O Fundo de Investimento Imobiliário Vinci Shopping Centers (VISC11), administrado pela BRL Trust DTVM, divulgou nesta sexta-feira (7) o seu relatório gerencial do mês de abril, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais.

O gestor do VISC11 destacou que após um período de medidas mais restritivas ao funcionamento dos shoppings, no mês de abril se teve a reabertura de todos os ativos do Vinci Shopping Centers. Os fechamentos e reaberturas que ocorreram desde o início do ano até a presente data podem ser melhor vistos no mapa disponibilizado:

VISC11 anuncia resultados de abril e atualiza situação de seus ativos

 

Do mesmo modo que o fechamento generalizado do portfólio do VISC11 em março trouxe incerteza para os lojistas e provocou um aumento dos descontos concedidos e dos níveis de inadimplência. Então, isso impactou o resultado caixa do fundo no mês de abril. 

No último mês, o VISC11 disse que observou “uma queda nos indicadores de contaminações e hospitalizações ao redor do Brasil, o que possibilitou que os shoppings em todo país voltassem a operar gradativamente”.

Resultados e rendimentos do VISC11

De antemão, os ativos do Vinci Shopping Centers apresentaram seu pior resultado desde agosto de 2020. Somente no mês de abril, a distribuição de rendimentos anunciada foi de R$ 0,25 por cota. Essa distribuição foi superior à rentabilidade do CDI líquido do período, conforme distribuição do mês anterior. Enquanto isso, o resultado gerado atingiu R$ 0,18 por cota. 

VISC11 anuncia resultados de abril e atualiza situação de seus ativos

 

O VISC11 ainda conta com um resultado acumulado não distribuído de R$ 0,17 por cota que pode ser utilizado para distribuições futuras, lembrando que até o final do semestre o fundo deverá distribuir, no mínimo, 95% do resultado gerado no período.

O resultado do Vinci Shopping Centers no mês de abril foi de cerca de R$ 2,549 milhões. Além disso, as remessas dos shoppings tiveram um total de quase R$ 3,917 milhões, que corresponde a R$ 0,27 por cota. Ademais, a variação bruta da cota do VISC11 no mês de abril foi de 1,5%, considerando que o valor da cota de referência inicial é de R$110,15 e do fechamento do mês foi de R$111,75.

O VISC11 encerrou o mês de abril com 188.952 cotistas e com um valor de mercado de cerca de R$1,6 bilhão. Com um giro de 4% de cotas negociadas no mês, o volume médio diário das negociações do fundo na B3 foi de R$ 2,76 milhões.

Portfólio do Vinci Shopping Centers

O patrimônio líquido do VISC11 até o final de abril era de R$ 1,7 bilhão. Já as participações em shoppings totalizaram quase R$ 1,8 bilhão. As aplicações financeiras do fundo somaram R$ 51,1 milhões, dos quais R$ 12,3 milhões foram em fundos referenciados DI com liquidez imediata e títulos públicos.

O Vinci Shopping Centers tem R$ 38,8 milhões em cotas de Fundos de Investimento Imobiliário, o equivalente a 2,7% do seu patrimônio líquido total. Esse percentual ainda pode variar para honrar obrigações de caixa e através de alocações táticas.

Em suma, as obrigações referentes as aquisições de imóveis a prazo de aquisições prévias que o VISC11 possui são de R$ 163,1 milhões, dos quais R$ 41,4 milhões apresentam vencimento em até 12 meses.