O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ segunda-feira‌ ‌(14)‌ ‌em baixa ‌de‌ -0,24%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.821,96 pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ ‌junho ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ 0,19%‌ ‌e‌ -1,67%,‌ ‌respectivamente.‌ ‌

 ‌Também,‌ ‌o‌ ‌índice‌ ‌‌SUNO30‌‌ ‌fechou‌ ‌em‌ baixa de -0,06% ‌e‌ ‌103,36 ‌pontos.‌ ‌Veja‌ ‌na‌ ‌tabela‌ abaixo:‌ 

fechamento-14-04

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

HGBS11 informa resultados e analisa setor de shoppings

Em comunicado apresentado aos cotistas na última segunda-feira (14), a gestão do Hedge Brasil Shopping Fundo de Investimento Imobiliário (HGBS11) informou os resultados do mês de maio. A Hedge Investments, gestora do fundo, também trouxe alguns detalhes sobre o mercado de shoppings e também informou sobre seu portfólio.

A gestão considerou que o mês de maio foi até agora o mais positivo do ano, uma vez que houve a confirmação do cenário otimista que se delineava ao final do mês de abril. O mercado de ações teve valorização de 6,16%, com nova recuperação do real em relação ao dólar que chegou a 3,81%. 

Já o IFIX apresentou desvalorização de 1,56%, “refletindo justamente as preocupações recentes com o aumento da inflação e com seu eventual impacto na elevação da Selic pelo Copom para controlar os preços”, destacou a Hedge Investments. 

A gestora reforçou que o mês de abril de 2020 foi impactado pelo fechamento de todos os shoppings do Brasil em função da pandemia da COVID-19, o que levou a indústria a apresentar variação negativa de vendas de 89% em relação a abril de 2019.

"Quando comparamos as vendas de abril de 2021 versus abril de 2019, temos uma queda de 65%. Se em 2021 o mês de abril apresentou melhora em relação ao ano anterior, a gestora destaca que maio superou as expectativas em relação ao mês antecedente", afirmou a gestão.

Resultados do HGBS11

O fundo distribuirá R$ 0,35 por cota como rendimento referente ao mês de maio de 2021, considerando as 10.000.000 cotas no fechamento. O pagamento será realizado em 15 de junho de 2021, aos detentores de cotas em 31 de maio de 2021, informou a gestão. Confira abaixo: 

HGBS11

O HGBS11 encerrou o mês com investimentos em 17 shopping centers, distribuídos em doze cidades e cinco estados, sendo 11 detidos de forma direta, 5 detidos através de cotas de outros FIIs (HPDP11, FVPQ11, FLRP11, ABCP11 e JRDM11), 1 detido parte de forma direta e parte em cotas de WPLZ11. 

Por fim, a gestão informou que 88,5% da carteira de ativos do HGBS11 está alocado em Ativos Imobiliários e 11,5% FIIs e ativos de renda fixa. Confira no gráfico abaixo:

HGBS11

O Fundo Hedge Brasil Shopping é um fundo imobiliário do tipo tijolo, com prioridade dos seus investimentos na aquisição de shoppings e na rentabilização por meio dos aluguéis. 

RBRF11 informa resultados e avalia o mercado de fundos imobiliários

A gestora RBR Gestão de Recursos do fundo RBR Alpha Multiestratégia Real Estate (RBRF11), anunciou aos cotistas nesta segunda-feira (14), através de relatório gerencial, os resultados do mês de maio. Também, fundo demonstrou sua visão de mercado e analisou brevemente a conjuntura econômica atual. 

Referente ao mês de maio, a gestão anunciou a distribuição de rendimentos de R$ 0,60/cota. Esse valor corresponde a um dividend yield de 8,4% a.a. sobre cota mercado no fechamento de maio. 

Somado a isso, a RBR Gestão de Recursos destacou que o RBRF11 conta hoje com uma “reserva a distribuir” de R$ 0,35/cota, “o que nos traz confiança em seguir com o direcionamento de dividendos entre R$0,60/cota e R$0,80/cota para o último mês do semestre”, disse a gestora. 

Confira na tabela abaixo os resultados do fundo:

RBRF11

Breve análise da conjuntura econômica

A gestora reforçou que o mês de maio foi de queda do IFIX, de 1,6%. Na visão da gestora, o mercado ainda sente as incertezas trazidas por uma vacinação da população em ritmo lento, juntamente com o temor de uma “terceira onda” da pandemia. Por isso, praticamente todos os setores do mercado de fundos imobiliários foi afetado. Confira abaixo no gráfico:

RBRF11

Além disso, a tendência de subida do patamar dos juros básicos da economia tem impactado os FIIs. Porém, a gestão considera que essa é uma “reação exageradamente negativa à elevação da SELIC pois a grande maioria dos cotistas de fundos imobiliários havia apenas experienciado, até pouco tempo atrás, movimentos de queda de juros”. 

Portanto, a RBR Gestão de recursos lembra que, de 2017 a 2019, quando a indústria de FIIs passou a ganhar mais relevância, “o retorno anual do IFIX no período de 3 anos foi de 19,5% a.a. e a SELIC variou em um intervalo entre 4,5% a.a. e 13,75% a.a”. 

O RBR Alpha Multiestratégia Real Estate é um fundo imobiliário do tipo papel, com objetivo de auferir rendimentos e ganhos de capital na aquisição de FIIs, Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) e outros ativos líquidos ligados ao mercado imobiliário.

VGIP11 informa resultados e explica movimentação de carteira

A gestão do Valora Cri Índice de Preço FII (VGIP11) detalhou em seu Relatório Gerencial divulgado na segunda-feira (14) passada, o desempenho do fundo no mês de maio. A Valora Investimentos também explicou as operações de compra e venda efetuadas pelo fundo. 

O Valora Cri Índice de Preço FII é um fundo imobiliário do tipo papel . O foco de seus investimentos está em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), conforme critérios definidos na política de investimento do fundo.

A gestão destacou que o VGIP11 encerrou o mês de maio de 2021 com 94,1% de seu patrimônio líquido alocado em CRI, distribuídos em 30 diferentes operações, num total investido de R$484,3 milhões. Como complemento, o restante dos recursos estavam investidos em instrumentos de caixa. 

Durante o mês de maio, o fundo adquiriu um total de R$157 milhões em CRI distribuídos em 9 diferentes operações, sendo uma já existente na carteira. 

Acompanhe abaixo os investimentos do fundo durante o mês: 

  • R$22,5 milhões no CRI Altino Arantes com cupom de IPCA + 8,0% ano; 
  • R$30 milhões no CRI Villa XP com cupom de IPCA + 5,0% ao ano; 
  • R$33 milhões no CRI Fashion Mall 339S com cupom de IPCA + 7,75% ao ano; 
  • R$33 milhões no CRI Fashion Mall 340S com cupom de IPCA + 7,75% ao ano; 
  • R$12 milhões no CRI Helbor 113S com cupom de IPCA + 5,5% ao ano; 
  • R$12,5 milhões no CRI Credihome com cupom de IPCA + 6,0% ao ano; 
  • R$12,5 milhões no CRI EPO com cupom de CDI + 3,0% ao ano; 
  • R$1 milhão no CRI Altos de Trancoso com cupom de CDI + 6,0% ao ano. 
  • R$778 mil adicionais do CRI Carinás. 

Com essas aquisições, o time de Gestão, ao longo do mês de maio, praticamente terminou a alocação dos recursos provenientes da 4ª Emissão de Cotas que foram integralizados no dia 30 de abril. 

Resultados do fundo

A distribuição de rendimentos do VGIP11 referente ao mês de maio será de R$1,04 por cota, “equivalente a uma rentabilidade líquida de IPCA + 1,89% ao ano com base no valor patrimonial da cota de R$ 95,66 e IPCA de março de 2021 de 0,93%”, informou a gestora. Confira abaixo:

VGIP11

Por fim, a Valora Investimentos mantém “o entendimento de que os segmentos residencial e logística se manterão resilientes, além de boas perspectivas ao segmento de shopping centers”. E por isso, a equipe de gestão continua monitorando as operações do fundo, sendo que todas se mantêm em dia com suas obrigações.