No mercado de investimentos hoje, saber como criar um fundo de investimento e pôr em prática, pode ser uma boa alternativa de negócio.

Apesar de não ser muito simples, o retorno pode ser bem atrativo. Por isso, saber como criar um fundo de investimento é um grande diferencial no mercado de capitais.

O caminho sobre como criar um fundo de investimento é basicamente procurar as entidades reguladoras do mercado e atender todos os requisitos exigidos por tais órgãos, de modo que, assim, os padrões legais sejam preenchidos de maneira satisfatória para que a operação, de fato, do fundo em questão em seu respectivo nicho de atuação possa ser executada legalmente.

No entanto, neste artigo, vamos apenas mostrar os passos necessários, pois é um trabalho bem detalhado e requer bastante conhecimento.

Como montar um fundo de investimento

como criar um fundo de investimento

Um fundo de investimento tem como base um grupo de pessoas que unem os seus recursos financeiros afim de obter lucros através da gestão de um profissional qualificado.

Esse gestor tem a função de analisar o mercado financeiro, escolher os melhores investimentos de acordo com o perfil do fundo para assim montar uma carteira.

Agora, veja quais são os seis passos para montar um fundo:

  1. O gestor deve receber o título de aprovação pela CVM (Comissão de Valores Imobiliários)
  2. Abrir uma empresa com CNPJ e razão social de administração de recursos
  3. Pedir autorização para a CVM para a empresa administrar recursos
  4. Entrar com o pedido na Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais) para aderir ao código de melhores práticas de mercado
  5. Procurar um administrador e custodiante para o fundo
  6. Captar ou aportar o capital inicial

É interessante destacar que todo este processo pode demorar algo em torno de 6 meses a 2 anos.

Adicionalmente, pode ser possível abrir fundos com PL (Patrimônio Líquido) menor – entre R$ 500 mil e R$ 5 milhões.

Porém, existem muitas despesas e caso o fundo não se desenvolva, provavelmente será fechado por falta de fôlego.

Assim, quanto menor o PL, maior o impacto dos custos na rentabilidade total do fundo.

Como formar um clube de investimento

como criar um fundo de investimento

Essa é a maneira pela qual muitas pessoas estão descobrindo os segredos do mercado de ações.

Afinal, desde que surgiram no Brasil, os clubes de investimento não param de aumentar.

Enquanto em um fundo de ações o investidor apenas se limita a fazer aportes de dinheiro sem se preocupar com a gestão, num clube, o cotista pode participar ativamente da política de investimentos, decidindo quanto e em qual ação irá investir.

E se engana quem pensa que montar um clube de investimento é um bicho-de-sete-cabeças.

Pelo contrário, veja como é:

  • O primeiro passo é reunir um grupo de no mínimo 3 pessoas ou no máximo 50 participantes.
  • O ideal é que tenham interesses em comum, como um grupo de colegas de trabalho que queiram guardar dinheiro para a aposentadoria.
  • Com um objetivo assim, fica mais fácil chegar a um consenso na hora de decidir que tipo de papel comprar.
  • O segundo passo é procurar uma administradora, que poderá ser uma corretora, uma distribuidora de títulos ou um banco.
  • O administrador cuida da parte burocrática do investimento, como manter o cadastro dos participantes, receber e conciliar os aportes de dinheiro ou custodiar os ativos.
  • Quando o grupo decidir em que papel investir, será a administradora que irá concretizar o negócio.
  • Feita a escolha, a próxima etapa será a preparação do estatuto social, que é o conjunto de normas que deverão ser seguidas para o funcionamento do clube.
  • Nele constarão, por exemplo, a quantidade e o valor de cada cota do clube, a taxa de administração, a política de investimentos e a composição da carteira do clube.

Vale lembrar que, pela lei, nenhum participante pode deter mais de 40% das cotas e o clube deve, obrigatoriamente, investir pelo menos 67% do seu patrimônio em ações.

Se tudo estiver certo com o estatuto, o clube poderá ser registrado na B3 e na Receita Federal e, a partir daí, começar a operar.

Em conclusão, saber como criar um fundo de investimento pode ser um diferencial muito interessante, mas é preciso muito conhecimento e responsabilidade para desempenhar essa função.

Marcos Baroni
Marcos Baroni Especialista em FIIs (Suno Research)

Marcos Baroni é especialista em Fundos Imobiliários. Professor há 20 anos em cursos de Graduação e MBA nas áreas de Gestão de Projetos e Processos.

Comentários