O Fundo de Investimento Imobiliário XP Selection FoF (XPSF11), administrado pela BRL Trust, divulgou nesta quarta-feira (9) o seu relatório gerencial do mês de maio, em que descreveu seus resultados e rendimentos mensais.

O gestor do XP Selection FoF (XPSF11) destacou o desempenho negativo do IFIX de -1,6%, considerando o mês de abril. Isso ocorreu por conta da desvalorização dos FIIs de CRIs. Além disso, a indústria de FIIs de CRIs atingiu um volume de ofertas registradas na CMV que totalizou R$ 2 bilhões.

O gestor ainda ressaltar que mantém o “otimismo em relação ao crescimento da indústria, entretanto, o ciclo de aumento de juros sugere um ritmo mais comedido”. Além disso, o XPSF11 teve no mês de maio um volume inferior a sua média histórica de movimentações no mercado secundário.

Do mesmo modo que a alta volatilidade nos preços ao longo do mês fez o XP Selection FoF ter mais cautela nas estratégias. Ressalta-se ainda que “Nas ofertas primárias, o time de gestão seguiu participando de emissões que se mostraram em situações oportunísticas dado o desconto apresentado nos preços”.

Portfólio do XP Selection FoF

No investimento por classe de ativo em geral, o XPSF11 tinha até a data do relatório, 1,4% do seu ativo alocado em fundos de zeragem de caixa, além de 98,6% em cotas de Fundos de Investimento Imobliário (FIIs), o que totaliza, respectivamente, R$ 6,0 milhões e R$ 408,9 milhões.

Já na estratégia de alocação do portfólio, o fundo apresenta a seguinte distribuição:

  • Renda: R$ 331,9 milhões - 80%;
  • Ganho de Capital: R$ 77,0 milhões - 19%;
  • Caixa: R$ 6,0 milhões - 1%.

Durante o mês de maio, o XPSF11 continua com um ritmo de movimentações menor no mercado secundário. Segundo o fundo, o time de gestão “buscou reciclar alguns ativos que já estavam na carteira, assim como participar de nova operação de “follow-on” através do exercício de direito de preferência e sobras, as quais apresentaram desconto em relação ao mercado secundário”.

A venda de ativos no período somou R$ 11,8 milhões, que equivale a 2,9% do patrimônio do fundo. A equipe realizou vendas parciais de suas posições, que representaram um bom resultado. Os maiores ganhos realizados foram com as cotas de IRDM11, TGAR11 e XPCI11, que somaram um lucro de R$ 1,4 milhão.

Por segmento e tipo de alocação o XPSF11 distribui sua carteira de acordo com o que está no gráfico:

XPSF11 anuncia resultados e portfólio do mês de maio

Resultados e rendimentos do XPSF11

A distribuição de R$ 0,87 por cota será feita no dia 15 de junho de 2021 para os detentores de cotas do XPSF11 em 31 de maio de 2021. As receitas do fundo no mês de maio foram de R$ 4,22 milhões e as despesas de R$ 1,73 milhão. O resultado foi de R$ 2,51 milhões e o rendimento distribuído de quase R$ 3,77 milhões.

O patrimônio líquido do fundo é de cerca de  R$ 414,93 milhões. Em meio a 4.330.214 de cotas emitidas, o valor da cota patrimonial é de R$ 95,82. Enquanto isso, o número de cotistas atingiu a marca dos 18.527.

O XPSF11 terminou o mês de maio com uma cotação de R$ 97,33 por cota “ex-proventos”. Com isso, se obteve um dividend yield anualizado de 10,7% e a cota patrimonial foi de R$ 95,82 reais “ex-proventos”, que representa um dividend yield de 10,9% anualizado.