O Fundo de Investimento Imobiliário Polo FII Recebíveis Imobiliários II (PORD11), administrado pela Oliveira Trust DTVM S.A., divulgou nesta segunda-feira (14) o seu relatório gerencial do mês de maio, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais.

O Polo FII Recebíveis Imobiliários II (PORD11) pretende trazer ao cotista um retorno superior ao benchmark, investindo em uma carteira de recebíveis imobiliários de baixo risco. O portfólio do fundo consiste principalmente em certificado de recebíveis pulverizados com garantias em imóvel performado.

Além disso, o portfólio do PORD11 conta também com Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) corporativos com alienação fiduciária de imóvel performado ou cessão de recebíveis, além de CRIs lastreados em cessão de rendas de aluguel.

Vale destacar que no ambiente econômico, o gestor lembra que o Copom elevou a Selic para os 3,5% ao ano, mirando assim para os 5,5% ao ano até o final de 2021, conforme apontado pelo boletim Focus.

A gestão também observou que a “escalada do IGPM com o registro de alta 4,10% no mês, pressionado principalmente pelo aumento das commodities, acumulando 14,39% em 2021 e 37,04% nos últimos 12 meses”. Enquanto isso, o IPCA terminou em 0,83%.

Portfólio do Polo FII Recebíveis Imobiliários II

A composição do portfólio do PORD11 se concentra principalmente em São Paulo. Em relação ao breakdown da carteira, o destaque vai para o CRI Corporativo, com 52%. Os demais itens que compõem os 48% restantes são:

  • CRI Pulverizado - 21%;

  • Caixa / Custos - 12%;

  • Debênture - 8%;

  • FII - 7%.

Por tipo de CRI, o portfólio do Polo FII Recebíveis Imobiliários II é composto de 71% de CRI corporativo, enquanto os outros 29% seria CRI Pulverizado. Na divisão de CRIs por Senioridade, 74% é única, enquanto 26% é Sênior.

Por indexador, a carteira do PORD11 se distribui da seguinte forma:

  • IPCA - 34%;

  • IGP-M - 30%;

  • CDI+ - 25%;

  • PRE - 11%.

Nos CRIs pulverizados, 89% estão no setor residencial, enquanto os outros 11% são em comerciais. Sobre o portfólio, o gestor do fundo comenta que “Nossas carteiras que rodam a IGP-M são antigas e contam com subordinação elevada e LTV médio de 55%”.

PORD11 divulga resultados e rendimentos do mês de maio

Resultados e rendimentos do PORD11

O mês de maio mostrou para o Polo FII Recebíveis Imobiliários II uma apreciação da cota patrimonial de 0,94%. Além disso, a distribuição referente a maio de 2021 é de R$ 1,00 por cota. O Dividend Yield para o mês é de 0,87%, considerando o preço de mercado da cota de R$ 103,00.

Já na distribuição acumulada nos últimos 12 meses alcançou-se R$ 10,25 e para o Dividend Yield Acumulado nos últimos 12 meses foram 9,95%, considerando o preço de mercado da cota citado. O patrimônio líquido do PORD11 é de cerca de R$ 199,98 milhões. O número de cotistas alcançou a marca dos 8.849.

O total de ativos do PORD11 em maio foi de R$ 2,045 milhões. Enquanto isso, foi R$ 1,64 milhão em resultado total. O rendimento distribuído foi de R$ 1,97 milhão, entre 1.972.845 de cotas emitidas até então.