O VINO11 é um fundo do tipo tijolo iniciado em julho de 2019, e apresentou relatório gerencial mostrando resultados de fevereiro de 2021

O fundo é gerido pela Vinci Real Estate e tem foco na construção de imóveis corporativos.

Escritórios físicos e a pandemia

A gestão do VINO11 oferece panorama da situação mundial da locação de escritórios corporativos no contexto da pandemia do Coronavírus.

Assim, o entendimento é de que, a despeito do crescimento do home office, a nova onda não substituirá o dia a dia dos escritórios físicos pelo mundo.

Para tanto, demonstra que, mesmo durante a pandemia, o que houve foi o crescimento do setor.

A título de exemplo,  o Facebook aumentou seu espaço físico em de 140 para 200 mil m², durante o período da pandemia.

No Brasil a situação não foi diferente: nos últimos 12 meses foram negociados mais de R$ 3 bilhões em compra de ativos corporativos.

Estas transações mostram que grandes empresas continuam otimistas com o futuro do trabalho no ambiente físico corporativo, reforçando a importância de seu papel na cultura e produtividade.

Por sua vez, o VINO11 mantém ocupação acima de 95%, bem como 100% de adimplência de aluguéis desde julho de 2020.

Assim, a gestão acredita que este pode ser um momento de grandes oportunidades para investimentos de longo prazo no segmento de escritórios.

Performance

O resultado do fundo em fevereiro foi de liquidez diária média de R$ 3.3 milhões.

Nesse contexto, a ausência do aluguel do imóvel Haddock Lobo impactou o resultado geral. Isso porque o locatário pagou o aluguel no mês anterior.

Assim, desconsiderando este efeito o resultado do fundo seria equivalente a R$ 0,35/cota.

Por sua vez, a receita dos imóveis totalizou R$ 4,12 milhões.

De uma forma geral, o resultado financeiro foi de R$ 212 milhões, fruto do rendimento das aplicações do caixa do fundo líquido de tributos.

Dessa forma, a distribuição de rendimentos referente ao mês de fevereiro foi R$ 0,45 por cota.

Por fim, o fundo encerrou o mês, após a distribuição dos rendimentos, com uma reserva de resultado não distribuído de R$ 13,814 milhões, equivalente a R$ 1,09/cota.

Estimativa de rendimentos para o VINO11

O VINO11 estima que o rendimento médio mensal distribuído, até o final do ano de 2021, se situe entre R$ 0,42 e R$ 0,46 por cota.

Contudo, a gestão destaca que a rentabilidade esperada considera a atual situação do fundo e não representa garantia de rendimentos.

Rentabilidade

No que se refere a rentabilidade, a cota não-ajustada do fundo encerrou o mês de fevereiro avaliada na B3 a R$ 61,55, o que equivale a uma variação de -2,8%.

Assim, somada aos rendimentos distribuídos representou uma rentabilidade de -2,1% no mês, o equivalente a 2,4 pontos percentuais abaixo do retorno do IFIX no mês.

Para o caso de investidores pessoa física, o fundo simulou a rentabilidade líquida e comparou com a rentabilidade líquida do CDI.

Neste cenário, a rentabilidade líquida total do fundo desde o seu início foi de 8,7%, representando 296,8% do CDI líquido no período.

Abaixo, um quadro geral da rentabilidade do fundo.

VINO11 divulga resultados e segue otimista com escritórios corporativos

O VINO11 na bolsa de valores

O fundo encerrou o mês de fevereiro com 68.816 cotistas e um valor de mercado de R$ 785,8 milhões.

Dessa forma, o volume médio diário de negociação foi de R$ 3,4 milhões, que representou um giro equivalente a 8% das cotas do fundo.

Nesse contexto, destaca-se que o VINO11 tem histórico de boa liquidez a altas negociações na bolsa de valores, destaque no setor de escritórios corporativos.

Carteira de investimentos do VINO11

No mais,  o patrimônio líquido do fundo ao final de fevereiro era de R$ 767,1 milhões e as participações em ativos imobiliários totalizavam R$ 805,5 milhões.

Por sua vez, as aplicações financeiras totalizam R$ 90,7 milhões, que incluem R$ 24,4 milhões em fundos referenciados DI com liquidez imediata e R$ 66,4 milhões em cotas de fundos de investimento imobiliário com liquidez.

O fundo possui, ainda, R$ 141,0 milhões em obrigações referentes a aquisições de imóveis a prazo, dos quais R$ 7,1 milhões apresentam vencimento em até 12 meses.

Indicadores operacionais

Os indicadores operacionais de fevereiro de 2021 já refletem a adição do imóvel Cardeal Corporate ao portfólio do fundo, em linha com a transação concluída neste mês.

Por sua vez, o aluguel médio por m², referente aos contratos típicos do portfólio do fundo, apresenta um desconto de 21% em relação à média de mercado.

Abaixo a representação dos números dos aluguéis do fundo, que demonstram estabilidade de rendimentos mesmo durante a pandemia.

VINO11 divulga resultados e segue otimista com escritórios corporativos

Portfólio do VINO11

Por fim, é importante demonstrar o portfólio de ativos do VINO11.

O portfólio possui prazo médio remanescente dos contratos vigentes (WAULT)² de 6,9 anos.

Assim, cerca de 4% da receita de aluguel do fundo corresponde a contratos com vencimento até 2024, e os 96% remanescentes apresentam vencimento após o ano de 2025.

O portfólio do fundo é composto por participação em 9 imóveis totalizando mais de 48,0 mil m² de Área Bruta Locável (ABL) próprio.

Abaixo a representação do portfólio do fundo.

VINO11 divulga resultados e segue otimista com escritórios corporativos

Em resumo, é possível observar que, a despeito da crise corporativa do ano de 2020, o VINO11 se mantém com resultados estáveis e gestão ativa para investimentos a longo prazo.