‌‌‌O‌‌‌ ‌‌‌‌‌‌IFIX‌‌‌‌‌‌ ‌‌fechou‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌última‌‌‌ terça-feira‌‌‌ ‌‌‌(08)‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ queda ‌‌de‌‌ -0,18%,‌‌‌ ‌‌terminando‌‌ ‌‌‌o‌‌‌ ‌‌‌dia‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ ‌‌2.725,71 ‌pontos.‌‌‌ ‌‌‌No‌‌‌ ‌‌‌acumulado‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌mês‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ março ‌‌‌e‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌ano‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ ‌‌‌2022,‌‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌variação‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌índice‌‌‌ ‌‌‌é‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ ‌‌-0,56%‌‌‌ ‌‌‌e‌‌‌ ‌‌-2,81%‌‌,‌‌‌ ‌‌‌respectivamente.‌‌‌ ‌ ‌

‌‌‌Confira‌‌ ‌‌as‌‌ ‌‌principais‌‌ ‌‌notícias‌‌ ‌‌do‌‌ ‌‌mercado‌‌ ‌‌de‌‌ ‌‌FIIs:‌‌

RECR11‌ informa resultados e divulga investimentos

A‌ ‌gestora‌ ‌do‌ ‌‌FII‌ ‌REC‌ ‌Recebíveis‌ ‌Imobiliários‌ ‌(RECR11)‌,‌ ‌detalhou‌ ‌em‌ ‌‌relatório‌ ‌gerencial‌ ‌divulgado‌ ‌na‌ ‌última‌ terça-feira‌ ‌(8),‌ ‌os‌ ‌resultados‌ ‌do‌ ‌fundo‌ ‌referente‌ ‌ao‌ ‌mês‌ ‌de fevereiro.‌ Também,‌ ‌a‌ ‌‌Real‌ ‌Estate‌ ‌Capital‌ informou a movimentação da carteira do fundo.‌

A gestora disse que, referente ao resultado de fevereiro, o RECR11 distribuirá o montante de R$ 29.016.118. O cotista receberá, por cota, o equivalente a R$ 1,1961. Confira:

RECR11

Deste modo, no acumulado dos últimos 12 meses, a distribuição de rendimentos do fundo corresponde a 13,8% a.a., ou o equivalente a 242% do CDI, garantiu a gestão. 

Além disso, a gestora destacou que o RECR11 distribuiu entre dezembro de 2017, o mês de sua criação,  e fevereiro de 2022 um montante acumulado de 63,6%. Neste período citado, o CDI acumulado foi de 23,4%.

Movimentação de ativos

Desta forma, o RECR11 fechou o mês passado com 97,4% de seus recursos alocados em CRIs, distribuídos em 83 operações.

Ao longo do mês, o fundo realizou as seguintes aquisições de CRIs, confira:

 CRI Cunha da Câmara 2: O volume adquirido corresponde a R$ 2.465.032. A taxa de aquisição do CRI corresponde a IPCA + 8,50% ao ano.

  • CRI Cortel: O fundo desembolsou R$ 25.553.786. A taxa de aquisição do CRI corresponde a IPCA + 7,00% ao ano. 
  • CRI Fasano Salvador: O fundo pagou R$ 12.646.117. A taxa de aquisição do CRI corresponde a IPCA + 8,20% ao ano. 

Vendas de ativos 

Além das aquisições citadas, o fundo também realizou desenvestimentos, vendendo as cotas dos seguintes CRIs sem ocasionar qualquer impacto financeiro no resultado do fundo:

 CRI Cidade Matarazzo: R$ 43.113.442

  • CRI CODEPE: R$ 1.858.421 
  • CRI Colmeia Rodes: R$ 810.568 

Em relação às cotas de FIIs, o RECR11  também vendeu 73.557 cotas do FII SNCI11, com preço médio equivalente a R$ 103,69/cota. O total alienado correspondeu a R$ 7.626.877 e gerou um ganho de capital para o fundo de R$ 271.177.

O FII REC Recebíveis Imobiliários é um fundo imobiliário do tipo papel com foco na gestão ativa de ativos de renda fixa com preponderância em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs). 

RBRP11 distribuirá menos este mês e explica ao cotista a razão

A gestão do FII RBR Properties (RBRP11) comunicou aos cotistas na última terça-feira (08), sobre o não pagamento de aluguel de um locatário do fundo. A RBR Asset explicou aos cotistas sobre os impactos desta inadimplência na distribuição de rendimentos. 

Por meio de fato relevante divulgado ao mercado, a gestora confirmou que não recebeu o aluguel referente à competência janeiro de 2022, vencimento fevereiro de 2022. A locatária em questão é a Prevent Senior Private Operadora de Saúde, que está atrelada à locação do Ed. Celebration.  

Neste caso, a gestora esclareceu que o não recebimento do aluguel foi resultado de problemas operacionais internos da Prevent. Porém, a gestão do RBRP11 não trouxe mais informações sobre tal inadimplência.  

Diante disso, a gestora do fundo destacou que a Prevent pagou todos os valores devidos, incluindo-se os valores a título de multa e encargos moratórios, uma vez que o contrato de aluguel prevê esse tipo de reparação ao locador. 

Por isso, considerando que a dívida foi paga ontem, a gestora disse que a distribuição de rendimentos relativa à competência fevereiro, divulgada ontem, teve um impacto negativo de aproximadamente R$ 0,04 (quatro centavos) por cota.

Ou seja, o cotista receberá R$0,42 no mês de março, o equivalente a 0,64% de dividend yield.  No mês de fevereiro, o cotista recebeu R$0,46.

O FII RBR Properties (RBRP11) é um fundo imobiliário de tijolo com investimentos em escritórios.

VISC11 informa resultados e indicadores de shoppings

A gestora do Vinci Shoppings Centers FII (VISC11) informou seus cotistas por meio de Relatório Gerencial os resultados do fundo no mês de fevereiro. Em complemento, a Vinci Real Estate, gestora do fundo, comentou sobre os indicadores dos shoppings de seu portfólio. 

Em fevereiro, considerado um mês de baixa sazonalidade os shoppings centers, a distribuição de rendimentos do VISC11 foi de R$ 0,68/cota. O resultado gerado no mês foi de R$ 0,66/cota, em linha com a nossa projeção para este momento do ano. Confira:

VISC11

Além disso, a gestora confirmou que o fundo conta com um resultado acumulado não distribuído de R$ 0,51/cota que poderá ser utilizado para distribuições futuras. 

Com base na expectativa de resultado dos shoppings para este ano, a gestora estima que o rendimento mensal de janeiro a dezembro de 2022 estará na faixa de R$ 0,65 e R$ 0,70 por cota. 

Indicadores dos shoppings

Na visão da gestora, os indicadores operacionais dos shoppings do portfólio apresentaram resultados favoráveis. Os resultados demonstram a normalização do hábito de consumo em todas as regiões. 

As vendas totais/m² cresceram 40,8% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Confira no gráfico abaixo: 

VISC11

Além disso, o NOI Caixa/m² apresentou crescimento de 42,3% neste mesmo período. Mas quando comparado com o ano de 2019, houve uma redução de 12,6%. Veja abaixo:

VISC11

O aluguel das mesmas lojas (SSR) apresentou crescimento de 38,0% em comparação ao mesmo mês do ano anterior. As vendas das mesmas lojas (SSS) apresentaram crescimento de 21,4% quando comparado com o mesmo mês do ano anterior. 

VISC11

Por fim, o fluxo de veículos no mês de janeiro apresentou um aumento de 16,8% em comparação ao mesmo mês do ano anterior. Confira abaixo:

Aquisição do Shopping Pantanal

Conforme divulgado em fato relevante, o VISC11 concluiu a aquisição de participação adicional equivalente a 1,5995% do Pantanal Shopping, localizado em Cuiabá, no Mato Grosso. 

Neste caso, o valor total da aquisição foi de R$ 11.196.500,00, com pagamento à vista nesta data, passando o fundo a ter direito ao recebimento do NOI em regime caixa referente a participação adquirida, com estimativa de um cap rate de 8,1% para os próximos 12 meses. 

Com esta aquisição, o VISC11 que possuía 21,4995% no Pantanal Shopping, passou a ter 23,0990% de participação no referido ativo. 

O Vinci Shoppings Centers FII é um fundo imobiliário do tipo tijolo. Seu objetivo é a obtenção de renda por meio da aquisição ou venda de ativos imobiliários, em especial os shoppings centers.