O Fundo de Investimento Imobiliário VBI Prime Properties (PVBI11), administrado pelo BTG Pactual Serviços Financeiros S.A. DTVM, divulgou nesta sexta-feira (16) o seu relatório gerencial do mês de março, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais.

O PVBI11 tem o objetivo de obter renda e ganho de capital por meio do investimento de, no mínimo, dois terços do seu patrimônio líquido diretamente em imóveis, direitos reais sobre imóveis relacionados ou destinados ao segmento corporativo, ou comercial.

Além disso, o VBI Prime Properties pode investir indiretamente nos Imóveis alvo mediante a aquisição de ações ou cotas de sociedades de propósito específico, cotas de fundos de Investimento Imobiliário e cotas de fundos de investimento em participações.

O gestor do PVBI11 destacou a celebração do aditivo ao contrato de locação referente a área ocupada de 6.240 m² de ABL, com a China Construction Bank, renovando o período locatício por mais três anos, contados a partir de junho de 2021. No dia 31 de março, ambos os imóveis se mantinham 100% ocupados.

No dia 15 de abril de 2021, o VBI Prime Properties anunciou a celebração do aditivo ao contrato de locação referente a 22.340 m² do ABL do Park Tower com a Prevent Senior. A renovação acontecerá em 2022, agora passou para 2024. Ocorreu ainda a alteração do indexador do contrato de IGP-M para IPCA, trazendo um incremento na receita imobiliária de R$ 0,04 por cota.

A taxa de administração total do fundo é de até 1,00% ao ano sobre o patrimônio líquido do PVBI11, sendo desconto de 100% na taxa de gestão no 1º ano e no 2º ano, cobrança sujeita a rentabilidade das cota no mês ser superior a 0,542%.

Resultados e rendimentos

O dividendo pago por cota pelo VBI Prime Properties referente ao mês foi de R$ 0,50, pagos no dia 8 de abril,  trazendo um dividend yield anualizado de 6,2%, considerando tanto o valor da cota negociada na B3 em 31 de março, quanto o valor da cota patrimonial na mesma data.

Além disso, o número de cotistas do PVBI11 terminou o mês de março em 27.283, permanecendo em um nível estabilizado em relação ao mês de fevereiro, mas progressivamente mais alto do que os meses anteriores, contando a partir de julho de 2020, como mostra o gráfico:

PVBI11 anuncia resultados e desempenho do mês de março

A variação da cota do PVBI11 na B3 foi de -3,8% no mês de março, enquanto a rentabilidade total, considerando os dividendos + variação da cota, é de -0,5%. No mesmo período, o desempenho do IFIX alcançou os +4,5% e o CDI 1,3%. É possível ver essas variações de uma forma mais aprofundada no gráfico a seguir:

PVBI11 anuncia resultados e desempenho do mês de março

O patrimônio líquido do PVBI11 alcançou a marca dos R$ 937,4 milhões, enquanto o valor patrimonial da cota foi de R$ 96,44. O valor de mercado do fundo atingiu os R$ 937,6 milhões e o valor de mercado da cota foi de R$ 96,46. O volume médio diário negociado no mês de março foi de R$ 2,4 milhões.

Portfólio do PVBI11

O VBI Prime Properties iniciou as atividades em julho de 2020 e possui 9,72 milhões de cotas emitidas. Em percentual do patrimônio líquido, o fundo possui alocação de:

  • 82,1% em imóveis;

  • 14,9% em caixa;

  • 3,1% em Fundos de Investimento Imobiliário (FII).

Por segmento de locatários, o PVBI11 distribui sua receita da seguinte forma:

  • Saúde - 63%;

  • Instituição financeira - 24%;

  • Gestora de recursos - 6%;

  • Escritório de advocacia - 3%;

  • Seguradora - 2%;

  • Tecnologia - 2%;

  • Outros - 0%.

Por inquilino, a receita do VBI Prime Properties é distribuída em 4 partes:

  1. Prevent Senior - 63%;

  2. Outros - 17%;

  3. UBS - 10%;

  4. China Construction Bank - 9%.

O PVBI11 atingiu a marca dos R$ 136,5 milhões de montante em caixa, no caso, não incluindo outros ativos. A 1ª Emissão do VBI Prime Properties trouxe uma captação total de R$ 972 milhões. A Área Bruta Locável Total é de 33.396 m².

Além disso, foram 11 locatários e 2 edifícios que pertencem ao VBI Prime Properties até o final de março e o fundo apresenta 0% de vacância. Vale salientar que 100% da alocação da receita por localização do fundo estão em São Paulo. Por classe, a distribuição dessa receita é 100% na AAA e todos os contratos são típicos.