O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ segunda-feira‌ ‌(23)‌ ‌em alta de 0,52%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.719,43 pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ agosto ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ -3,7%‌ ‌e‌ -5,25%,‌ ‌respectivamente.‌ ‌

Também, o ‌‌índice‌‌ ‌‌‌‌SUNO30‌‌‌‌ ‌‌fechou‌‌ ‌‌em‌‌ alta ‌de‌ 0,45%‌ ‌‌e‌‌ ‌99,14 pontos.‌‌ ‌‌Veja‌‌ ‌‌na‌‌ ‌‌tabela‌‌ ‌‌‌abaixo:‌‌ ‌ 

fechamento fiis

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

BTLG11 informa sobre venda de seus ativos

A gestão do BTG Pactual Logística FII (BTLG11) comunicou aos cotistas nesta última segunda-feira (23),algumas mudanças sobre a venda de seus ativos.

Como a gestão divulgou nos meses de maio e junho, o BTLG11 está em processo de liquidação de alguns dos seus ativos, a saber: 

  1. Itambé São Paulo 
  2. Supermarket Rio de janeiro; 
  3. Magna Vinhedo  
  4. Ceratti Vinhedo 

A gestão destacou que algumas das condições de pagamento foram modificadas, porém, sem alteração do valor total da operação. 

Por exemplo, o preço de Itambé e Supermarket continua a R$29.180.576,25, correspondente ao saldo remanescente Itambé e Supermarket, que será pago em 15 de setembro de 2021. Essa data será concluída a operação em relação aos ativos: Itambé São Paulo e Supermarket Rio de janeiro; Preço Magna e Ceratti. 

A gestão também divulgou que  foi pago o valor de R$ 40.000.000,00 ao longo do mês de agosto, pelo comprador ao vendedor. 

Também, será pago o valor de R$ 55.930.611,55 até o dia 05 de janeiro de 2022.  

Diante disso, a gestora ressaltou que a venda dos ativos “é resultado do trabalho ativo que vem realizando para gerar valor ao fundo e seus cotistas”. 

A equipe responsável pela gestão do BTLG11 reafirma permanecer à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos adicionais que se façam necessários. 

Por fim, “a administradora e a gestora manterão o mercado e os cotistas informados acerca de quaisquer novos eventos materiais relacionados à aquisição e ao Saldo Final”. 

O BTLG11 é um fundo imobiliário de tijolo com objetivo de obtenção de renda e ganho de capital por meio de investimentos em imóveis destinados a operações de armazéns logísticos e plantas industriais. 

XPPR11 detalha sobre nova locação de ativo do fundo

A XP Vista Asset, gestora do XP Properties FII (XPPR11), comunicou nesta segunda-feira (23) aos seus cotistas sobre contrato de locação firmado com uma locatária de ativo do fundo.

A REC Faria Lima Empreendimentos Imobiliários S.A, atual proprietária direta do Edifício Faria Lima Plaza, celebrou nesta data o Contrato de Locação relativo à integralidade dos 5 primeiros pavimentos consecutivos do Edifício Faria Lima Plaza , localizado em São Paulo/SP. 

A vigência do contrato é de 84 meses a partir de 18/08/2021, sendo certo que o prazo de vigência do último andar alugado será iniciado em 1º de outubro de 2021. 

Além disso, a locatária tem interesse em locar outras parte do ativo, neste caso:

  • a partir de 1º de dezembro de 2021, 2 andares adicionais (no sexto e no sétimo pavimentos)
  • a partir de 1º de janeiro de 2022, um andar adicional, qual seja, o oitavo pavimento, com área BOMA totalizando 2.034,45 m² 

Até a data de início da expansão do imóvel, “a locatária poderá optar por não dar continuidade com a locação de parte ou da totalidade das expansões sem a incidência de qualquer penalidade”, destacou a gestora. 

A gestão ainda ressaltou que, se for considerada a locação de 3.117,43 m² informada no Comunicado ao Mercado divulgado em 02 de agosto de 2021, a ocupação do FL Plaza totaliza 47% de sua área BOMA total. 

A receia acumulada bruta do contrato, considerando:

  •  a soma dos recebíveis dos 5 primeiros pavimentos consecutivos do Edifício Faria Lima Plaza relativos aos 24  primeiros meses do contrato
  • a proporção de 40,0% da REC FL que é objeto de aquisição indireta pelo XPPR11, é estimada em R$ 1,34 por cota. 

Portanto, a gestão afirmou que a “receita mensal bruta decorrente do aluguel nominal do Contrato, sem considerar a correção inflacionária prevista no Contrato, é estimada em R$ 0,0792 por cota”. 

Os cálculos foram realizados considerando a quantidade atual de cotas do fundo em circulação e não consideram o prêmio de locação a qual o Fundo faz jus em relação à mesma área, e que continuará recebendo independentemente de qualquer nova locação.

Por fim, a gestão reforçou “que os valores acima não são garantia de rentabilidade e que o Fundo poderá realizar uma retenção de até 5% dos lucros auferidos no semestre e apurados em base caixa, conforme previsto na regulamentação em vigor”. 

O XP Properties FII é um fundo imobiliário do tipo tijolo. Seu foco é rentabilizar pela aquisição e exploração comercial de lajes corporativas, educação e hospitais.

URPR11 divulga resultados e explica sua carteira de CRIs

O Fundo de Investimento Imobiliário Urca Prime Renda (URPR11), administrado pelo Vortx DTVM e com gestão da Urca Gestão de Recursos, divulgou nesta segunda-feira (23) o seu relatório gerencial do mês de julho, em que descreveu seu resultado e rendimento mensal.

O Urca Prime Renda (URPR11) é um fundo de investimento imobiliário, que tem como foco principal a compra de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) pulverizados, que sejam de empreendimentos imobiliários residenciais, ou seja, loteamentos, prédios e casas. 

De acordo com relatório gerencial publicado, o resultado por cota referente ao mês de julho foi de R$1,48 por cota. Este valor corresponde a um dividend yield anualizado de 19,3%. Confira na tabela abaixo:

URPR11

A gestora informou que as carteiras dos empreendimentos seguem com performance dentro do esperado, com oscilações de arrecadação dentro das margens calculadas nas estruturações das operações. 

Com aumento acumulado do IGP-M nos últimos meses, a gestão informou que houve mudanças nos ativos. O CRI Mantiqueiras está em fase de alteração de IGPM para IPCA, bem como o CRI Lotelar. 

Para a equipe gestora, essas alterações tem sido benéficas para o alinhamento das operações ao lastro, para a rentabilidade do fundo, já que as alterações vêm acompanhadas de alterações na “taxa pré” dos CRIs.

Confira abaixo o portfólio do URPR11:

URPR11

Essa mudança nos indexadores tem melhorando a performance da carteira do fundo. A gestão explique que o IPCA segue a tendência de redução de spread em relação ao IGP-M, 

Depois disso, a gestão também falou sobre as obras dos empreendimentos e sua evolução. A consequência direta disso tem sido o ritmo de vendas dos empreendimentos que aumenta cada vez mais, sendo que as razões de garantia dos CRIs ficam ainda mais favoráveis. 

O exemplo dado pela gestão relaciona-se diretamente nas operações Nabileque, Mantiqueiras, Lotelar, Imoguia, Lago das Colinas e Atmosfera. Em relação ao Atmosfera, o fundo pretende aumentar sua posição no ativo.

Por fim, a gestão reforça que as alocações dos recursos da oferta serão feitas neste mês de agosto, “seguindo a filosofia da gestora e do fundo de ter o caixa mínimo necessário para novas alocações nas próprias operações da carteira, nas operações de True Sale e pró soluto”.