O Fundo de Investimento Imobiliário VBI CRI (CVBI11), administrado pela BRL Trust DTVM  S.A., divulgou nesta quarta-feira (14) o seu relatório gerencial do mês de março, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais.

O objetivo do CVBI11 é a obtenção de renda e ganho de capital, através do investimento de, no mínimo, dois terços do seu patrimônio líquido diretamente em ativos de renda fixa de natureza Imobiliária, especificamente: 

  • Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI);
  • Letras Hipotecárias (LH); 
  • Letras de Crédito Imobiliário (LCI);
  • Letras Imobiliárias Garantidas (LIG);
  • Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário (FII);
  • Certificados de potencial adicional de construção emitidos com base na Instrução da CVM;

O VBI CRI encerrou o mês de março com R$ 515 milhões alocados em CRI e FII, representando 86% do patrimônio líquido alocado. O fundo adicionou 3 novos CRI à carteira ao longo do mês: 

  • R$ 27,3 milhões no CRI Normandie (CDI + 4,7%); 
  • R$ 59,4 milhões no CRI Tocantins II (IPCA + 7,5%);
  • R$ 18 milhões no CRI São Benedito – Série A (IPCA + 6,3%);
  • R$ 17,5 milhões do CRI São Benedito – Série B (CDI + 4,3%);

Além disso, o CVBI11 aumentou a exposição em 2 CRI da carteira: R$ 5,1 milhões no CRI Gafisa e R$ 8,0 milhões no CRI CLE, e aumentou também a exposição em fundos imobiliários adquirindo R$ 8,7 milhão do fundo KNCR11. 

Portfólio do CVBI11

No final de março, cerca de 82,7% do patrimônio líquido do VBI CRI (CVBI11) estava alocado em CRI com uma rentabilidade média ponderada de 12,7% ao ano, com prazo médio de 5,0 anos e spread médio de 3,9% ao ano. 

Importante lembrar que todos os CRI da carteira pagaram conforme seus respectivos cronogramas de amortização e o fundo não conta com histórico de inadimplência.

A carteira de ativos do CVBI11 se distribui entre 5 segmentos:

  1. Loteamento - 33%;
  2. Residencial - 30%;
  3. Shopping - 18%;
  4. Logística - 16%;
  5. Varejo - 2%;

A distribuição por indexador é de 58% no IPCA, 36% no CDI e 6% no IGP-M. A distribuição geográfica dos ativos se dá principalmente em São Paulo, onde fica 36,7% dos ativos. No Mato Grosso há 19,8% dos ativos e no Tocantins tem 12,1% dos ativos. Além disso, 60% dos vencimentos dos contratos é em algum ano à frente de 2030.

CVBI11 anuncia resultados e atualização de portfólio em março

Resultados e rendimentos

O VBI CRI (CVBI11) iniciou as atividades em julho de 2019 e tem 5.956.926 de cotas emitidas. A taxa de administração é de 1,08% ao ano sobre o patrimônio líquido do fundo, sendo 0,90% repassado ao gestor. 

O patrimônio líquido do CVBI11 é de R$ 596,1 milhões e o valor de mercado é de R$ 631,4 milhões. O valor patrimonial da cota foi de R$ 100,07 e o valor de mercado da cota de R$ 106,00. O volume médio diário negociado no mês foi de R$ 3,4 milhões.

O VBI CRI pagou um dividendo por cota de R$ 0,85 e o dividend yield anualizado com base no valor da cota negociada na B3 em 31 de março é de 9,6%. Já o dividend yield considerando o valor da cota patrimonial na mesma data é de 10,2%. O número de cotistas alcançou a marca dos 28.535, que representou um aumento de 10% em relação ao mês anterior.

O CVBI11 encerrou março com uma reserva acumulada de R$ 0,26 por cota. A distribuição por cota em fevereiro foi de R$ 1,24, assim como em janeiro de 2021. O volume negociado durante o mês atingiu o montante de R$ 79,2 milhões, o que corresponde a 12,5% do valor de mercado.

A receita do CVBI11 em março foi de R$ 5,0 milhões e as despesas de R$ 100 mil. O resultado operacional era de R$ 4,9 milhões. Com o resultado financeiro líquido de R$ 200 mil, o lucro líquido é de R$ 5,1 milhões.