A administradora de fundos BRL Trust DTVM S.A. e a gestora Vinci Real Estate Gestora de Recursos Ltda. do fundo Vinci Logística (VILG11), anunciou ao público nesta quinta-feira (29), através de comunicado ao mercado, sobre a celebração de acordo vinculante para aquisição de ativo imobiliário.

O ativo imobiliário referente ao acordo de aquisição do VILG11 fica em um raio de 30 km da cidade de São Paulo. No total, o ativo apresenta uma Área Bruta Locável (ABL) de 16 mil metros quadrados. Importante destacar que esse acordo não é uma garantia que de fato o fundo concluirá a operação.

Para que a aquisição do Vinci Logística (VILG11) possa realmente se concluir, é preciso que se atenda a algumas condições. Além disso, é preciso haver a conclusão de auditoria de maneira satisfatória e diligência desse ativo que é objeto do acordo.

Uma das condições colocadas no acordo, está justamente no fato de que o VILG11 deve realizar o pagamento sinal de R$ 10 milhões. Este, por sua vez, será abatido do valor final da transação. Até que se chegue ao momento em que a transação esteja concluída, o fundo disse que “fará jus à remuneração mensal correspondente à taxa DI sobre tal montante”.

Outro ponto que o Vinci Logística destacou, é que em caso de não prosseguimento com a aquisição, o fundo será ressarcido pelo valor total do sinal. Além disso, em favor de um compromisso de confidencialidade que assumiu-se com o vendedor, a gestora do fundo afirma que “divulgará as informações detalhadas da transação quando a aquisição for concluída”.

Portfólio do VILG11 até março

Segundo consta no relatório gerencial do VILG11 de março de 2021, os principais destaques do mês foram:

  • Aquisição de 50% do empreendimento Parque Logístico Pernambuco;
  • Realização de mais uma locação no ativo Parque Logistico Osasco;
  • Renovação do contrato do inquilino Stock Tech (Comfrio).

O patrimônio líquido do Vinci Logístico ao final de março era R$ 1,7 bilhão. Enquanto isso, as participações em ativos imobiliários totalizavam R$ 1,4 bilhão. Já as aplicações financeiras foram de R$ 529,8 milhões.

Esse último número do VILG11 inclui R$ 435,2 milhões em fundos referenciados DI com liquidez imediata. Outra consideração nesse valor são os R$ 94,6 milhões em cotas de Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs) com liquidez elevada.

O VILG11 tem ainda R$ 66,6 milhões negativos em referência a obrigações financeiras de longo prazo. Desse total, apenas R$ 2,3 milhões apresentam vencimento ainda no ano de 2021.

Saiba mais sobre o Vinci Logística

O resultado do Vinci Logística em março foi de R$ 6,7 milhões, que equivale a R$ 0,45 por cota. Além disso, o resultado dos imóveis foi R$ 7,039 milhões, que corresponde a R$ 0,47 por cota. O fundo ainda terminou encerrou o mês com uma reserva de resultado não distribuído de R$ 53 mil, se levar em conta o período após a distribuição dos rendimentos.

A rentabilidade acumulada total do Vinci Logística desde o seu IPO é de 75,1%. Já o desempenho do IFIX no mesmo período foi de 24,0%. O VILG11 terminou o mês de março com 128.501 cotistas e um valor de mercado de cerca de R$ 1,8 bilhão.

A cota ajustada do VILG11 terminou março na B3 a um preço de R$ 117,54, que equivale uma variação negativa de 4,4%. Esse valor, somado aos rendimentos distribuídos, trouxe uma rentabilidade negativa de 4,0% no mês.