A administradora de fundos Votorantim Asset Management DTVM Ltda. do fundo imobiliário Green Towers (GTWR11) comunicou ao mercado e aos cotistas nesta segunda-feira (26), através de fato relevante, o aditamento ao contrato de locação um de seus ativos alvo, junto com o FII Sapucaí Rio e o Banco do Brasil.

O Green Towers afirma que o 13º aditamento que foi assinado, previu a não aplicação do reajuste do aluguel incidente no mês de novembro de 2020 de acordo com a variação do IGP-M/FGV mediante o estabelecimento de determinadas contrapartidas pelo locatário.

Dentre as contrapartidas do locatário do GTWR11, destaca-se que o aluguel mensal foi contratualmente revisto, de cerca de R$ 11,85 milhões, valor esse que resultou da aplicação do índice de atualização monetária originalmente previsto no contrato de locação sobre o valor de quase R$ 9,8 milhões, para R$ 10,106 milhões.

Mais detalhes do aditamento de contrato do Green Towers

Além disso, os efeitos dessa atualização monetária decorrem a partir do mês de novembro de 2020. Outro ponto a se considerar, é que “em decorrência da revisão consensual do aluguel mensal, foi estabelecido nesse mesmo período um novo termo inicial para contagem do prazo necessário de 3 anos necessários para exercício do direito de revisão dos aluguéis”, explicou o Green Towers.

Apesar disso, o direito revisional só poderá ser exercido novamente a partir de novembro de 2024. Desse modo, o prazo locatício foi estendido até 31 de outubro de 2025. Sendo assim, o GTWR11 afirma que foi estipulada uma multa no valor que corresponde a 2 aluguéis então vigentes, isso se o locatário vier a rescindir o contrato de locação entre os 49º e 84º meses do prazo locatício.

Declara-se ainda que o desconto no aluguel mensal pactuado na forma como explicado acima perderá seu efeito, se o locatário não cumprir de forma integral todos os termos e condições, bem como o prazo locatício previsto no contrato de locação conforme alterado.

De qualquer modo, a administradora do Green Towers (GTWR11), BV Asset, diz que seu compromisso de transparência com o mercado, assim como com e atuação no melhor interesse de seus clientes de acordo com a legislação e regulamento vigentes.

Saiba mais sobre o GTWR11

Conforme aponta o relatório de fevereiro de 2021, o objetivo do Green Towers é proporcionar aos cotistas renda mensal por meio de locação das lajes corporativas do empreendimento Green Towers.

Até aquele momento, o fundo investiu seu patrimônio na aquisição de 85% da totalidade do empreendimento Green Towers, que corresponde a 138.947 m² de área construída.

No mês de fevereiro o desempenho da cota de mercado do GTWR11 foi de -0,71%, enquanto no ano de 2021 foi de -3,01%. Além disso, no mesmo mês o desempenho do IFIX tinha sido de 0,25%. De qualquer modo, a cota patrimonial do fundo era de R$ 110,80 e a cota de mercado de R$ 107,00.

Na ocasião, o GTWR11 acumulou 26.457 cotistas e tinha 12 milhões de cotas emitidas. Além disso, possuía até então um valor de mercado de R$ 1,3 bilhão. Por fim, o fundo apresentou em 12 meses R$ 524,7 milhões em volume negociado.