóvel será arrendado para o Grupo Lermen na tese de investimento Buy to Lease, pelo prazo de 13 anos. O impacto do arrendamento nas receitas do fundo é de aproximadamente R$ 3,36 ao ano por cota. 

O FII Riza Terrax tem como principal objetivo gerar retorno para os investidores no longo prazo através do arrendamento, compra e venda de propriedades agrícolas em 3 diferentes estratégias, Sale & Leaseback, Buy to Lease e Land Equity. O fundo tem foco no território nacional, com atuação nas regiões consolidadas de produção de grãos e fibras.