O Fundo de Investimento Imobiliário CSHG Logística (HGLG11), administrado pela Credit Suisse, divulgou nesta terça-feira (9) o seu relatório gerencial do mês de fevereiro, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais.

O gestor do HGLG11 destaca que no mês de fevereiro ocorreu o retorno positivo dos diferimentos negociados durante o primeiro semestre de 2020. Além disso, não ocorreu o pagamento do aluguel trimestral da Volkswagen Vinhedo, que por sua vez, deve ser pago em abril.

A administradora do CSHG Logística conta com um time dedicado à prospecção de novos negócios para o fundo, que atua desde a originação do negócio, análise financeira e de mercado, negociações com vendedores e demais partes envolvidas até a efetiva aquisição ou venda de cada imóvel.

Com isso, no ano de 2020 o time do HGLG11 estudou mais de 100 oportunidades de negociação de ativos voltados para atividades de logística para o fundo. Uma vez buscada essas oportunidades de negócio, o time vai analisar a qualidade dos ativos, inquilinos e contratos, decidindo assim os limites de preço e em quais negociações prosseguir.

Com essa metodologia, o CSHG Logística dedica tempo e esforço em nome dos melhores interesses dos investidores. Das negociações de ativos imobiliários que estão em curso, o fundo tem R$2 bilhões em volume financeiro que estão em estágio de negociação, representando um cap rate entre 8,0% e 9,0%.

Além disso, HGLG11 tem um volume de R$300 milhões em estágio de diligência ou que já foi assinado um contrato de exclusividade ou opção de compra em favor do fundo. Esse volume representa um cap rate de 8,0%.

Acompanhamento de ativos do HGLG11

O CSHG Logística iniciou seu ciclo de investimentos logísticos, o que fez com ele fizesse a aquisição do terreno CONE 04 e dos Terrenos Extrema, além da prospecção de locatários. Desses ativos em desenvolvimento, tanto o volume financeiro de negociação quanto o que está em andamento é de R$1 bilhão cada. O cap rate de ambos é de entre 11% e 13%.

O gestor do HGLG11 diz que mesmo com o agravamento da pandemia, a dinâmica comercial para ativos puramente logísticos segue aquecida com diversas frentes negociais em evolução. O mesmo não acontece para os ativos com perfil e localizados em regiões industriais.

Referente a isso, o CSHG Logística complementa que os galpões logísticos se localizam próximos aos centros urbanos e ao longo de malhas rodoviárias bem definidas e sua liquidez é diretamente proporcional à proximidade com as grandes metrópoles.

Durante o mês de fevereiro, o HGLG11 está acompanhando os seguintes ativos em seu portfólio com um destaque especial a esses:

  • Condomínio SJC: O término das obras em curso do condomínio encontra-se adiada para o final de março, por conta dos ajustes finais replanejados pelos fornecedores e aprovados pela equipe de engenharia do fundo;
  • Terrenos Extrema: Os estudos técnicos relacionados ao desenvolvimento dos condomínios HGLG Extrema I e HGLG Extrema II seguem com o foco no levantamento de parceiros, aprofundamento dos custos e organização documental;
  • CONE G04: O fundo recebeu o primeiro relatório gerencial correspondente ao andamento da obra do G04 com a primeira medição relativa ao avanço físico e financeiro da obra.

HGLG11 divulga resultados e rendimentos do mês de fevereiro

Resultados, rendimentos e portfólio do HGLG11

No mês de fevereiro, a receita total de HGLG11 foi de R$12,6 milhões, dos quais R$10,3 milhões são receitas de locação. Além disso, R$2,3 milhões vem de rendimentos imobiliários. As despesas do fundo totalizaram R$2,7 milhões no mesmo período.

O resultado do CSHG Logística em fevereiro foi de quase R$9,9 milhões, frente ao mês de janeiro que foi de aproximadamente R$18,4 milhões. O rendimento anunciado em fevereiro foi igual ao de janeiro, no montante de cerca de R$14,4 milhões. Em meio a 18,4 milhões de cotas emitidas, esse montante é correspondente a R$0,78 por cota.

A rentabilidade do HGLG11 no mês foi de 0,1%, valor equivalente ao rendimento do CDI Bruto e abaixo do IFIX, que foi de 0,2%. Nos últimos 12 meses, o fundo acumula uma rentabilidade de 15,0%, enquanto o desempenho do IFIX no mesmo período foi de -2,6%.

HGLG11 divulga resultados e rendimentos do mês de fevereiro

O portfólio do HGLG11 encerrou o mês de fevereiro com R$1,898 bilhão em imóveis. O patrimônio líquido do fundo é de R$2,719 bilhões. As outras partes que compõem a carteira do fundo são:

  • FIIs - R$338 milhões;
  • CRIs - R$79 milhões;
  • Caixa - R$357 milhões;
  • Outros - R$13 milhões;
  • Parcelas a receber - R$13 milhões.

Além disso, as aquisições do CSHG Logística no mês foram de R$52 milhões. A vacância física do fundo foi de 15,2% em fevereiro, enquanto a vacância financeira foi de 6,6%. O dividend yield alcançou a marca dos 5,2% e a Área Bruta Locável (ABL) é de 691 mil m2.

O valor de mercado do HGLG11 alcançou a marca dos R$3,3 bilhões. O valor de mercado da cota encerrou o mês de fevereiro em R$179,00 e a cota patrimonial foi de R$147,46. O número de cotistas do fundo alcançou o patamar dos 275.634.