ONEF11 vende The One para PVBI11 e reforça consolidação do mercado de FIIs

A operação, que teve a aprovação de 34,73% dos cotistas, marca o encerramento do FII ONEF11. A venda é avaliada em R$ 197,5 milhões. Veja detalhes.

ONEF11 vende The One para PVBI11 e reforça consolidação do mercado de FIIs
ONEF11 vende The One e reforça consolidação do mercado de FIIs. Foto:Pixabay

O fundo imobiliário ONEF11 aprovou em assembleia a venda de suas unidades no edifício The One, situado no bairro do Itaim Bibi, para o fundo PVBI11. Essa transação, avaliada em R$ 197,5 milhões, será efetuada em duas etapas: uma parcela de R$ 35,8 milhões em dinheiro e o restante de R$ 161,6 milhões em cotas do PVBI11, por meio de uma oferta pública. 

A operação, que teve a aprovação de 34,73% dos cotistas, marca o encerramento do ONEF11, que será liquidado. Segundo André Dafico, analista de FIIs da Suno, não será necessário trâmite adicional do PVBI11 para que a transação seja finalizada; falta apenas esperar a finalização da emissão de cotas (em andamento) para que o fundo realize o pagamento. A assembleia da ONEF11 ocorreu em 28 de outubro.

O movimento do PVBI11 aponta uma tendência de consolidação de fundos imobiliários (FIIs), abrangendo maior número de fusões e incorporações. 

Nos últimos meses, houve vários movimentos de incorporações no segmento, um deles da própria PVBI11, que adquiriu o único ativo do VLOL11. Os cotistas do VLOL11 receberam parte em valor financeiro e outra parte em participação do PVBI11.

Além disso, o MGCR11 neste ano vendeu todos os seus ativos para o fundo imobiliário Valora Hedge Fund (VGHF11). A Valora pagou R$ 129,1 milhões pelo patrimônio do fundo adquirido. Outra incorporação foi do GTLG11 pelo HGLG11.

“Acredito que teremos mais consolidação no mercado de FIIs, afinal temos 503 fundos imobiliários listados, com patrimônio líquido próximo a R$ 223 bilhões”, diz Dafico. 

Marcos Baroni, analista CNPI da Suno Research, destaca que a decisão faz parte da estratégia do PVBI11 de expandir sua presença em ativos premium. A negociação também reflete a procura por imóveis triple A em São Paulo, especialmente em regiões premium como Faria Lima, Itaim Bibi, JK, Paulista e Vila Olímpia.

Anteriormente, a então administradora do ONEF11, a Rio Bravo, recusou duas propostas do PVBI11, alegando que o valor por metro quadrado oferecido estava abaixo da média do mercado. Agora, sob a gestão da Hedge Investments, os cotistas deliberaram favoravelmente à venda.

Venda do ONEF11 reforça onda de consolidação de FIIs

A venda do The One marca não apenas uma transação estratégica entre fundos imobiliários, mas também reflete as tendências e dinâmicas atuais do mercado imobiliário. 

Atualmente, outros fundos estão em processo de aquisição de ativos. Em novembro, o Mogno Fundo de Fundos (MGFF11) recebeu proposta do Valora Hedge FII (VGHF11) para vender todos os ativos por R$ 659 milhões. 

Leia mais: BTLG11 fecha acordo milionário para compra de 3 imóveis

Ainda em novembro, o Fundo imobiliário da VBI Real Estate (RVBI11) aprovou a realização de sua 2ª emissão de cotas, com a intenção de captar até R$ 750 milhões. Uma das estratégias do FII é a realização de incorporação de quatro FIIs, sendo eles: BLMR11 BLMC11, MORC11, MORE11.

Além do segmento de lajes corporativas, a tendência de consolidação é vista nos FIIs de Shoppings. Atualmente, o Brasil conta com 625 shopping centers e as dez maiores do setor têm 30% deles, entre as quais Iguatemi, Multiplan e a Allos, formada pela fusão entre BrMalls e Aliansce. 

Cenário Imobiliário em São Paulo e estratégias do PVBI11

A venda do The One ressalta a crescente procura por ativos de alto padrão na cidade de São Paulo, com as regiões premium apresentando as menores taxas de vacância e os maiores preços de locação. Relatórios bancários recentes indicam que áreas como Faria Lima, Itaim Bibi e JK continuam atraindo investidores.

O PVBI11, em sua busca por ativos premium, também concluiu recentemente a aquisição de 20% do Complexo JK-Bloco B por R$ 237 milhões. Além disso, realizou uma transação de R$ 101,6 milhões com o fundo PATC11, envolvendo conjuntos e vagas de garagem nos edifícios “The One” e “Vila Olímpia Corporate”.

Leia mais: Fundos Imobiliários de lajes corporativas têm o pior desempenho de 2023

Baroni ressalta que, mesmo em regiões mais distantes, a qualidade dos ativos e a falta de estoque na região primária, pode haver um movimento de procura maior nessas áreas. Essa dinâmica reflete não apenas nas lajes corporativas, mas em diversos segmentos imobiliários, indicando oportunidades para investidores.

Relembre as negociações do ONEF11

Desde julho deste ano, a administradora do fundo imobiliário PVBI11 tem buscado concretizar a aquisição de quatro andares do The One. No entanto, nesse período, suas propostas foram recusadas em duas ocasiões pela então administradora do ONEF11, a Rio Bravo. A reviravolta aconteceu em outubro, quando a gestão foi assumida pela Hedge Investments.

Naquela época, a Rio Bravo justificou a recusa, alegando que o valor oferecido por metro quadrado, de R$ 32 mil, estava abaixo da média das últimas transações no mercado imobiliário em regiões premium, onde imóveis triple AAA atingiram uma média de R$ 37 mil por metro quadrado.

Com a entrada da Hedge Investments, os cotistas do ONEF11 foram chamados a deliberar sobre a possível venda dos ativos para o PVBI11. Em relação ao total da base votante do fundo, 34,73% votaram a favor da transação, enquanto 12,22% expressaram votos contrários.

Tags
foto do autor: Vinícius Alves
Vinícius Alves
Jornalista

Jornalista formado na Faculdade Cásper Líbero. Com passagens pela Agência Estado e Editora Globo.

últimas notícias