O IFIX apresentou na última quinta-feira (22), uma desvalorização de -0,09%, fechando o dia aos 2839,26. No acumulado do mês de abril, o índice recua em -0,26%, já no acumulado do ano está em -1,07%. 

Também, o índice SUNO30 fechou em -0,10%. Veja na tabela abaixo:

cotação do indice suno30

Confira as últimas notícias do mercado

PVBI11 anuncia compra de 50% de imóvel em São Paulo

A administradora BTG Pactual e a gestora VBI Real Estate Gestão de do fundo imobiliário VBI Prime Properties (PVBI11), comunicou ao mercado nesta terça-feira (20) a compra de parte de um edifício em São Paulo.

A celebração dessa compra de imóvel do PVBI11 se refere à aquisição de 50% da fração ideal do edifício denominado de “Union Faria Lima”. A propriedade desse imóvel é a Dublin Empreendimento Imobiliário SPE S/A..

O ativo adquirido pelo VBI Prime Properties, o edifício Union Faria Lima, contará com 10.083 m² de Área Bruta Locável (ABL), dividida em 20 pavimentos com conjuntos que podem variar de 319 a 603 m², com padrão imobiliário AAA.

Além disso, a previsão de entrega é em outubro de 2023. O empreendimento será entregue ao PVBI11 com acabamento na modalidade warm-shell, dos quais inclui piso elevado, forro, luminárias e distribuição de ar-condicionado no modelo open-space.

O valor total da transação feita acordada pelo PVBI11 é de cerca de R$ 176,46 milhões, que serão pagas em prestações até a entrega do imóvel em 2023.

BTCR11 se mostra otimista com os próximos meses e informa resultados

Em relatório gerencial apresentado aos cotistas nesta quinta-feira (22), a gestão do BTG Pactual Crédito Imobiliário (BTCR11) comunicou aos cotistas sua expectativa de maiores ganhos nos próximos meses. Também, a gestão publicou os resultados do mês de março. 

O BTG Pactual relatou que o “mês de março marcou o início do ciclo de alta de juros pelo comitê de política monetária (COPOM)” em virtude dos índices de índices inflacionários que seguem em alta desde o ano passado. 

Como o BTCR11 possui ativos indexados tanto ao IPCA, CDI e IGP-M, é esperada uma “performance positiva nos próximos meses”, informou a gestora. 

Em março, a distribuição de resultados do BTCR11 ficou em R$ 0,65 por cota. A gestão explicou que esse valor reflete “o posicionamento da gestora em adotar algumas estratégias de ganho de capital, da alocação de quase todo caixa disponível, além da maior rentabilidade devido às novas alocações”. 

BLMG11 explica seu perfil de investimento e mostra resultados

O Fundo de Investimento Imobiliário BlueMacaw Logística (BLMG11), administrado por Vortx DTVM Ltda., divulgou nesta quinta-feira (22) o seu relatório gerencial do mês de março, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais, assim demonstrou seu foco nos investimentos.

O objetivo e perfil do BLMG11 está relacionado a uma gestão ativa institucional de investimentos imobiliários no setor de galpões com um ojetivo em renda, também buscando apreciação de capital. 

O BLMG11 afirma ser “diferenciado pela sua alta capacidade de originação de negócios, com foco em processos não competitivos e gestão ativa, além que afirmar que busca a geração de valor operacional, relação com inquilinos e alocação em ativos próximos dos principais centros urbanos.

O fundo tem hoje 64 cotistas, em meio a apenas uma emissão que foi realizada desde o seu início, que é de quase oito meses até então. Referindo-se ainda à performance do BlueMacaw Logística no mês de março, a distribuição de rendimentos do mês foi de R$ 0,73 por cota. 

AFCR11 explica o racional de suas operações no mercado de CRIs

Em relatório gerencial apresentado aos cotistas nesta quinta-feira (22), a gestão do AF Invest FII Recebíveis Imobiliários (AFCR11) comunicou aos cotistas os resultados do fundo no mês de março e explicou o racional de suas operações no mercado de CRIs.  

O IFIX tem acumulado quedas durante o mês de abril. Na contramão do desempenho do índice, a cota do AFCR11 acumula alta de 6,32% no primeiro trimestre de 2021. 

Diante disso, o AFCR11 distribuiu R$ 1,07 por cota. De acordo com a AF Gestão de Investimentos, este resultado “corresponde a 540% do CDI mensal”. 

Em relação à macroeconomia, a gestão do AFCR11 afirma que, para o fim do ano de 2021, é esperada uma taxa de 5,25% da taxa básica de juros (Selic).

Como o fundo possui muitos ativos indexados ao IPCA, a expectativa da gestão é positiva para o ano. 

Por fim, a equipe gestora destacou os principais critérios para análise e posterior alocação dos ativos:

  • Saúde financeira do projeto que envolve o CRI
  • Financiamento integral (no caso de financiamento de obras)
  • Expertise/histórico do incorporador 
  • Liquidez do imóvel 
  • Análise do perfil comercial do empreendimento
  • Histórico de de vendas