A gestão do fundo TG Ativo Real (TGAR11) detalhou em seu último Relatório Gerencial divulgado na sexta-feira (12), o desempenho do fundo no mês de fevereiro. Com operações de vendas de imóveis (equity) e movimentações em seu portfólio, a gestão do TGAR11 também divulgou os resultados da 8ª emissão de cotas. 

Em relação à emissão de cotas finalizada em fevereiro, a TG Core Asset, gestora do fundo TG Ativo Real, “alocou R$ 34,44 milhões”, afirmou a gestão. 

Com maior caixa, o fundo teve condições de realizar novas operações para diversificar ainda mais seu portfólio de investimento.

De acordo com a gestora, o TGAR11 continua ativo em aquisições e vendas de ativos, sendo que nos últimos 6 meses foram alocados o total de “R$ 316,93 milhões em ativos de crédito e equity, para uma média de R$ 52,82 milhões por mês”.

Resultados do fundo em fevereiro

Portanto, em fevereiro o TG Ativo Real  “distribuiu R$ 1,15 por cota, o que, dada a cota de fechamento (R$ 143,09), correspondeu a um dividend yield mensal de 0,80%”, afirmou a TG Core Asset. 

Neste aspecto, as receitas somaram R$ 11,78 milhões, enquanto que as despesas, por sua vez, corresponderam a R$ 1,36 milhões. 

Observe na tabela abaixo os resultados do fundo no mês:

resultados tgar11

Nesta perspectiva, o dividend yield anualizado do fundo representa 10,28%, considerado pela gestora um bom resultado.  

O TGAR11 fechou o mês com 40,99% do seu patrimônio alocado em ativos das classes Equities Loteamento e Carteira de Recebíveis, os dois que maior representam o resultado positivo do fundo.

De acordo com a gestora, os maiores destaques do portfólio do TG Ativo Real são:

  • O seguimento das boas vendas dos empreendimentos localizados no Maranhão e Goiás; 
  • A manutenção da saúde das carteiras;
  • Novas vendas de imóveis;
  • Aumento no IGP-M com maiores lucros de ativos indexados nesse índice;

Além disso, a gestão garante que ainda no primeiro semestre deste ano serão lançados mais 4 novos empreendimentos, o que poderá render novas vendas e consequentemente, maior distribuição aos cotistas. 

No geral, os loteamentos para consequente venda - conhecidos como Equity - são responsáveis por “40,99% do patrimônio do fundo, correspondendo ao montante de R$ 393,87 milhões”. São 32 empreendimentos, sendo no total 23 obras com vendas já iniciadas. 

Os CRIs do TGAR11

Em relação aos Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), a taxa média de retorno da carteira de CRI teve aumento de 10,97% a.a.

O fundo encerrou o mês de fevereiro com 22,38% do seu PL alocado em 35 séries de CRI, correspondendo ao valor de R$ 215,05 milhões. A taxa média de juros da carteira de CRI teve um aumento, "chegando a 11,07% a.a”, afirmou a TG Core Asset. 

Conforme reportado anteriormente, o bom desempenho dos CRI se refere àqueles que estão indexados ao IGP-M, que teve aumento em fevereiro.

Setor de shopping e os ativos na B3

O setor de shoppings, com participação de 4,64% do patrimônio do fundo, teve decréscimo de 10% neste mês por causa da pandemia.

Por este motivo, a gestão informou que haverá 50% de desconto no preço dos aluguéis, para compensar as perdas referentes aos meses de fevereiro e março. 

Em relação aos ativos alocados na B3 - correspondente a 2% do portfólio do fundo - o TGAR11 possui ações da Alphaville S.A (AVLL3) e cotas do Brio Crédito Estruturado (BICE11).  

Em relação ao ativo da bolsa, o “Fundo aderiu à Oferta Pública Inicial da Alphaville S.A., integralizando o montante de R$ 25,99 milhões”. No tocante ao BICE11, o TGAR11 aportou R$80 mil no IPO referente ao novo fundo. 

Conheça o fundo TGAR11

O TGAR11 é um fundo imobiliário do tipo tijolo (desenvolvimento). O foco de seus investimentos está na construção de imóveis para venda, além de investir em CRIs e ativos na bolsa de valores. 

O TG Ativo Real possui patrimônio líquido de R$960 milhões e tem aproximadamente 5.963.902 de cotas emitidas. Ao todo, o fundo possui 84 empreendimentos, localizados em 13 estados do Brasil.

Para quem deseja investir no TGAR11, o preço atual da sua cota é de R$136,90 (última atualização 15/03), sendo sua taxa de administração 1,5%a.a.