MXRF11: lucro cresce pela 3ª vez seguida e FII paga dividendos de 120% do CDI

O lucro do FII MXRF11 registrou o 3º crescimento consecutivo em outubro, enquanto o retorno com dividendos foi de 120% do CDI. Veja valores.

MXRF11: lucro cresce pela 3ª vez seguida e FII paga dividendos de 120% do CDI
TGAR11 tem aumento de 10,95% no valor do seu patrimônio líquido. Foto: Pixabay

O fundo imobiliário MXRF11, o maior da indústria de FIIs em número de cotistas, divulgou nesta sexta-feira (1º) seu novo relatório gerencial do mês de outubro, em que reportou um resultado mensal de R$ 28,790 milhões.

Esse é o terceiro aumento consecutivo nos resultados do MXRF11, que chega ao seu maior lucro desde julho, quando reportou R$ 31,907 milhões.

Referente a esse resultado, o fundo imobiliário MXRF11 pagou R$ 28,52 milhões em dividendos, equivalente a R$ 0,11 por cota. Essa quantia se mantém estável pelo 4º mês consecutivo e correspondeu a um dividend yield mensal de 1,0166%.

As receitas do mês totalizaram R$ 32,524 milhões, enquanto as despesas somaram cerca de R$ 3,734 milhões.

O pagamento dos dividendos do MXRF11 foi feito no dia 16 de novembro de 2023 e, levando em conta o preço de fechamento da cota no mês, de R$ 10,81, equivaleu a 102,01% do CDI no período, ou então 120,01% do CDI com um gross-up de 15% de impostos.

Com cerca de 990 mil cotistas, o Maxi Renda apresentou um crescimento mensal de 1% na sua base de investidores.

Ao final de outubro, o FII MXRF11 tinha uma alavancagem via compromissada de CRIs de aproximadamente R$ 62,32 milhões, o que corresponde a 2,45% do patrimônio líquido do fundo.

No mesmo mês, o Maxi Renda pagou aproximadamente R$ 20,00 milhões em compromissadas de CRIs, cujo gasto financeiro total foi de R$ 1,34 milhão.

Por conta do regime de caixa aderido pela gestão, e também em razão dos meses de inflação mais alta, o fundo MXRF11 conta atualmente com uma reserva acumulada de correção monetária na casa dos R$ 15,45 milhões, corresponde a R$ 0,060 por cota.

Movimentações da carteira do MXRF11

No book de CRIs a gestão integralizou novas operações, cujo investimento total foi de mais de R$ 49,51 milhões. Além disso, o volume de vendas de CRIs no mês foi de R$ 130,96 milhões.

No book de permutas financeiras, Maxi Renda aumentou o capital no projeto Brooklin 2, no valor de R$ 16,39 milhões. O book de fundos imobiliários, por sua vez, não apresentou movimentações no mês de outubro.

MXRF11 busca ter uma alocação de 80% do seu patrimônio líquido em CRIs que tenham “bons nomes de crédito, com carregos atraentes e alto potencial de ganho de capital recorrente com o giro no mercado secundário”. De forma adicional, ele também busca ter 20% de sua carteira alocada em permutas financeiras.

Tags
foto do autor: João Vitor Jacintho
João Vitor Jacintho

Redator profissional, com atuação no mercado editorial na produção de notícias e conteúdos sobre o mercado de ações, criptomoedas, fundos imobiliários e economia popular. Graduando em Engenharia Química pela Unesp, também já trabalhei como consultor financeiro.

últimas notícias