O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ terça-feira‌ ‌(1)‌ ‌em baixa ‌de‌ -0,17%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.811,56 ‌pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ ‌junho ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ ‌-0,17%‌ ‌e‌ -2,04%,‌ ‌respectivamente.‌ ‌

 ‌Também,‌ ‌o‌ ‌índice‌ ‌‌SUNO30‌‌ ‌fechou‌ ‌em‌ queda de -0,20% ‌e‌ ‌102,33 ‌pontos.‌ ‌Veja‌ ‌na‌ ‌tabela‌ abaixo:‌ 

fechamento 01-06

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

KNSC11 apresenta resultados e informa movimentação da carteira

O Kinea Securities (KNSC11), representado por sua gestora Kinea Investimentos, informou nesta última terça-feira (1) em relatório gerencial, os resultados do fundo no mês de maio. Além disso, a equipe gestora comunicou aos cotistas a movimentação de seus investimentos.

O Kinea Securities é um fundo do tipo papel, portfólio dedicado ao investimento em valores  Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) e cotas de FIIs.

“No mês de maio, foi realizada a segunda emissão de cotas do fundo totalizando um montante de R$ 360 milhões e com a participação de 11.615 investidores”, informou a Kinea Investimentos. 

Desta forma, a gestão complementou que os recursos captados já foram significativamente investidos em novas operações, de forma que o fundo apresenta 96,7% do seu patrimônio alocado em ativos-alvo, neste caso, em CRIs. 

A parcela restante, 3,3%, está alocada em instrumentos de caixa e será destinada a outras alocações no próximo mês. 

Após a emissão de cotas, o KNSC11 realizou 11 novas alocações, com montante total igual a R$ 337,8 milhões e taxa média de IPCA + 6,38%, distribuído entre as seguintes operações:

  1. CRI SuperFrio: R$ 40 milhões com taxa de IPCA + 6,15% 
  2. CRI Gazit Malls: R$ 25 milhões com taxa IPCA + 5,89% 
  3. CRI Creditas VII Sênior: R$ 53 milhões com taxa IPCA + 6,25% 
  4. CRI Creditas VII Mezanino: R$ 15 milhões com taxa IPCA + 8,00%
  5. CRI Shopping Boulevard Belém: R$ 21,7 milhões com taxa IPCA + 6,00% 
  6. CRI Castelo Branco Office Park: R$ 53,6 milhões com taxa IPCA + 5,50% 
  7. CRI Golf 4: R$ 9,3 milhões com taxa IPCA + 10,5%
  8. CRI CD GRU: R$ 28 milhões com taxa IPCA + 6,25%
  9. CRI Alpha II – R$ 12,2 milhões – Taxa média de IPCA + 10,5% 
  10. CRI Granja SP2 – R$ 9,2 milhões – Taxa média de IPCA + 10,5% 
  11. Oportunidades de CRI no mercado secundário: R$ 70,8 milhões com taxa IPCA + 5,46% 

Os resultados a serem distribuídos serão creditados no dia 14 de junho, sendo R$1,00 por cota. Observe abaixo: 

KNSC11

KNCR11 informa nova aquisição e divulga resultados 

O Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11), representado por sua gestora Kinea Investimentos, comunicou nesta última terça-feira (1) os resultados do fundo no mês de maio. Somado a isso, gestão também informou sobre nova aquisição para seu portfólio de investimentos.  

O Kinea Rendimentos Imobiliários é um fundo do tipo papel, com portfólio dedicado ao investimento em ativos de renda fixa de natureza imobiliária, especialmente em Certificados de Recebíveis Imobiliários (“CRI”) de baixo risco.

A gestão ressaltou que, ao fim do mês de maio, o KNCR11 apresentava alocação em CRI de aproximadamente 90,8% do seu patrimônio. A parcela restante de 9,2%, está alocada em instrumentos de caixa e será destinada a novas operações.

Em relação aos resultados, os dividendos referentes a maio serão de R$ 0,35 por cota e representam uma rentabilidade equivalente a 125% da taxa DI, isenta do imposto de renda para pessoas físicas, considerando a cota da oitava emissão, de R$ 104,30. Confira na tabela abaixo:

KNCR11

Neste último mês, o KNCR11 alocou recursos em um CRI exclusivo baseado na aquisição de dois galpões logísticos por um fundo imobiliário. Os ativos estão localizados nas cidades de São Bernardo do Campo - SP e Extrema - MG e plenamente ocupados, sendo o último por um contrato atípico do tipo BTS (Built to suit) até 2030. O valor total do investimento foi de R$ 19 milhões em uma taxa média de CDI + 2,10%. 

Desta forma, a gestou reforçou que o KNCR11 tem como objetivo o investimento em uma carteira de CRIs de baixo risco com remuneração pós-fixada, atrelada à Taxa DI + prêmio de risco. Portanto, a rentabilidade do fundo foi negativamente afetada nos últimos meses em virtude do baixo patamar da Selic. 

Por outro lado, comentou a gestora, é esperada maior elevação da rentabilidade com o aumento da taxa Selic. 

RBVA11 atualiza cotistas sobre venda de dois imóveis

A gestão do Rio Bravo Renda Varejo (RBVA11) anunciou aos cotistas nesta última terça-feira (1) a assinatura de compromisso de compra e venda para alienação de dois imóveis do fundo. 

O RBVA11 é um fundo imobiliário de tijolo focado no mercado de varejo e também no setor bancário. Seus investimentos se concentram na compra, venda e exploração de imóveis dos setores citados, além da aquisição de cotas de outros FIIs.

Desta forma, os dois imóveis envolvidos na operação de venda são: Imóvel de Juiz de Fora/MG, locado para o Banco Santander e o “Imóvel Quitaúna” de Osasco/SP, locado para Caixa Econômica Federal. 

A a assinatura da escritura e a venda de ambos os imóveis se darão assim que concluídas algumas condições negociadas entre as partes. 

O Imóvel Quitaúna possui contrato de locação atípico vigente até novembro/2022 e o Imóvel Juiz de Fora, contrato atípico até dezembro de 2022 e com vigência até dezembro/2032 na modalidade típico. 

A Rio Bravo informou que “as vendas foram realizadas, em ambos os casos, acima do custo de aquisição e acima do valor de laudo de avaliação, elaborados em dezembro de 2020”. Em complemento, as operações deverão gerar um ganho de capital para os cotistas de aproximadamente R$ 2,6 milhões, ou R$ 0,22/cota. 

A gestão pontuou que o RBVA11 recebeu um valor de entrada, no dia da assinatura de ambos os CCVs, no valor de R$ 100.000,00 para cada operação, e deverá receber o saldo restante em breve. Na verdade, com todas as vendas realizadas este ano, o fundo receberá R$29,35 milhões, com um ganho de capital acima de R$4 milhões e R$0,35 por cota.