O IFIX, principal índice que reúne os fundos imobiliários (FIIs)  mais negociados na B3 – fechou a sexta-feira (26) em queda de 0,18%, aos 2.541 pontos. Desde o início da semana passada (22) até a última sexta, o IFIX acumula queda de 2,02%.

De acordo com dados publicados pelo Infomoney, é a pior semana do Ifix desde a iniciada no dia 20 de junho, quando o índice caiu 3,15%. No ano de 2021, a queda acumulada é de 11,44%.

A cota dos fundos têm se desvalorizado por diversos motivos. Um dos principais, é que o aumento da taxa básica de juros (Selic) juntamente com a abertura dos juros longos, os investidores têm escolhido tomar menos risco, pressionando assim os preços das cotas para baixo.

No entanto, no geral, o setor imobiliário como um todo segue com números positivos, o que demonstra que a queda do IFIX não representa uma ameaça ao investidor.

Pelo contrário, os especialistas têm afirmado que, no momento, existe uma verdadeira janela de oportunidade para investir em FIIs.

IFIX em queda, mas o setor imobiliário segue bem

De acordo com Brunno Bagnariolli, head de Real Estate da Mauá Capital, vê um descolamento das cotações dos fundos imobiliários com a realidade dos ativos e enxerga oportunidades nos segmentos de logística e lajes corporativas.

Ouvido pela equipe do Infomoney, Bagnariolli disse que ao abrir o home broker o investidor vê tudo “vermelho”.

“Este é o lado financeiro, são ativos que variam. Os ativos reais, que são os imóveis, não acompanham esta variação tão grande”, afirma Bagnariolli. Em outras palavras, essa assimetria abre caminhos para investimento com maior margem de segurança.

Da mesma forma, Bruno Benassi analista da Levante aponta que os preços mais baixos dos ativos do Ifix estão com grande disparidade em relação ao dividend yield dos FIIs.

“A gente já vê os ativos negociando com preços descolados e com dividend yield, ou seja, aquilo que os FIIs pagam de dividendos em relação à cota, muito interessante”, disse o analista à matéria da CNN. 

Ao contrário do que muitos investidores têm feito, Benassi disse que o cotista pode até aumentar a exposição aos FIIs, desde que esteja atento ao mercado e estudando os melhores ativos.

O analista lembra que os FIIs pagam dividendos livres de imposto de renda, algo que muitos ativos de renda fixa não fazem.

Mesmo assim, também é preciso ter cautela

Diogo Arantes, que é consultor de assuntos mobiliários da CVM, fez uma análise bem próxima dos outros especialistas, quando disse que “o mercado está difícil, mas nunca viu tanta oportunidade”. 

Por essa razão, Arantes disse no Resumo FIIs do canal do Fiis.com.br no Youtube, que está comprando mais cotas em sua estratégia de longo prazo. Mas ao mesmo tempo, foi cauteloso: “não estou comprando ativos na minha tese de giro de carteira”.  

O especialista acredita que é possível que o IFIX ainda tem espaço para novas quedas. Por isso ele prega cautela.

Por fim, todo mundo quer saber: Até onde vai a queda do Ifix? Nenhum dos especialistas fez previsões. O certo é que as oportunidades devem ser aproveitadas, desde que o investidor esteja atento nos diferentes setores e cientes dos riscos envolvidos no mercado de FIIs.