A Credit Suisse, gestora do CSHG Logística FII (HGLG11) , comunicou nesta quinta-feira (10) aos seus investidores, os resultados referentes ao mês de maio. Também, a gestão aproveitou para atualizar os cotistas sobre a situação do seu portfólio. 

Neste mês, o HGLG11 apresentou uma receita total de R$ 24,0 milhões, com um resultado de R$ 21,7 milhões (R$ 1,18 por cota). Porém, o fundo distribuirá uma renda de R$ 1,00 por cota, patamar este que a gestora considera sustentável.

Confira os resultados com maiores detalhes na tabela abaixo:

HGLG11

Fatos que impactaram as finanças do HGLG11

No mês de maio, ainda, alguns eventos que impactaram a distribuição de resultados do fundo, dentre eles:

  • O retorno positivo de aluguéis negociados durante o primeiro semestre de 2020; 
  • Recebimento da primeira parcela de venda do terreno em Extrema-MG; 
  • Recebimento da multa de devolução da Bosch em Itupeva-SP;
  • Venda de cotas de FIIs que geraram lucro líquido de R$ 103 mil (R$ 0,01 por cota) 

Por fim, ainda no mês de maio, outros fatos relevantes também impactaram o HGLG11, acompanhe:

  • a assinatura de compromisso de venda e compra para aquisição de dois novos ativos logísticos em uma transação de aproximadamente R$ 280 milhões, sendo que mais de 203 milhões já foram pagos pelo fundo; 
  • a venda do terreno de Extrema-MG, resultando em um lucro total a apurar de aproximadamente R$ 44 milhões (R$ 2,39 por cota), praticamente dobrando o capital investido em um período de 5 meses contados da aquisição, e um lucro caixa no mês de R$ 8 milhões (R$ 0,46 por cota).

Porém, outros fatos também impactaram negativamente o fundo:

  • o aumento da vacância ocasionada pela devolução de um módulo da Bosch no HGLG Itupeva, devolução de uma área de 3.000 m² metros quadrados pela Ericson no HGLG São José e devolução de um dos três prédios detidos pelo Fundo no Tech Town pela IBM. 
  • No imóvel Master Offices, o processo de venda que estava em andamento foi cancelado de comum acordo entre o potencial comprador e o Fundo. 
  • Os processos de locação em andamento no Condomínio SJC têm demorado mais do que o normal, mas expectativa da gestão é de assinar uma pequena locação durante o mês de junho.

Em relação aos dois imóveis adquiridos - valor de 280 milhões - poderá ser estruturada pelos vendedores das uma operação de securitização (CRI). Porém, caso não ocorra a estruturação do CRI, o valor restante será pago pelo HGLG11 com recursos próprios. 

Confira nos gráfico abaixo um panorama sobre os ativos e inquilinos do HGLG11:

hglg11

Construção e seus custos

Desde 2019 o HGLG11 vem investindo na construção de novos imóveis. Porém, o custo de obra subiu consideravelmente. De acordo com a Credit Suisse, “o INCC-DI de 12 meses estava, em abril de 2020, em 4,06% e avançou para 12,99% em maio de 2021, acompanhado também pelos aumentos de IGPM e IPCA”. 

Diante desse cenário, a gestão projeta um menor lucro se comparado ao que era esperado. No entanto, no médio prazo, “a equipe de gestão acredita que haverá um ajuste generalizado (considerando o mercado como um todo) nos valores de aluguel, tanto impulsionado pela inflação e aumento de custos de reposição, quanto pela demanda de imóveis logísticos”, afirmou a Credit Suisse. 

Conheça o HGLG11

O CSHG Logística FII tem por objeto a exploração de empreendimentos imobiliários voltados primordialmente para operações logísticas e industriais, por meio de aquisição de terrenos para sua construção ou aquisição de imóveis em construção ou prontos, para posterior alienação, locação ou arrendamento. 

Desta forma, o CSHG Logística possui R$ 2,46 bilhões de patrimônio líquido médio dos últimos 12 meses e tem aproximadamente 18.436.967 de cotas emitidas. 

Para quem deseja investir no HGLG11, o valor patrimonial de sua cota é de R$146,79, sendo sua taxa de administração de 0,75% até 0.95%a.a. sobre patrimônio líquido.