O Fundo de Investimento Imobiliário Green Towers (GTWR11), administrado pelo Votorantim Asset Management DTVM LTDA., divulgou nesta segunda-feira (24), o seu relatório gerencial do mês de abril, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais.

Conforme aponta o relatório, o fundo Green Towers detém participação de 85% no Edifício Green Towers, que fica em Brasília (DF). O locatário deste imóvel, o Banco do Brasil, consolidou a operação de 13 sedes administrativas. Nestas operações, foram realizados investimentos que somam um montante relevante. O contrato típico, iniciado em novembro de 2018, tem término previsto para outubro de 2023.

O contrato do tipo típico iniciou-se em novembro de 2018, e o seu término está previsto para o mês de outubro de 2023. O fundo ainda destaca que no segundo semestre de 2020, o GTWR11 apresentou “forte oscilação das cotas devido aos rumores de mercado acerca da devolução de lajes corporativas em função da adoção da prática de trabalho remoto (home office)”.

Além disso, o Consultor Imobiliário do GTWR11 e a BV Asset encerraram uma negociação com o Banco do Brasil no mês de janeiro de 2021. Essa negociação fechada, segundo o fundo, definiu “os termos no novo valor do aluguel que deveriam ser pagos a partir de outubro de 2020, quando deixamos de cobrar o reajuste integral do IGP-M no contexto desta negociação”.

Portfólio do Green Towers

De acordo com o relatório, o objetivo do GTWR11 é “proporcionar aos cotistas renda mensal através de locação das lajes corporativas do empreendimento Green Towers”. O investimento que o fundo realizou adquiriu 85% da totalidade do empreendimento Green Towers, equivalente a 138.947 m² de área construída.

O Banco do Brasil, segundo o relatório, consolidou a operação de 13 sedes administrativas localizadas na cidade de Brasília, na sede do empreendimento Green Towers. Esse fato melhorará a interação entre algumas de suas áreas, gerando ganhos de escala. 

O fundo destacou que “Tendo em vista a necessidade de abrigar os colaboradores e a presidência da instituição, o Banco do Brasil realizou investimentos de milhões de reais em benfeitorias neste edifício”. O Green Towers, conforme aponta o relatório, “é um dos poucos empreendimentos do mercado de Brasília classificado como Triple A com área superior a 20 mil m²”.

Em relação às características do contrato de aluguel do GTWR11, as lajes corporativas estão 100% locadas para o Banco do Brasil. Vale destacar que este contrato de aluguel está na modalidade típica com início em 1º de novembro de 2018.

Resultados e rendimentos do GTWR11

Em abril de 2021, o GTWR11 possuía valor de mercado de R$ 1,3 bilhão. Já a sua rentabilidade foi de 0,66%. Vale ressaltar que essa rentabilidade considera a variação da cota patrimonial somada aos rendimentos distribuídos.

A última distribuição de rendimentos anunciada pelo Green Towers foi de R$0,67 por cota. Esse número representava um dividend yield de 0,62% sobre a cota de mercado ao final do mês de março. A maior parte da receita do Green Towers é composta por receitas de locação. Durante o mês de abril esse tipo de receita totalizou quase R$ 8,33 milhões.

A receita total do Green Towers em abril foi de R$ 8,336 milhões, enquanto as despesas totalizaram quase R$ 4,4 mil. Os rendimentos totais foram de R$ 8,33 milhões, enquanto o resultado a ser distribuído alcançou R$ 8,04 milhões. A quantidade de cotas emitidas atingiu o total de 12 milhões.

Em abril de 2021, a cota patrimonial do GTWR11 chegou a R$100,77, enquanto o valor de mercado da cota atingiu o patamar dos R$108,47. A rentabilidade efetiva mensal do fundo em 2021 acumula 2,58%. Já a rentabilidade de mercado do fundo em abril foi de 2,00%, acumulando -0,45% em 2021.

GTWR11 anuncia resultados e rendimentos do mês de abril

 

Na receita total do GTWR11, acumulada no ano de 2021, o montante total alcançou R$ 33,35 milhões, enquanto os rendimentos totais do ano ficaram próximos a R$ 31,67 milhões. A distribuição por cota acumulada em 2021 atingiu R$ 2,70.