‌‌‌O‌‌‌ ‌‌‌‌‌‌IFIX‌‌‌‌‌‌ ‌‌fechou‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌última‌‌‌ quarta-feira‌‌‌ ‌‌‌(2)‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ queda ‌‌de‌‌ -‌‌0,20%,‌‌‌ ‌‌terminando‌‌ ‌‌‌o‌‌‌ ‌‌‌dia‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ ‌‌2.771,01 ‌‌pontos.‌‌‌ ‌‌‌No‌‌‌ ‌‌‌acumulado‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌mês‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ fevereiro ‌‌‌e‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌ano‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ ‌‌‌2022,‌‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌variação‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌índice‌‌‌ ‌‌‌é‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ ‌‌-0,21%‌‌‌ ‌‌‌e‌‌‌ ‌‌-1,2%‌‌,‌‌‌ ‌‌‌respectivamente.‌‌‌ ‌ ‌

‌‌Confira‌‌ ‌‌as‌‌ ‌‌principais‌‌ ‌‌notícias‌‌ ‌‌do‌‌ ‌‌mercado‌‌ ‌‌de‌‌ ‌‌FIIs:‌‌ 

BTLG11 detalha sobre mudança nas condições de pagamento de imóveis vendidos

A gestão do BTG Pactual Logística FII (BTLG11) comunicou aos cotistas nesta última quarta-feira (2), sobre mudança nas condições de pagamento de ativos vendidos pelo fundo.

Neste caso, houve mudança nas condições de pagamento dos ativos, sem alteração do valor total da operação dos seguintes imóveis:

  1. Itambé São Paulo
  2. Supermarket Rio de Janeiro
  3. Vinhedo
  4. Ceratti Vinhedo 

Por isso, foi assinado um aditamento que, atendendo a um pleito do comprador, as partes repactuaram a data de pagamento da parcela que venceria em 31 de janeiro de 2022 e ajustaram a majoração da multa em caso de não pagamento das obrigações contratuais. 

A gestora destacou que a transação prevê mecanismos para execução das obrigações assumidas. Considerando a nova data de pagamento acordada, está previsto o recebimento, pelo BTLG11, do valor de R$ 30.000.000,00, relativo ao Ativo Ceratti, até o dia 15 de março de 2022. 

O saldo do preço do Ativo Magna Vinhedo será pago no segundo semestre de 2022, em conjunto com o valor resultante da correção monetária das parcelas, pelo IPCA, conforme ajustado no acordo. 

Por fim, a Gestora estima que as alterações comerciais pactuadas até a presente data não afetam o patamar de distribuição mensal do Fundo e que permanece em busca de oportunidades de criação de valor para o Fundo e seus cotistas.

O BTG Pactual Logística é um fundo imobiliário de tijolo com objetivo de obtenção de renda e ganho de capital por meio de investimentos em imóveis destinados a operações de armazéns logísticos e plantas industriais. 

HGLG11‌ informa mudança no preço de compra de dois ativos logísticos

 ‌A‌ ‌‌Credit‌ ‌Suisse‌,‌ ‌gestora‌ ‌do‌‌ ‌‌CSHG‌ ‌Logística‌ ‌FII‌ ‌(HGLG11)‌,‌ ‌comunicou‌ ‌nesta‌ ‌quarta-feira‌ ‌(2)‌ ‌aos‌ ‌seus‌ ‌investidores,‌ ‌que houve mudança no valor de compra de dois ativos logísticos comprados pelo fundo.‌ ‌ 

Neste caso, o HGLG11 firmou dois aditamentos em relação aos contratos firmados em 23 de julho de 2021, formalizando um ajuste de preço de aquisição das Sociedades de Propósito Específico (SPEs) que detinham os ativos HGLG Ribeirão Preto e HGLG Washington Luiz

O ajuste de preço previsto será quitado em até 10 dias úteis. A gestora disse que o ajuste teve como objetivo realizar a equalização financeira da transação concluída em 23 de julho de 2021 e foi calculado de comum acordo com o vendedor. 

Deste modo, essa mudança foi baseada a partir do saldo líquido entre as obrigações contra o caixa das duas SPEs vendidas ao fundo, então detentoras dos imóveis. 

Os novos preços depois da assinatura do aditamento

Para o ativo logístico multiusuário localizado na Rodovia Anhanguera, o HGLG Ribeirão Preto, o preço foi ajustado, adicionando R$ 349.417,01. Desta forma, o volume financeiro da compra do HGLG Ribeirão Preto passa a ser de R$ 168.422.778,76 ao invés dos R$ 168.073.361,75 definido no dia 23 de julho de 2021. 

Já para o ativo logístico multiusuário localizado na cidade de Duque de Caxias-RJ, o HGLG Washington Luiz, o preço foi ajustado subtraindo R$ 735.803,02. Agora, o preço da compra do HGLG Washington Luiz é de R$ 108.531.717,48, ao invés dos R$ 109.267.520,50.  

Por fim, a gestora disse que os demais termos da transação de compra dos ativos não tiveram alternações, sendo que todas as informações relevantes sobre essa esta transação já foram abordadas nos fatos relevantes anteriores.

O CSHG Logística FII tem por objeto a exploração de empreendimentos imobiliários voltados primordialmente para operações logísticas e industriais, por meio de aquisição de terrenos para sua construção ou aquisição de imóveis em construção ou prontos, para posterior alienação, locação ou arrendamento. 

SDIL11 explica o crescimento dos seus resultados em 2021

A Rio Bravo e Tellus Properties, gestoras do FII SDI Rio Bravo Renda Logística (SDIL11), detalharam em relatório gerencial divulgado na última quarta-feira (2), os resultados do fundo referente a janeiro. Além disso, a gestão comentou sobre os ativos do fundo e explicou o crescimento de resultados.  

O fundo anunciou a distribuição de R$ 0,76/cota, o equivalente a um dividend yield anualizado de 10,01%, considerando o preço de fechamento da cota no último dia útil do mês. Confira abaixo:

SDIL11

Neste caso, a gestora disse que o valor distribuído se manteve linear aos últimos resultados do SDIL11, em linha com o objetivo da gestão em proporcionar uma distribuição uniforme e com crescimentos sustentáveis no longo prazo. 

Com o fechamento do semestre, o valor distribuído representou um crescimento de cerca de 19% sobre o resultado do 1º Semestre de 2021 e de aproximadamente 25% quando comparado ao resultado do 2º Semestre de 2020. 

Na explicação da gestora, esse crescimento do resultado do SDIL11 foi influenciado pelos seguintes motivos:

  • repasse dos reajustes por inflação dos contratos
  • manutenção de 100% dos inquilinos no período
  • aquisição do Centro Logístico Contagem 
  • redução da vacância no empreendimento Multimodal Duque de Caxias.

Nova locação

Em 21 de dezembro de 2021, o SDIL11 assinou um aditivo ao Contrato de Locação com a empresa InfraCommerce, ocupante do módulo 2 do ‘Galpão A’ do MultiModal Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. 

Desta forma, houve expansão na ocupação da locatária para o módulo 1 do ‘Galpão A’, com área locável de cerca de 2.035 m². A empresa agora ocupará uma área de maior no ativo do fundo. 

A receita total do contrato com a InfraCommerce, ou seja, da área referente aos dois módulos, é estimada em R$ 0,0139 por cota. Além disso, a vacância física no empreendimento reduzirá para 18,75% e o Fundo passará a ter apenas 2,59% de vacância física total. Confira abaixo:

SDIL11

Conclusão de compra do ativo de Guarulhos

No dia 9 de dezembro de 2021, o SDIL11 pagou a última parcela da aquisição do Galpão Guarulhos, no valor de R$ 2.750.000. 

O pagamento em questão é referente à aprovação junto ao governo estadual, obtida por parte do vendedor, para a possibilidade de expansão do ativo, em área de do imóvel. 

Conforme condições definidas no momento da aquisição, o Galpão Guarulhos possuía área de terreno livre, com possibilidade de expansão e construção adicional de  aproximadamente 7.000 m² de área locável. 

Porém, para expansão do ativo, era necessário aprovação das autoridades locais, sendo uma obrigação do antigo proprietário do imóvel. 

Com a liberação da área adicional, o SDIL11 estará habilitado para iniciar as análises de implantação, desenvolvimento do projeto executivo e busca por novos inquilinos. 

Por fim, tanto o ativo Galpão Guarulhos quanto o One Park continuam em obras, sendo que o segundo imóvel ficará pronto ainda em fevereiro. Em relação ao primeiro, houve um investimento de cerca de R$ 1,4 milhão do total orçado em R$ 18 milhões, enquanto o segundo ativo recebeu ao todo R$ 37 milhões de investimentos. 

O FII SDI Rio Bravo Renda Logística tem por objeto a realização de investimentos em empreendimentos imobiliários de longo prazo, por meio de aquisição e posterior gestão patrimonial de imóveis de natureza logística e industrial, notadamente galpões logísticos, preferencialmente regiões metropolitanas das principais capitais do país.

Veja abaixo o perfil dos ativos do fundo:

SDIL11

Para quem deseja investir no SDIL11, o valor patrimonial de sua cota é de R$97,29, sendo sua taxa de administração de 0,84%a.a. sobre valor de mercado do fundo.