O Fundo de Investimento Imobiliário Hedge Recebíveis Imobiliários (HREC11), administrado pela Hedge Investments DTVM Ltda., divulgou nesta quarta-feira (11) o seu relatório gerencial do mês de julho, no qual descreveu seu resultado e rendimento mensal.

O fundo HREC11 iniciou as atividades em outubro de 2020. O objetivo do Hedge Recebíveis Imobiliários é proporcionar aos cotistas a valorização e a rentabilidade de suas cotas no longo prazo. Além disso, o foco principal é investimentos em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), segundo a política de investimentos do fundo.

O HREC11 disse que no mês de julho, o fato negativo em destaque foi “o aumento da tensão política interna, que trouxe muito nervosismo para os mercados”. O Ibovespa teve uma forte baixa de 3,94%. Enquanto isso, se viu uma alta do dólar de 2,39%, e uma alta dos juros de 10,47% e o IFIX teve uma alta de 2,51%.

O fundo Hedge Recebíveis Imobiliários diz que “tirando o IFIX que teve uma recuperação da baixa verificada em junho, todos esses indicadores foram bem negativos”. No que se refere às novas emissões, o mercado imobiliário viu a captação de R$ 28,0 bilhões até o final de julho.

Esse último fato que demonstra um “volume expressivo apesar da desaceleração a partir de meados de junho observada a partir das incertezas em relação à tributação dos fundos imobiliários

Portfólio do Hedge Recebíveis Imobiliários

O HREC11 tem investimentos diretos que totalizam em R$ 265,30 milhões. No resumo da carteira de investimento do fundo, 100% está no indexador IPCA + 7,1% ao ano. Em segmento de lastro, 82% dos ativos do Hedge Recebíveis Imobiliários estão nas lajes corporativas. Do mesmo modo, 18% estão em shoppings centers.

Entre os emissores, 50% da carteira de investimento do fundo estão em True, enquanto 32% está em Habitasec. Assim, a parcela restante de 18% está em RB Capital.

HREC11 divulga relatório com resultado do mês de julho de 2021

Dentre os títulos detidos, a distribuição da carteira se dá por:

  • Thera S. 424 - 20%;
  • Thera S. 425 - 20%;
  • Sinop S. 262 - 18%;
  • Sol Panamby S. 205 - 11%;
  • Sol Panamby S. 206 - 11%;
  • Sol Panamby S. 207 - 11%;
  • Thera S. 426 - 9%.

O detalhamento dos ativos podem ser melhor descritos através da imagem a seguir:

HREC11 divulga relatório com resultado do mês de julho de 2021

O HREC11 terminou o mês com um Yield to Maturity de IPCA + 7,1% e duration de 6,4 anos, com um spread de 2,9% com relação à taxa interpolada da curva de NTN-Bs de duration similar (G-Spread). Do mesmo modo que o IMA-B terminou o período com um Yield indicativo de 3,8% e uma duration de 7,4 anos.

Resultados e rendimentos do HREC11

O Hedge Recebíveis Imobiliários distribuirá R$ 0,70 por cota como rendimento referente ao mês de julho de 2021. O pagamento será feito no dia 13 de agosto de 2021, aos que investiram nas cotas até 30 de julho de 2021.

A receita operacional do fundo totalizou R$ 1,22 milhão no mês de julho, enquanto as despesas foram de pouco mais de R$ 27,5 mil. O resultado do HREC11 no período foi de R$ 1,21 milhão, e o resultado médio de R$ 1,03 por cota.

Do mesmo modo que a cota patrimonial do HREC11 ficou em R$ 94,13 e a cota de mercado foi de R$ 100,65. O valor de mercado alcançou a marca dos R$ 281,3 milhões. Além disso, o fundo terminou o mês de julho com 342 cotistas.