O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ segunda-feira‌ ‌(20)‌ ‌em queda de -1,07%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.700,59 pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ setembro ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ -1,79%‌ ‌e‌ -5,9%,‌ ‌respectivamente.‌

Também, o ‌‌índice‌‌ ‌‌‌‌SUNO30‌‌‌‌ ‌‌fechou‌‌ ‌‌em‌‌ queda de -1,11%‌ ‌‌e‌‌ ‌98,27 pontos.‌‌ ‌‌Veja‌‌ ‌‌na‌‌ ‌‌tabela‌‌ ‌‌‌abaixo:‌‌ ‌ 

fechamento fiis

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

PVBI11 informa sobre resultados e emissão de cotas

A‌ VBI Estate Gestão de Carteiras,‌ ‌gestora‌ ‌do‌‌ FII VBI Prime Properties (PVBI11),‌ ‌comunicou‌ ‌nesta‌ segunda-feira ‌(20)‌ os resultados do mês de agosto. Também, a gestora deu detalhes sobre reforma em ativo, emissão de cotas e planos para novas aquisições.

O fundo comunicou a distribuição de rendimentos equivalente a R$ 0,56 por cota, que foram pagos no dia 08/09. Esta distribuição representa um dividend yield de 7,1% sobre o preço de fechamento e 6,7% sobre o valor da cota patrimonial. Confira abaixo:

PVBI11

Até o fechamento de agosto, a vacância do PVBI11 estava em 0,1%, com apenas 1% da área da Torre B do JK disponível. A gestora disse que o prazo médio dos contratos é de 7 anos. 

Além disso, durante o mês de agosto, o fundo recebeu a totalidade dos recebíveis de sua carteira de CRIs sem possuir qualquer inadimplência. 

Reforma do ativo Faria Lima

Com o objetivo de maximizar a receita do Ativo Faria Lima, agregando valor ao imóvel para mantê-lo como um dos melhores empreendimentos da famosa avenida de São Paulo, em outubro de 2020 iniciamos obras de melhoria no ativo. 

Em 31/08 as obras do lobby estavam 100% concluídas. Ao longo do mês foi dada continuidade nas obras de retrofit dos elevadores de serviço e desenvolvimento do projeto de retrofit dos bicicletários e vestiários. 

Como próximo passo, teremos o upgrade do sistema de acesso. “Esses investimentos visam a modernização do empreendimento, mantendo seu valor e qualidade, como um dos melhores edifícios Triple A da Faria Lima”, destacou a gestora.

Confira abaixo o perfil dos ativos do PVBI11:

PVBI11

Emissão de cotas

Em agosto do PVBI11 fez sua emissão de cotas, com o objetivo captar o montante total de R$ 335 milhões (sem incluir lote adicional). 

Neste caso, o preço de subscrição foi de R$ 95,50/cota, já incluindo os custos de distribuição de R$ 0,12/cota. 

Entre os vários objetivos da emissão, destacam-se: 

  • a aquisição da fração ideal de até 25% do imóvel denominado por Torre B JK, com custos de aquisição estimados em aproximadamente R$ 237,8 milhões 
  • pré-pagamento dos créditos imobiliários que lastreiam os CRIs, denominado “CRI JK”, no valor nominal de R$ 56,0 milhões; 
  • pagamento da 2ª parcela referente ao preço de aquisição da fração ideal de 50% do edifício denominado de “Union Faria Lima” no valor estimado de R$ 40,5 milhões; 
  • o restante será destinado para a formação de caixa para o Fundo. 

Desconto na taxa de gestão

Porém, se o fundo não conseguir captar o recursos projetado, os recursos líquidos da oferta serão aplicados objetivando, fundamentalmente, auferir rendimentos e/ou ganho de capital por meio do investimento em ativos. 

Com essa nova emissão, a gestora decidiu conceder um desconto adicional na taxa de gestão, e com isso, o pagamento da taxa de gestão do PVBI11 entre o encerramento da Oferta até o 12º mês contados do encerramento da oferta está condicionado a distribuição mensal dos cotistas de no mínimo R$ 0,56 por cota. 

O FII VBI Prime Properties é um fundo imobiliário do tipo tijolo, com o objetivo de rentabilizar no mínimo dois terços do seu patrimônio líquido diretamente em imóveis do segmento corporativo ou comercial, cotas de FIIs e cotas de Fundos de Investimento em Participações.

RZTR11 informa resultados e explica aquisições

A Riza Asset Management, gestora do FII Riza Terrax (RZTR11), comunicou em relatório gerencial nesta segunda-feira (20), a apresentação dos seus resultados referente ao mês de agosto. Além disso, a gestão do fundo falou sobre suas aquisições.

Em referência ao mês de agosto, o Riza Terrax distribuiu R$ 0,90 por cota referente ao no início de setembro. Esse valor é equivalente a um dividend yield de 0,92%. O fundo distribuiu o valor acumulado de R$ 6,22 por cota, no período de janeiro a agosto/2021. Confira abaixo:

RZTR11

Já no mercado secundário, a cota do RZTR11 variou de R$ 96,50 para R$ 97,41 reais, um retorno total bruto de 1,87% no mês. 

Investimentos do fundo

A alocação do fundo chegou a 9 6% após a aquisição da fazenda Paranatinga, disse a gestora. Desta forma, o RZTR11 ainda possui recursos em caixa, uma vez que as aquisições são desembolsadas em parcelas, seguindo os trâmites de registro das propriedades junto aos cartórios locais. 

Segue abaixo as teses de investimento do fundo e a porcentagem de alocação em cada uma delas:

RZTR11

Desta forma, o RZTR11 assinou contratos de compra e venda de ações de algumas empresas geridas pela Brookfield no Brasil. Porém, as transações estão sujeitas à prévia aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e à implementação de determinadas condições precedentes ao fechamento. 

Só após a conclusão destas etapas que a gestão divulgará os detalhes aos cotistas por meio de um novo Fato Relevante. 

A gestão destacou que sua equipe que trata do agronegócio está focado em realizar operações estruturadas através da estratégia de “Land Equity”, assim visando entregar cada vez mais rentabilidade para os cotistas. 

Por fim, a gestora observa de perto a abertura das taxas de juros e segue realizando operações com taxas condizentes com o cenário atual, visando gerar retornos acima do target do fundo de CDI+4,5% a.a

O FII Riza Terrax tem como principal objetivo gerar retorno para os investidores no longo prazo através do arrendamento, compra e venda de propriedades agrícolas em 3 diferentes estratégias, Sale&Leaseback, Buy to Lease e Land Equity. O fundo tem foco no território nacional, com atuação nas regiões consolidadas de produção de grãos e fibras. 

VGIP11 informa resultados e mostra seus investimentos

A gestão do Valora Cri Índice de Preço FII (VGIP11) detalhou em seu Relatório Gerencial divulgado na última segunda-feira (20), os resultados e rendimentos do fundo no mês de agosto. A Valora Investimentos também mostrou as operações efetuadas pelo fundo. 

O fundo distribuiu R$0,91 por cota como rendimento referente ao mês de agosto de 2021. Desta forma, o VGIP11 fechou o mês de agosto com uma reserva de caixa equivalente a R$0,006 por cota para eventuais despesas. Confira na tabela abaixo:

VGIP11

Nos últimos 12 meses, a distribuição de rendimentos acumulada do fundo é de R$12,83 por cota (equivalente a IPCA + 5,5% ao ano com base no valor da cota patrimonial). 

Investimentos do fundo

No mês de agosto, o fundo estava com 98,1% de seu patrimônio líquido alocado em CRI, distribuídos em 37 diferentes operações, num total investido de R$691,9 milhões. O restante dos recursos estavam investidos em instrumentos de caixa. 

No mês, o VGIP11 adquiriu um total de R$13,5 milhões em CRI distribuídos em 7 diferentes operações, todas já existentes na carteira. Confira abaixo as operações: 

  • R$4,3 milhões no CRI General Shopping com cupom de IPCA + 5,0% ao ano; 
  • R$3,1 milhões no CRI Tecnisa 344S com cupom de IPCA + 6,85% ao ano; 
  • R$2,6 milhões no CRI Socicam Chapecó com cupom de IPCA + 9,0% ao ano; 
  • R$2,2 milhões no CRI Monvert com cupom de IPCA + 10,5% ao ano; 
  • R$503 mil no CRI Gafisa 27S com cupom de IPCA + 7,85% ao ano; 
  • R$503 mil no CRI Gafisa 28S com cupom de IPCA + 7,85% ao ano 
  • R$299 mil no CRI OKA com cupom de IPCA + 9,3% ao ano. 

Em relação a qualidade creditícia da carteira do fundo, a gestão garante que todos os CRI encontram-se adimplentes. 

O Valora Cri Índice de Preço FII é um fundo imobiliário do tipo papel . O foco de seus investimentos está em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), conforme critérios definidos na política de investimento do fundo.