‌‌‌O‌‌‌ ‌‌‌‌‌‌IFIX‌‌‌‌‌‌ ‌‌fechou‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌última‌‌‌ quarta-feira‌‌‌ ‌‌‌(06)‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ queda ‌‌de 0,06%,‌‌‌ ‌‌terminando‌‌ ‌‌‌o‌‌‌ ‌‌‌dia‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ ‌‌2.804 ‌pontos.‌‌‌ ‌‌‌No‌‌‌ ‌‌‌acumulado‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌mês‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ março ‌‌‌e‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌ano‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ ‌‌‌2022,‌‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌variação‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌índice‌‌‌ ‌‌‌é‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ ‌‌0,86%‌‌‌ ‌‌‌e‌‌‌ -‌‌0,03%‌‌,‌‌‌ ‌‌‌respectivamente.‌‌‌ ‌Em resumo, ‌‌‌ KNCR11 mostra aumento de dividendos e DEVA11 “vira” opção de analista para proteger a carteira da inflação. 

Confira‌‌ ‌‌as‌‌ ‌‌principais‌‌ ‌‌notícias‌‌ ‌‌do‌‌ ‌‌mercado‌‌ ‌‌de‌‌ ‌‌FIIs:‌‌

KNCR11 mostra aumento de dividendos, que podem subir mais

O Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11), representado por sua gestora Kinea Investimentos, comunicou nesta última quarta-feira (6) os resultados do fundo no mês de março. Somado a isso, a gestão comentou sobre o aumento da taxa selic e sua perspectiva de aumento de rendimentos para os próximos meses. 

Sobre os rendimentos referentes a março, o fundo divulgou distribuição de R$ 1,00 por cota. Esse valor representa uma rentabilidade equivalente a 104% da taxa DI, isenta do imposto. Confira:

Na explicação da gestora, o aumento do dividendo de março em relação ao mês anterior teve influência do maior número de dias úteis do mês. Por esse motivo, o KNCR11 espera que seus rendimentos sejam ainda maiores nos próximos meses, dando sequência ao movimento observado no mês de março.

Movimentação de carteira

Ao fim de março, o KNCR11 apresentava alocação de 95,0% em CRI. O restante,12,8%, está em instrumentos de caixa. O fundo deseja alocar esse percentual em novas operações.

Diante disso, a equipe gestora aproveita o ambiente econômico de juros elevados para reciclar as operações da carteira que possuíam spreads mais baixos. Essa estratégia tem dado certo, disse a gestora. Confira abaixo o aumento dos rendimentos nos últimos 12 meses:

Com a venda desses ativos, o fundo está comprando ativos com spreads mais altos e ótima qualidade de crédito. Como resultado deste processo, o KNCR11 aumentou o spread médio, elevando a taxa média de aquisição para CDI+1,86% ao ano. Este processo de reciclagem do portfólio deve continuar ao longo dos próximos meses.

Adicionalmente, a gestão do fundo vem realizando operações compromissadas reversas lastreadas em CRIs para aumentar o retorno do fundo, além de ganhar maior velocidade de alocação dos recursos das emissões de cotas. 

Atualmente, as operações compromissadas representam uma exposição de aproximadamente 10% do patrimônio líquido do fundo, patamar considerado muito confortável pela gestora.

O Kinea Rendimentos Imobiliários é um fundo do tipo papel, com portfólio dedicado ao investimento em Ativos de renda fixa de natureza Imobiliária, especialmente em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) de baixo risco.

DEVA11: Analista recomenda ativo para se proteger da inflação

Diante da escalada inflacionária no Brasil, a Necton investimentos recomendou a compra do fundo imobiliário Devant Recebíveis (DEVA11). Segundo o analista José Navikas, o fundo de CRI tem a “capacidade de capturar o aumento dos preços e incrementar os dividendos dos cotista”.

Na visão de Navikas, o DEVA11 é uma opção ao investidor uma vez que 90% do seu portfólio é composto por certificados de recebíveis imobiliários (CRI). Desses ativos em carteira, 93% são títulos indexados ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Referente ao mês de março, o IPCA-15, que é a prévia da inflação oficial, ficou em 0,95%, significando maior aumento para o mês desde 2015. Naquela ocasião, o IPCA chegou a 1,24%. 

A explicação do analista

É justamente para proteger a carteira do aumento de preços que Navikas, analista da Necton coloca o Devant Recebíveis como opção para defender a carteira da inflação. “Recomendamos o fundo para passarmos o mês e aproveitarmos este momento de inflação elevada”, cravou o analista. 

Ele acredita que a possibilidade de aumentar seus rendimentos neste mês é um diferencial do DEVA11. Ele afirmou: “O fundo já paga excelentes dividendos e pode incrementar ainda mais o rendimento ao longo de abril”. O analista lembrou que o retorno com dividendos do Devant Recebíveis nos últimos 12 meses superou os 16%.

Porém, no último mês, o DEVA11 pagou menos dividendos que nos períodos anteriores. Em fevereiro, o fundo de CRI pagou R$1,25 por cota, o equivalente a um dividend yield de 1,21%. 

Já em março, o Devant Recebíveis pagou um pouco menos: R$1,18, com yield de 1,15%. Porém, o dividend yield do fundo em 12 meses é de 15,48%.

O Devant Recebíveis Imobiliários é um fundo imobiliário do tipo papel. Seus investimentos são direcionados para Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs).