O Fundo de Investimento Imobiliário XP Industrial (XPIN11), administrado pelo Vórtx DTVM Ltda., divulgou nesta sexta-feira (23) o seu relatório gerencial do mês de março, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais, assim como a atualização de seu portfólio.

O XP Industrial (XPIN11) iniciou em julho de 2018.  Primeiramente, ele tem como objetivo oferecer rentabilidade aos seus cotistas através da distribuição da renda gerada com exploração imobiliária de galpões industriais detidos pelo fundo.

Além disso, o resultado do XPIN11 no mês, segundo apontou o gestor, decorre por conta dos seguintes fatores:

  • Recebimento de 100% do valor de locação devido ao fundo;
  • Antecipação do pagamento do aluguel por 5 locatários. Isso representa 12,5% na receita de locação mensal ordinária do fundo.

Portfólio do XPIN11

Dentre as movimentações de locatários do XP Industrial ocorridas desde o último relatório, destacam-se:

  • Renovação do contrato da Bruker por 60 meses;
  • Renovação do contrato da Althaia por 120 meses, com permanência mínima de 4 anos;
  • Saída da Atlas Solística que ocupava 3.712 m²;
  • Saída da Open Labs que ocupava 433 m².

Sobre a locação dos espaços vagos, o XPIN11 disse que a equipe comercial da BBP e o gestor estão engajados na prospecção de potenciais locatários. Por fim, a gestora está atenta ao mercado na busca por oportunidades para investimento. Além disso, ela se atenta aos efeitos da grave crise econômica e sanitária da pandemia na economia e nas operações dos locatários.

Por setor de atuação dos locatários, o XP Industrial divide seu portfólio da seguinte forma:

  • Comércio varejista - 24%;
  • Tecnologia - 19%;
  • Outros - 18%;
  • Alimentos - 12%;
  • Automotivo - 11%;
  • Logístico - 9%;
  • Farma - 7%.

Por classe de ativo 94% do portfólio do XPIN11 está em imóveis. Em seguida, há 5% que está em renda fixa e demais aplicações. Por fim, 1% está em cotas de Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs). Ao passo que, em índice de reajuste dos contratos, 57% está em IGP-M e 43% em IPCA.

XPIN11 divulga resultados e movimentações de locatários de março

Resultados e rendimentos de março

No dia 15 de abril de 2021 foi comunicada aos detentores da cota do XPIN11 a distribuição de R$ 0,62 por cota. Esse valor corresponde a um Dividend Yield de 6,7% para o fundo. Importante lembrar que o valor da cota de mercado considerado nesse DY é de R$ 110,70 por cota até o final de março. O fundo pagou os rendimentos no dia 23 de abril de 2021.

O resultado do XP Industrial foi de R$ 0,80 por cota para o mês de março. No mercado secundário, o volume de negociação da cota do XPIN11 foi de R$ 37,7 milhões. Com isso, se teve uma média diária de R$ 1,6 milhão.

Além disso, as receitas do XPIN11 foram de R$ 5,84 milhões no mês de março e acumulou R$ 15,78 milhões no ano de 2021. As despesas do mês foram de R$ 559 mil, chegando a R$ 1,97 milhão no ano. O resultado líquido foi de R$ 5,28 milhões. Já o rendimento distribuído no mês foi de R$ 4,08 milhões.

O rendimento por cota em 2021 que o XP Industrial distribuiu acumulou R$ 2,10. Nos últimos 12 meses esse acúmulo foi de R$ 7,88 por cota. O valor patrimonial da cota atingiu a marca dos R$ 110,80. O valor de mercado da cota terminou o mês em R$ 110,70. Na comparação com o IFIX, o índice alcançou os R$ 133,00 por cota.

Em suma, é importante destacar que o retorno total bruto do XPIN11 foi de -3,31% no mês de março e -4,45% no ano. No mesmo período, o desempenho do IFIX foi de -1,39% e -0,80%, respectivamente. O fundo chegou a 52.480 cotistas e R$ 729,7 milhões em patrimônio líquido.